Revista traz nome de suposto espião do grampogate | Fábio Campana

Revista traz nome de suposto espião do grampogate

Deu no Josias de Souza Folha Online

Os repórteres Mino Pedrosa e Hugo Marques levaram às páginas de IstoÉ uma notícia cabeluda. O texto, disponível aqui, reveste de carne e osso o esqueleto do ‘grampogate.”
Francisco Ambrósio do Nascimento, eis o rosto que, segundo a revista, estaria escondido atrás dos grampos que eletrificaram Brasília.

Trata-se, dizem os repórteres, de um espião da Abin. Um personagem da velha guarda, egresso do velho SNI.
Ambrósio é apontado como coordenador da equipe de servidores da Abin que, a pedido do delegado Protógenes Queiros, atuou na Operação Satiagraha. A pretexto de escarafunchar malfeitorias atribuídas ao suspeito-geral da República, Daniel Dantas, o time de espiões da Abin teria agido à margem da lei.Os espiões teriam monitorado, sem autoriozação judicial, senadores, deputados, ministros de Lula, autoridades do Juciciário e um alentado etc. As gravações clandestinas teriam sido feitas com equipamentos da própria Polícia Federal e da Abin.

O texto de IstoÉ, por revelador, foi manuseado, neste sábado, por deputados da CPI do Grampo e delegados da PF. Converteu-se em matéria-prima para a investigação. Francisco Ambrósio do Nascimento será chamado a depor nos dois foros.

Clique aqui para ler a reportagem da Revista Isto é


8 comentários

  1. Zé do Coco
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 2:29 hs

    Eu não entendi a piada. A foto aí é do tal ambrosio, o marido da ambrósia?

  2. ARAPONGAGEM S/A.
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 8:41 hs

    Reportagem da revista carta capital com um ex-chefe do FBI no Brasil:

    A HORA DA AUTÓPSIA – FBI e CIA vs. Brasil
    Por Bob Fernandes 28/03/2004 às 20:20

    Carlos Costa, que chefiou o FBI no Brasil por quatro anos, fala sobre ordens dos Estados Unidos para “monitorar” o País e relata: como os EUA “compraram a Polícia Federal”, o terrorismo, o atentado tramado na Tríplice Fronteira, a bomba atômica que planejavam detonar em Washington…

