Governo Lula vai lançar campanha para aumentar o consumo | Fábio Campana

Governo Lula vai lançar campanha para aumentar o consumo

Segundo Franklin Martins, campanha começa ser veiculada em dezembro e buscará recuperar a confiança dos consumidores.

É a ofensiva publicitária para incentivar a manutenção do crescimento do mercado interno. O mote da campanha é “o mundo aprendeu a confiar no Brasil e o Brasil confia nos brasileiros”, revelou o ministro.

Segundo ele, o objetivo não é apenas influenciar o consumo, mas mostrar a necessidade das pessoas continuarem fazendo a roda da economia girar. “Vai mostrar para o cidadão que se ele ficar temeroso a economia vai se retrair. Vai mostrar que quando ele compra uma geladeira, há uma encomenda para a fábrica e assim por diante”, explicou.

Segundo Martins, “o presidente Lula faz questão de deixar claro que o discurso do governo é que a crise nasceu lá fora e não foi produzida aqui. Na reunião houve convergência de que Brasil não só está mais preparado para enfrentar a crise, mas também mais preparado do que os outros países”, afirmou.

Para o ministro, o Brasil tem acertado nas medidas contra a crise. “Estamos enfrentando a pior crise desde 1929 e dessa vez, dois meses depois [do agravamento da situação financeira], as reservas estão intocadas, não estamos de joelhos. E o país está bem, não é porque o presidente tem sorte -o que todos sabem, ele tem uma grande sorte-, mas é fruto de opções feitas pelo governo no passado”, argumentou.

Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse, na mesma coletiva, que o volume de crédito no Brasil já está maior e que “atingiu 80% do patamar anterior”. Segundo ele, ainda há problemas com o crédito para exportação e os bancos pequenos e médios ainda não voltaram a oferecer linhas de financiamento.

“Num primeiro momento os bancos tentaram segurar o crédito, mas depois liberaram o crédito. Porém, uma faixa do setor financeiro ficou sem disponibilidade de crédito, como os pequenos e médios bancos”, afirmou. Mantega disse que essas linhas representam cerca de 20% do total de financiamentos no Brasil.

Mantega disse ainda que o governo está tomando medidas anticíclicas para evitar que o país entre em recessão e mantenha uma taxa de crescimento de pelo menos 4% do PIB. “Se necessário for vamos fazer redução de impostos, já fizemos alguma coisa como o IOF”, disse o ministro.

Simples

O ministro voltou a dizer que a postergação de 60 dias para o pagamento do Simples – tributo cobrado das micro e pequenas empresas – será debatido com os governadores nesta semana. “Eu conversei com o governador Serra [José Serra, de São Paulo] e ele concordou com a medida e na quinta-feira [27] convidei os governadores do Nordeste para falar da reforma tributaria. Vou aproveitar para falar dessa questão. Vou falar até quinta com os outros governadores por telefone”, disse.

Se os governadores concordarem, Mantega pretende aprovar o adiamento dos pagamentos por 60 dias no Conselho Gestor do Simples ainda neste mês para valer já em dezembro. Com isso, os micro e pequenos empresários poderão fazer caixa com o dinheiro dos impostos em dezembro e janeiro e recomeçar a pagar o Simples em fevereiro.


7 comentários

  1. eu mesmo.
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 9:44 hs

    Justiça condena Beto Richa a devolver R$ 880 mil aos cofres públicos
    25 Nov 2008 – 08:33

    Da Gazeta do Povo de hoje:

    A 3ª Vara da Fazenda Pública condenou o prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), a devolver R$ 603 mil ao município. O juiz Rodrigo Otávio do Amaral entendeu que uma campanha publicitária da prefeitura no rádio e na televisão foi irregular, com promoção pessoal de Richa, o que causou prejuízo à administração municipal. A propaganda, veiculada em 2005, referia-se à redução da tarifa do transporte coletivo na cidade. O prefeito, segundo a sentença, usou a propaganda oficial para prestar contas do cumprimento de uma promessa da campanha eleitoral de 2004: a redução do valor da passagem. Isso não poderia ter sido feito em uma propaganda oficial do município, mas sim do partido. Ainda cabe recurso da decisão.

    O juiz Amaral determinou ainda que, ao valor a ser devolvido, deverão ser acrescidos juros de 1% ao mês desde julho de 2005, quando a propaganda foi ao ar. Com essa correção, o valor a ser devolvido até agora seria de R$ 880 mil.

    “Ora, se pretendia prestar contas do cumprimento de suas promessas de campanha eleitoral, o réu Carlos Alberto Richa deveria fazê-lo com recursos particulares ou políticos-partidários, mas nunca se utilizar de verba pública para a sua autopromoção como gestor público cumpridor de promessas realizadas durante o pleito eleitoral”, afirmou o juiz na sentença, assinada no dia 21 de outubro. Para Amaral, houve “violação ao princípio da moralidade” na veiculação da publicidade.

  2. terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 10:33 hs

    O Lula fará sua parte no aumento do consumo:
    Consumirá mais cachaça, cerveja, cigarro, picanha…

  3. Fernandes
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:29 hs

    Com a crise internacional, que ao contrário do que o “cumpanhero” disse atravessou o Atlântico e bate na nossa porta gerando recessão, desemprego, aumento dos juros ele vem falar em aumento de consumo?

    Está campanha publicitária a ser desencadeada possui o cheiro de acertos com as agências de publicidade que serviram o PT na última campanha!

  4. terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:42 hs

    Orra meu ! Se Lula não devolveu o que foi gasto extra na campanha em 2002 e também não aforam provadas e alegou que Caixa 2 todo mundo faz. Poque o Beto tem que devolver ?

  5. terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:50 hs

    Isso é uma vergonha, é enganar o povo. Esse lula é um irresponsável. Coitado de quem se fiar nessa bravata e gastar além da conta. Se o governo não tem competência de conter a crise que pelo menos não estimule o trabalhador a sofrer mais ainda as consequências da crise.

  6. Fernandes
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:55 hs

    Com a crise internacional que ao contrário do que o “cumpanhero” disse atravessou o Atlântico e bate na nossa porta gerando recessão, desemprego, aumento dos juros ele vem falar em aumento de consumo?

    Está campanha publicitária a ser desencadeada possui o cheiro de acertos com as agências de publicidade que serviram o PT na última campanha!

    Este embromador deveria seguir o exemplo da Chinaa China, que está preparando um novo pacote de estímulo para aumentar a renda individual e o consumo doméstico.

    O pacote deve ser discutido em dezembro, na Conferência Central de Economia e as suas propostas visam a impulsionar os salários, aumentar subsídios imobiliários e introduzí-los à população de baixa rendal.

  7. jango
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 15:34 hs

    Alguem já tentou segurar uma onda na praia. Brincadeira legal, a onda ve, a gente segura, e vai de roldão. Essa propaganda é isto. Faz de conta que o povo vai segurar a onda da crise. Assim ele fica entretido, se esborrachando. Enquanto issso vão bilhões ao FMI, sobem os juros para os bancos operarem acima da onda. Somos muito bonzinhos. eles fazem o que querem com o dinheiro público, até propaganda para nos enganar. Poxa !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*