Donos de supermercado em campanha pela reforma de Requião | Fábio Campana

Donos de supermercado em campanha pela reforma de Requião

Abilio Diniz

Se você quer encontrar os donos de supermercados, visite o Centro Cívico. Eles se dedicam intensamente a convencer os deputados a aprovar a proposta de Requião de reforma tributária. Acham que é a salvação da lavoura. Resta saber de que lavoura falam eles.

Deputados se dizem estressados e intrigados com o assédio dos donos de supermercados que não cansam de abordá-los e oferecer favores e presentes de fim de ano.

Chegaram ao ponto de trazer Abilio Diniz, acompanhado de Everton Muffatto, amigo do Duce, que guiou Diniz por aqui, o maior de todos eles, para uma visitinha ao Centro Cívico.


10 comentários

  1. ABRABAR
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 10:43 hs

    ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BARES E CASAS NOTURNAS (ABRABAR)

    Convocação para audiência pública da Assembléia Legislativa do Paraná

    Assunto: Aumento de impostos e Concentração de Renda

    Dia: 26/11/08

    Horário:18 horas

    Local: Associação Comercial do PR

    Calçadão da XV ao lado do correio velho

    Enviamos nossa insatisfação e preocupação aos 54 Deputados e Deputadas da Assembléia Legislativa do Paraná e membros da Comissão da Reforma Tributária do Estado do Paraná, infelizmente muitos tem os emails somente pra bonito da assembléia, ja que muitos dos endereços que anunciam no site ou na TV assembléia se quer funcionam ou são lidos. Mas acreditamos no bom senso dos parlamentares que não aceitarão a concentração de riqueza no Paraná.

    Senhor e Senhora Parlamentar:

    Uma coisa é certa os pequenos e micro-empresários serão os maiores perdedores da reforma proposta pelo governo do estado, além de não ter poder de compra de grandes magazines e redes de supermercados que estão torcendo pela aprovação da medida, estão correndo o risco de serem eliminados do mercado pela concentração de força e negociação que tem certos setores da economia, os mesmos que não repassaram a queda da CPMF dos preços, serão os mesmos a repetir a dose na questão do ICMS. Meia dúzia lucrando e centenas perdendo como sempre. Viva os oligopólios, monopólios.

    A proposta de aumento da alíquota de ICMS, pelo menos para alguns produtos, poderá ter efeito contrário ao esperado, pelos seguintes motivos:

    No geral, as alíquotas de ICMS no Estado do PR já são superiores as dos demais estados vizinhos, portanto, o reajuste desse conjunto de alíquotas em mais dois, ou até seis, pontos percentuais tornará a diferença ainda maior, conforme demonstrado no quadro abaixo:

    Maior alíquota de ICMS impacta o preço de vendas ao consumidor e representa vantagem e maior atratividade para produtos comercializados sem o pagamento dos tributos, inclusive falsificado ou contrabandeado, vendidos por preços mais acessíveis aos consumidores por causa da vantagem fiscal ilegalmente obtida;
    A diferença de preço poderá levar consumidores a preferirem comprar os produtos afetados pela maior alíquota nos estados vizinhos;
    Maior ilegalidade pode impactar a produção dessas cadeias no Estado do PR, reduzindo o volume e a atividade econômica..

    Apenas para citar um exemplo, no caso de cigarros, principalmente pela fronteira com o Paraguai, a participação de cigarros comercializados sem pagamento de impostos no PR já supera 40% do mercado, muito superior a média nacional que é de 29%. O potencial adicional de arrecadação para o Estado do PR, por conta da ilegalidade, é de R$ 56 milhões por ano, portanto, muito superior a expectativa com o aumento da alíquota.

    Para se evitar os efeitos negativos acima mencionados, a melhor solução é o ajuste das alíquotas em linha com a praticada nos demais estados.

    FABIO AGUAYO
    DIRETOR ABRABAR

  2. Jose Carlos
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 11:05 hs

    Ah, os lobos em pele de cordeiro… o que pretendem, só La Fontaine sabe…

  3. terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 11:26 hs

    Xica, La Fontaine…. nem sabem o que estão falando.

  4. O Vigilante
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 12:06 hs

    NÃO É SÓ O QUE ESCREVE A ABRABAR, ESSA REFORMA, DO JEITO PROPOSTO, VAI AFETAR A TODOS, COM OS AUMENTOS NAS ALÍCOTAS DA ENERGIA, COMBUSTIVEL E TELEFONIA. QUAL EMPRESA OU PESSOA QUE NÃO DEPENDE DO TRANSPORTE, DA LUZ E DO TELEFONE? ÊSSE GOVERNO, MAIS UMA VEZ, ANDA NA CONTRA MÃO. QUER PORQUE QUER AUMENTAR IMPOSTOS NUM MOMENTO DESSES. É O FIM DA PICADA MESMO!!!!

  5. Luis Carlos (break)
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 12:46 hs

    sabe pra quem vai sobrar para o povo o consumidor. Estamos ferrados de novo

  6. Luis Konig-Contenda
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:01 hs

    Acredito se desejam de forma tão veemente desonerar produtos afetos aos supermercados que o façam, mas de forma alguma repassem tais tributos a ex. para a energia elétrica. Repensem antes de desonerar grandes supermercados e onerar o população.

  7. terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:28 hs

    Ô Grande Campana só vc para nos dar este espaço mesmo para descer a borduna neste governinho que graças a Deus mais 1 ano e pouco termina. Campana vc não acha que por baixo deste angu tem carne ??? Que retribuição os supermercadistas darão em troca desta mamata arrumada pelo Requião???? Este Everton Muffatto embora piazão de bobo não tem nada. De um mercadinho mequetrefe com 5 lojinhas em Cascavel virou um Tubarãozão dos grande com dezenas de lojas. Ô Campana os mercados do Everton dão mais lucro que vender cocaina. Algo tá errado. É muita moleza. Pagamento de Icms com precatórios. Dá-lhe deputado Reni. Levantou a lebre na hora certa. Deste ramo ninguém paga o que deve. O povo como sempre irá pagar o PATO , O PERU E TODO O GORDO NATAL DESTA CAMBADA. Os 2% a mais no combustivel, na energia elétrica e telefonia vai encarecer todo o resto e fica tudo legal. Ganham os supermercadista. Só o Requião para achar que somos palhaços mas de palhaço dó temos o jeitão de andar pois enquanto ele vem com a farinha já assamos e comemos do bolo.

  8. terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:31 hs

    Tudo que pinta de novo, pinta na bunda do povo…esta é a lógica do comedor de mamona e sua base na assembléia…

  9. jango
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 13:57 hs

    No Brasil nada nunca abaixa. O povo segue pagando tudo e mais um pouco. O pior é quando não são somente alguns empresários feito lobos em pele de cordeiro, o pior é quando os coiotes estão travestidos de governantes. O povo, no país não ruge, bale, seu mal é.

  10. IDEM
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 17:33 hs

    Pois é Maiko é por aí. O problema é a inexistência de uma verdadeira oposição. Alguns poucos (pouquíssimos) deputados fazem realmente oposição. Os outros votam com o homem ao aprovar tudo que lhes é oferecido, inclusive alguns que sempre fazem discursos, inflamados e veementes, contra mas no fundo estão é na situação. Ô politiquinha, hein!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*