    Almada, do outro lado do rio Tejo e de Lisboa, duas horas da madrugada de 31 de março de 1968. No segundo andar de sua mansão, Antonio da Fonseca Costa, chefe da temível Polícia Internacional da Defesa do Estado, a PIDE, do ditador António de Oliveira Salazar, sacode o filho: – Acorda, Carlos, acorda, rápido! Órfão da espanhola Faustina Luengo Mendez, morta por uma leucemia aos 47 anos quando o filho mal chegara aos 7, Carlos Alberto Costa se levanta às pressas, assustado. Carlos não entende por que o pai recolhe alguns poucos pertences familiares e os amontoa com roupas em duas malas; junto a uma dúzia de garrafas de vinho do Porto de mais de 100 anos. Com um militar amigo ao lado, o chefe da PIDE e o filho partem para o aeroporto de Lisboa. De lá, num avião militar, embarcam para Madri. Trinta e seis anos depois, na sacada do Iate Clube, em frente à Baía de Todos os Santos, dia nublado no verão de Salvador, Carlos Costa recorda-se da última madrugada da sua infância em Portugal, e dos condutores da fuga: – Acho que foi a CIA quem nos ajudou até Madri, dias depois fomos para os Estados Unidos… O chefe da PIDE havia se tornado um dissidente. Antonio Costa, que recebia o ditador Salazar para almoços e jantares em Almada ou em sua casa de campo em Palmela, vizinha a Setúbal, antevia que os tempos mudariam; não seria possível prosseguir por muito tempo com seqüestros e prisões a cada vez que um vizinho acusasse outro de ser comunista ou antigoverno. Quatro anos depois, em Cumberland, Rhode Island, Estados Unidos, Antonio da Fonseca Costa morria de câncer, e exaustão; turnos de 12 horas, noites e madrugadas adentro em fábricas de vergalhões, sempre fumando. Morreu paupérrimo. O filho, Carlos, trabalhou dos 18 aos 20 anos até pagar, ao mesmo tempo em que custeava os estudos, US$ 5 mil das despesas do funeral. Por seis meses, no café da manhã, almoço e jantar, Carlos Costa faria suas refeições à base de um único prato: Corn Flakes e leite. Carlos Costa tem hoje os mesmos 49 anos que tinha o pai quando deixou a PIDE e Portugal. Carlos acaba de se aposentar. De 1999 ao fim de 2003, foi o poderoso chefe do FBI no Brasil. Como o pai, ao recusar-se a obedecer a toda e qualquer ordem ele construiu uma dissidência, agora revelada. Em 2001, num jantar no restaurante Antiquarius, em São Paulo, marcado a seu convite e com uma testemunha, Carlos assim se apresentou: — Sou o chefe do FBI aqui. Sei o que você tem escrito sobre os nossos serviços secretos no Brasil, mas saiba que estamos aqui oficialmente e não vamos agir à margem da lei… As leis no Brasil, como veremos na devastadora entrevista que se segue, tornam-se inacreditavelmente elásticas, complacentes, a partir da ação, ou omissão, por vezes criminosa, do próprio Estado. Em 16 de dezembro último, procurado por CartaCapital, Carlos concedeu a primeira de uma série de entrevistas que totalizam oito horas, a se contarem apenas as gravações, feitas em São Paulo, Salvador e Brasília. Em trechos dessa longa conversa, além do surpreendente e raro fato em si mesmo de um agente de um serviço secreto dos EUA abrir a boca – ainda mais um chefe do FBI com acesso a documentos classificados no mais alto nível –, Carlos Costa atira para dentro e para fora do Brasil. Ele, que por três anos no governo Fernando Henrique e dez meses no governo Lula comandou o FBI, e na embaixada dos Estados Unidos acompanhou ações dos colegas da Drug Enforcement Administration (DEA), Central Intelligence Agency (CIA), US Customs, NAS e outros “Serviços”, como se autodenominam os agentes secretos, começa por dizer, sem meias palavras: — A vossa Polícia Federal é nossa, trabalha para nós há anos. (…) Foi comprada por alguns milhões de dólares. (…) Os Estados Unidos compraram a Polícia Federal… Carlos, cidadão norte-americano nascido em Portugal, fluente em inglês e espanhol, fala português com sotaque lusitano. Fonética, sintaxe e a lógica exata dos portugueses. Tome-se essa informação em conta na leitura das respostas às perguntas de CartaCapital sobre a instrução, ordem de Washington, para que serviços secretos grampeassem o Palácio da Alvorada e o Itamaraty. Pela primeira e única vez em muitas horas e dias de conversa, Carlos Costa, sempre bem-humorado, relaxado, fica tenso. Pára, pensa e, visivelmente surpreso, responde com uma pergunta: — Me diga o que você sabe, como soube disso? A informação é segura. Os Palácios da Alvorada e Itamaraty foram grampeados a partir de tais ordens. A data, imprecisa, poderia ser confirmada pelo entrevistado. A tentativa é inútil. Irritado, Carlos Costa repete: — Como você soube? O que você sabe sobre isso? – Da ordem, e do grampeamento feito nos Palácios da Alvorada e Itamaraty… Nesse instante, Carlos, com a exatidão lusa e a objetividade norte-americana, levanta-se da cadeira e dá por encerrada a conversa naquela noite: — (…) Não confirmo nem desminto… Sem comentários (…) Não toco nesse assunto… Ponto final! Uma última tentativa: – Foi você quem executou essa ordem? Quando? — Como você ainda verá na nossa conversa daqui por diante, me recusei a cumprir ordens bem menos graves do que essa. Boa noite! Algumas das ordens ele se recusou a cumprir. Sobre uma delas, também grave, falou claramente, sem rodeios: — Houve uma determinação de Washington para que eu “monitorasse” todas as mesquitas, xeques, aiatolás e líderes da comunidade muçulmana no Brasil e fizesse “listas”. Recusei-me, há ocasiões em que uma pessoa deve se recusar a cumprir ordens inconstitucionais. Por outro