Dilma, a candidata in pectore | Fábio Campana

Dilma, a candidata in pectore

Lula já escolheu. Comunicou a decisão à interessada. E encomendou-lhe um “comportamento de candidatura”. Deu-se há cerca de cinco meses. Desde então, duas Dilmas desfilam pelos corredores do Planalto.

A ministra carrancuda sobrevive apenas nas reuniões administrativas. Nos encontros com políticos, há uma presidenciável em fase de aprendizado. As maçanetas da Casa Civil, antes avessas a senadores e deputados, tornaram-se subitamente acessíveis. A pedido do chefe, a ministra dá atenção especial à tribo do PMDB, de cujos quadros Lula planeja extrair um vice.

A nova Dilma arranca elogios. Michel Temer (SP), presidente do PMDB, diz que o partido tem conversado amiúde com a ministra. Henrique Eduardo Alves (RN), líder do PMDB na Câmara, gosta do que vê: “A ministra está mais acessível, mais sorridente. Ela aprendeu a ouvir o que a gente tem a dizer”. Lula esboça os próximos passos. Planeja a realização de uma pesquisa de opinião. Deseja “testar” a imagem pública de sua presidenciável.

Trama a “oxigenação” do comando do PT. Quer ver na executiva da legenda gente que lhe seja amiga e que tenha votos.

Por exemplo: os governadores Jaques Wagner (Bahia) e Marcelo Deda (Sergipe). Na presidência do PT, Lula quer alguém que lhe devote fidelidade, que não cause problemas.

De resto, como que preocupado com o caminhar da crise financeira, Lula aperta o ritmo na costura de uma aliança que dê a Dilma suporte partidário.

Nesse ponto, a pressa de Lula não condiz com a cautela dos parceiros. Ao discorrer sobre os planos do PMDB, Michel Temer passeia por três alternativas.

O presidente do PMDB diz que, vitaminado pelas urnas municipais, o partido analisará a sério a hipótese de comparecer a 2010 com candidatura própria.

E se a coisa evoluir para uma aliança? Neste caso, diz Temer, a opção “preferencial” é o acordo com as forças que gravitam em torno de Lula.

Mas Temer não exclui o PSDB de José serra e Aécio Neves do campo das cogitações. “A decisão não depende só de mim”, diz o deputado.

O PMDB, no dizer de Temer, não é legenda de “caciques”. A opção de 2010 será construída em regime de colegiado.

Dono de um linguajar mais direto que o de Temer, o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), diz que a crise global devolveu o PSDB ao jogo sucessório.

Declara que o discurso da candidatura própria do PMDB é conversa fiada: “O partido tem que trabalhar para manter a aliança com o presidente Lula…”

“…Do contrário, o PMDB teria de adotar um comportamento digno, devolver tudo o que tem no governo e ir embora. Fora disso, é brincadeira”.

Mas Geddel também não tem pressa: “Isso é assunto para segundo semestre do ano que vem”.

Até lá, diz o ministro, “o PMDB deve ter como prioridade a construção da aliança com lula”. Geddel traduz assim o que entende por “prioridade”.

“Eu digo prioridade porque, não sendo mais o presidente Lula o candidato, é preciso analisar a conjuntura…”

“…Num país federado como o nosso, com os interesses que tem, é preciso saber como esse contexto nacional pode se consolidar nas composições dos Estados…”

…Por ora, acho que o PMDB tem que fazer a manifestação de preferência. A boa norma política aconselha a superação dos problemas, para consolidar aliança com o PT”.

No caso de Geddel, o “problema” estadual atende pelo nome de Jaques Wagner. Para 2010, embora não admita de público, o ministro peemedebista é sério candidato a adversário do governador petista na disputa pelo governo da Bahia.

Para que diferenças assim sejam superadas, Dilma terá de exibir, além de sorrisos, musculatura eleitoral que possa ser traduzida em votos.


11 comentários

  1. domingo, 16 de novembro de 2008 – 12:50 hs

    Ótimo, assim com a arrogante guerrilheira , tudo fica mais fácil. Quanto a pesquisa encomendada pelo Planalto ,é pagar para ver…rs

  2. Zé do Coco
    domingo, 16 de novembro de 2008 – 13:56 hs

    “Comportamento de candidatura”? O que vem isso a ser exatamente?
    Clima de já-ganhou?
    Ninguém-tasca-eu-vim-primeiro?

  3. Zé do Coco
    domingo, 16 de novembro de 2008 – 13:57 hs

    Pelo visto ela come milho pela mão do sapo barbudo…

  4. SYLVIO SEBASTIANI
    domingo, 16 de novembro de 2008 – 13:58 hs

    No momento o PMDB fica apoiando o Presidente Lula e se a carrucuda Chefe da Casa Civil for candidata à Presidente da Republica, ao gosto do Lula, o PMDB também apoia, isso não tem problema enquento o PT estiver governando.Se a Dilma não se eleger, também não tem problema, pois o PMDB, como tem, ou terá bastante Senador e deputado Federal, vai apoiar o futuro Presidente, que seja de qualquer partido.É facil esse julgamento, lembram que o deputado federal Ulysses Guimarães foi candidato à Presidência da Republica e perde? Não houve problema, o PMDB continuou no Governo. O PMDB de hoje é muito pior que o PFL de ontem e o DEM de hoje.

  5. LINEU TOMASS
    domingo, 16 de novembro de 2008 – 15:49 hs

    FABIO.
    CONHECI PESSOALMENTE A DILMA NA CAMPANHA DA GLEISI. NÃO VI NELA A MULHER “CARRANCUDA”. MUITO AO CONTRÁRIO. VÍ UMA MULHER SORRIDENTE, ALEGRE, PORÉM FIRME EM SEU DISCURSO, DANDO A IMPRESSÃO QUE SABE O QUE QUER E PARA ONDE VAI.
    LINEU TOMASS

  6. Von Winawurst
    domingo, 16 de novembro de 2008 – 21:54 hs

    Leva pra casa Lineu Tomass

  7. Antonio Carlos Silva
    domingo, 16 de novembro de 2008 – 23:20 hs

    Os serristas e tucanistas (os da privatização) vão levar outra pancada. É Dilma na cabeça!

  8. fred
    segunda-feira, 17 de novembro de 2008 – 9:58 hs

    Dilma vem pra calar a boca dessa tucanalha, quem será que vai competir com ela? Serra, o “vampíro brasileiro”? ou será que vai ser o Aécio “Nariz de Platina” Neves?

    da até pena desse pobres diabos que ainda sonham em voltar ao poder…mas aqui no Paraná eles acham que tem um chance quáááquáquá

  9. vovô sacudo
    segunda-feira, 17 de novembro de 2008 – 11:37 hs

    Julgam sem conhecer a história. São os filhotes da ditadura querendo voltar para o poder.

  10. SYLVIO SEBASTIANI
    segunda-feira, 17 de novembro de 2008 – 12:12 hs

    Lineu Tomass, a Dilma Vana Roussef Linhares (Estela-Luiza-Patricia ou Wanda) nascida em Belo Horizonte é “sorridente e alegre ? .Lineu, em matéria de mulher você está por fora ! Bonita , sorridente e alegre é a Gleisi.Aquela foto sua com ela é maravilhosa, arrume uma foto com a Dilma para comparar .

  11. Guardalupe
    segunda-feira, 17 de novembro de 2008 – 17:04 hs

    Essa é trombada de kombi com jamanta.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*