O palanque de Requião em Rio Branco do Sul | Fábio Campana

O palanque de Requião em Rio Branco do Sul

Do Renato Sombra, de Rio Branco do Sul:

Ou Requião sabe, ou foi enganado pelo PMDB de Rio Branco. O certo é que subiu no palanque com cinco vereadores cassados pela Justiça e mais o João Brascal, que está inelegível. Juntos, estão sofrendo processos pelo desvio de R$ 5.000.000,00.

Requião desceu a lenha no atual Prefeito, mas isso é explicável. O prefeito que é candidato à reeleição, apoiou Osmar Dias.


6 comentários

  1. JOAO ALVES
    terça-feira, 30 de setembro de 2008 – 10:47 hs

    SERA QUE O GOVERNADOR REQUIAO VAI SUBIR NO PALANQUE DO PREFEITO DO PMDB DE ALMIRANTE TAMANDARE QUE TBM ESTA CASADO

  2. JAIR CUNHA
    terça-feira, 30 de setembro de 2008 – 10:51 hs

    essa onda de cassaçao abalou a regiao metropolitana o ultimo aser cassado e Vilson Goinski prefeito de tamadare e a vice prefeita os 2 estao cassados sera que terao vergonha na cara e continuar a ser candidato

  3. cheila
    terça-feira, 30 de setembro de 2008 – 11:22 hs

    vcs sabem que amanha o goinski lancará um novo candidato

  4. BRUNO
    terça-feira, 30 de setembro de 2008 – 11:25 hs

    É …Requião em Rio branco do Sul é visto como um grande governador, ao contrario de Lerner que esqueceu da Região (grupo do Osmar), fez a estrada a Cerro Azul e recursos para todas as obras que sairam por lá…até por isso que o Adel vai ganhar com 70 %¨e o Amauri…sem comentarios, pessima administração!!!

  5. Tudo mano....
    terça-feira, 30 de setembro de 2008 – 13:36 hs

    Cadaum se aproxima de quem tem afinidades:

    Olha quem é o João da Brascal:

    “encontraram um cemitério de motores e peças de automóveis roubados. As peças estavam enterradas em uma área que seria da Brascal, empresa da qual Nazzari é um dos sócios. Mas, de acordo com o relatório da promotora Cynthia Pierri, não foi provado nem mesmo que o terreno seria da Brascal.

    A área, que ficou conhecida em Rio Branco como “cemitério de motores”, fica ao lado da Brascal. Mas de acordo com uma testemunha ouvida no processo, o terreno está em litígio entre João Dirceu Nazzari e Bento Chimelli – prefeito de Rio Branco do Sul que está com a prisão decretada e foragido da Justiça há quase um ano. Chimelli, eleito na gestão posterior à de Nazzari, teve mandado de prisão expedido contra ele em dezembro do ano passado por irregularidades cometidas à frente da administração pública.

    Inquérito – João Dirceu Nazzari responde a outro inquérito policial que ainda não foi concluído. Em março de 2001, o então delegado de Rio Branco, Mário Sério Bradock Zacheski, instaurou inquérito para investigar desvio de verbas da prefeitura durante a gestão de Nazzari. Bradock tinha cópias de notas fiscais supostamente frias, emitidas pela prefeitura, e pediu a prisão preventiva de Nazzari quatro vezes. Todos os pedidos foram negados pela Justiça.”

    http://celepar7cta.pr.gov.br/mppr/noticiamp.nsf/9401e882a180c9bc03256d790046d022/3ec68502c5d4832603256dc000606682?OpenDocument

  6. CARLOS
    terça-feira, 30 de setembro de 2008 – 18:45 hs

    O AMAURI VAI GANHAR DE LAVADA

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*