lado, assegura ele que os atentados contra alvos israelenses em Buenos Aires, na primeira metade dos anos 90, foram tramados “dentro do território brasileiro”. Carlos Costa é um agente secreto com amplíssima e eclética formação. Na Flórida, na Southeast University, fez um MBA em Gerenciamento de Empresas, com Especialização em Gestão de Negócios Internacionais. Em Washington, DC, no Foreign Service Institute (FSI), especializou-se em assuntos econômicos e sociais de países latino-americanos. Formado em Ciências Políticas e Relações Exteriores pela University of Rhode Island, Carlos Costa entrou no FBI em 1982, numa disputa com 56 mil candidatos por vaga. No Federal Bureau of Investigation (FBI), como agente especial, serviu nos escritórios de Boston, Pittsburgh e Miami. Na sede do FBI, em Washington, foi também chefe de seção de Contra-Inteligência e Espionagem Industrial Internacional. No Brasil, ao rastrear ações dos serviços secretos dos Estados Unidos ao longo dos últimos anos, CartaCapital deparou-se com a movimentação do então chefe do FBI em reluzentes palácios e salões. Como se vê em foto na página ao lado, Carlos Costa esteve na sala do presidente da República – ao menos quando lá se encontrava, interinamente, o então presidente do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio de Mello. No Distrito Federal, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina, São Paulo, Amazonas, Paraná… País afora o chefe do FBI avistava-se com governadores, ministros, secretários de Estado, comandantes de polícias militares, secretários de Segurança Pública. Treinou centenas de homens, mandou dezenas deles aos Estados Unidos, à sede do FBI, levou Anthony Garotinho – único político brasileiro – à posse de Bush Júnior. O ex-chefe do FBI pagava as contas, da mesma forma que, revela ele em estarrecedoras páginas adiante, a US Customs, DEA, NAS, CIA, outros “Serviços” e o próprio FBI pagam contas das polícias do Brasil. Direto como pode ser um norte-americano, Carlos Costa relata: a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) é uma “pedinte”, e não apenas dos Estados Unidos. O Estado brasileiro? Assistiu, assiste, como se tudo corresse na maior normalidade. É preciso cortar gastos, contingenciar. Então, que mal há se os Estados Unidos, em troca de acesso total e controle, “doam” alguns milhões de dólares para as polícias e instituições verde-amarelas a cada ano? — E depois vocês querem ser levados a sério? –, pergunta e responde ao mesmo tempo o ex-chefe do FBI. Quando atira para fora, Carlos Costa mira na administração Bush. Com a autoridade de quem chegava a ler e manusear, em média, por semana, mais de 300 documentos, relatórios e informes Secret e Top Secret, produzidos mundo e Brasil afora, inclusive pela CIA, aquele que foi um dos únicos 45 chefes do FBI além das fronteiras dos EUA assegura: — Jamais li documento secreto que indicasse a existência de armas de destruição em massa no Iraque. O que li assegurava o contrário. Discuti com colegas do FBI e da CIA de qualquer parte do mundo e concordamos que Bush e Blair buscavam uma justificativa para a guerra. Ele fala ainda de outros tempos. De como, nos anos Reagan, os EUA entregaram o antraz para Saddam Hussein. Conta como, na Guerra das Malvinas, os Estados Unidos forneciam aos ingleses informações dos satélites sobre as tropas argentinas enquanto repassavam aos argentinos a localização de navios ingleses que seriam destruídos. De passagem, com a lógica exata de sua língua-mãe, e pitadas de humor britânico, aborda o recente episódio da espionagem a Kofi Annan, na ONU, e ações também de espionagem contra o governo de Tony Blair. Provocado, o ex-chefe do FBI expõe, em detalhes, a interrupção da ação de terroristas que, há dois anos, trabalhavam para explodir uma bomba atômica em Washington: — (…) iam explodir uma bomba suja. (…) não se fez alarde, isso, se revelado em toda a sua extensão, provocaria pânico na população americana… Carlos Costa sabe os riscos que corre ao falar. Enquanto prepara capítulos de um livro sobre o FBI e sua vida como agente secreto, toma precauções contra uma “gripe súbita”. E mortal. Em alguns lugares, com algumas pessoas, estão gravações de, segundo ele, “muito, muito mais do que falamos, ou deixamos de falar aqui, fatos que levariam a uma enorme repercussão internacional”. Com o que já se descortina nas páginas seguintes, é de se imaginar o que ainda poderia estar por vir. Às vésperas do 31 de março brasileiro, marco dos 40 anos do golpe militar e instalação da ditadura que em 21 anos moldou um país ainda hoje em busca de cacos, e do qual o que se revela nesta entrevista é uma irretocável alegoria sob diversos pontos de vista, Carlos Alberto Costa prepara-se para o seu 31 de março. Como o pai, num 31 de março há 36 anos, ele agora se aparta da comunidade dos agentes secretos. Deixa os bastidores o treinadíssimo espião que administrava milhões de dólares no escritório do FBI, um hábil negociador, e entra em cena o palestrante, consultor em relações e comércio internacional, em Inteligência e Segurança. Casado com uma brasileira, pai de um filho brasileiro, o homem que chefiou o FBI no Brasil por quatro anos, depois de 22 anos como agente secreto, abre a alma para poder conseguir mudar de vida. Se assim o “Animal” que ele tão bem conhece – os “Serviços” – o permitir. Será uma longa, árdua e perigosíssima batalha. Mas há algo que Carlos Costa nunca mais fez e, jura, jamais voltará a fazer na vida. Ele nunca mais comerá Corn Flakes.

