Para Mauro Moraes, afastamento de oficiais da PM foi injusto | Fábio Campana

Para Mauro Moraes, afastamento de oficiais da PM foi injusto

Sobre o afastamento de dois oficiais da Polícia Militar, após a operação de reintegração de posse de um terreno invadido no Campo Comprido, no dia 23 de outubro, o presidente da comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa, deputado Mauro Moraes (PMDB), disse que vê com bastante preocupação a reação da Secretaria da Segurança Pública.

Na avaliação de Moraes, o afastamento do major Flávio Corrêa do comando do 13º Batalhão e do coronel Carlos Alexandre Scheremeta, até então chefe do Comando de Policiamento da Capital, causou espanto.

“É muito preocupante que o ato isolado de um policial, que cumpria uma decisão da Justiça, juntamente com uma centena de policiais militares de conduta ilibada na corporação, tenha provocado o afastamento de dois comandantes, sem ao menos o cuidado do governo em apurar os fatos”, disse.

Segundo Moraes, os membros da Policia Militar não podem ficar receosos diante do episódio ocorrido na última semana, tampouco a SESP pode permitir que a punição imposta aos dois oficiais comprometa o cumprimento de novas determinações judiciais.
Para Moraes, “O Paraná tem a melhor Policia Militar do Brasil, apesar das desvantagens salariais em relação a outros estados”. O afastamento dos dois oficiais, afirmou, “foi absolutamente injusto”, pois, na avaliação do parlamentar, “Se fosse realmente caso de afastamento, ainda assim a decisão deveria ter sido tomada pelo comandante da corporação”.


8 comentários

  1. MALUCO BELEZA
    quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 13:12 hs

    Agora, também, já está sendo veiculado que a “invasão” era pretexto para desmatarem a área e posteriormente lotear. Importante, investigar tal denúncia feita na câmara municipal ao vereador Pedro Paulo do PT, conforme noticiado no jornale. A prefeitura deve exigir o reparo do dano ambiental e bloquear quaisquer tipo de empreendimento, até que se esclareçam as responsabilidades.

  2. Ricardo
    quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 14:25 hs

    Esse deputado está arrumando a cama para mudar de partido nas próximas eleições. Só isso. Não vale um Real.

  3. quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 14:34 hs

    O Deputado tem razão:

    No Paraná primeiro se acha o culpado para salvar a pele do governo, depois se investiga.Imaginem se na operação de reintegração de posse o projetil de borracha tivesse atingido um dos invasores, o nobre Secretário atingia o extase. Na próxima operação, a PM deverá estar equipada com leque, sombrinha, galocha e revolver de espirrar água.

  4. PP DO PT
    quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 14:40 hs

    Olha o camarangada, eu já sei a mando de quem invadiu, ocupou e saiu …. veja lá hein press office!!!

  5. Zé do Coco
    quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 16:01 hs

    Realmente a atitude de afastar comandantes por conta de uma falha operacional de UM elemento é de uma injustiça flagrante.

  6. Augusto
    quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 17:09 hs

    Tá certo o Deputado, a atitude desiquilibrada de um policial ou mesmo uma bala perdida não pode ser motivo de afastamento dos Comandantes da PM. Antes do afastamento deve ser feito uma investigação e o afastamento devia ser feito pelo comandante da Pm

  7. Cleverson luíz
    quinta-feira, 30 de outubro de 2008 – 19:12 hs

    O bom policial militar corre risco de vida na proteção e defesa do cidadão e do seu patrimônio.
    Trabalha muito e ganha pouco, em considerando o risco de seu trabalho, e as vezes é punido sem nenhuma justificação.
    O deputado tem razão, primeiro a investigação depois o afastamento.(Se for culpado é lógico!!!)

  8. sexta-feira, 31 de outubro de 2008 – 1:50 hs

    Esse deputado, gosta de entregar o ouro.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*