Mais R$ 35,5 bi na economia | Fábio Campana

Mais R$ 35,5 bi na economia

Com a missão dada pelo governo de preencher a lacuna de crédito e estimular a concorrência, os bancos públicos poderão despejar na economia, nos próximos meses, ao menos R$ 35,5 bilhões de recursos adicionais aos previstos antes da crise.

O cálculo inclui o reforço que as quatro instituições federais de varejo — Banco do Brasil (BB), Caixa Econômica Federal, Banco da Amazônia (Basa) e Banco do Nordeste — pretendem dar em seu caixa para empréstimos; a folga decorrente da redução dos compulsórios (dinheiro que fica retido pelo governo); e o aumento no volume de depósitos que os “bancões” tendem a receber em momentos de turbulência.

Boa parte dos recursos será destinada ao financiamento a empresas. Note o paradoxo: crise reduz o crédito para pessoas físicas.

Com isso, bancos que tradicionalmente não fazem operações de a apoio ao exportador, como Antecipação de Contrato de Câmbio (ACC), estão se preparando para entrar no segmento, dominado pelo BB. Esse tipo de operação é usado por 40% das exportações brasileiras, ou US$ 60 bilhões hoje.

A Caixa já fez convênios com oito instituições financeiras para oferecer a ACC no início de 2009 e terá US$ 400 milhões. O Basa fará algo semelhante, com recursos em reais do Fundo do Norte, no valor de R$ 400 milhões, nas próximas semanas. Falta a aprovação do conselho do Fundo, disse o diretor de Crédito do Basa, Gilvandro Negrão Silva. Além disso, o Basa vai dobrar a carteira comercial de R$ 2 bilhões.

A matéria completa você encontra no Jornal O Globo de hoje.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*