    http://brasil.indymedia.org/pt/blue/2004/03/276493.shtml

    http://cartacapital.com.br/2004/03/1345

  3. domingo, 7 de setembro de 2008 – 10:44 hs

    É por essas e muitas outras que essa Carta Capital tem uma tiragem de 56 mil exemplares e a Veja tem mais de 1 milhão!!!!

    Revista tola para gente tola!!!!

    A Carta Capital está a serviço do Foro de São Paulo, ou seja do Lula e dos demais comunistóides que sonham em destruir a America Latina para se manter no poder eternamente!!!!

    FORA LULA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  4. Zé do Coco
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 11:48 hs

    Que amontoado de sandices é essa sobre espião português a servico do FBI? Estão querendo chamar a polícia americana de idiota?

  5. domingo, 7 de setembro de 2008 – 12:35 hs

    Que haja uma correção , na foto acima quem aparece é o Dr.Paulo Lacerda da ABIN e não Francisco Ambrósio do Nascimento…Quanto ao assunto, deixando a acusação de grampo,quem o fez, gostaria e muito de saber sobre o assunto que conversaram os dois(o deputado e o juiz),o que trataram que viraram feras,é o quanto cada um recebeu do Daniel Dantas ou éra a negociação a respeito do quanto o pedido poderia render pra liberar os dois habeas corpus para libertar o Daniel Dantas. Acho engraçado que a revista que se beneficiou ao maximo ainda não foi convocada para depor na CPI, e, em suas materias comenta que mais de 9 mil outros presos tem o mesmo direito do sr. Dantas e porque a reciprocidade não é a mesma???? Debaixo desta farofa tem coisa escondida ,o M.M.Sr.Gilmar ficou tão transtornado que se entregou sem precisarem perguntar nada a ele,que tal afasta-lo também para tirar a limpo esta estoria. Se alguém leu a Folha de SP nesta sexta feira pode ver que , quem não deve não teme, o diretor afastado da ABIN Dr.Paulo Lacerda desafiou qualquer um,com provas, a demeti-lo , o Congresso todo tremeu ,o Palacio do Planalto enfim tremeu tudo porque eles sabem que se este homem começar a abrir o bico vamos ter a volta dos militares ao comando ,pois, de tanta corrupção nos tres poderes só com intervenção,jamais desejaria acontecesse ,mas, está caminhando pra isto.

  6. João Paulo Gouveia
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 14:38 hs

    Uma Satiagraha no Paraná seria interessantíssima para desvendar a rede de escutas clandestinas que são patrocinadas por uma bela parte do oficialato das chamadas “Secretarias de Segurança”. A propósito, parece-me que a foto aí em cima é de Paulo Lacerda e não do Araponga.

  7. ARAPONGAGEM S/A.
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 16:55 hs

    Todo Estado tem de ter o seu eficiente serviço de informação e contra-informação, mas o problema daqui é que não sabemos para quem realmente uma grande parte destes arapongas trabalham!

  8. João Paulo Gouveia
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 19:21 hs

    Claro que sabemos! Ou a Secretaria de Segurança serve pra que? Faça-me o favor, não seja ingênuo, Arapongagem S/A!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*