Tensão aumenta na área dos brasiguaios | Fábio Campana

Tensão aumenta na área dos brasiguaios

Embora exista um compromisso de trégua no inicio do governo Lugo, camponeses paraguaios sem-terra aglutinados em 19 organizações rurais estão se posicionando ao longo de fazendas arrendadas por agricultores e empresas brasileiras no departamento (estado) de San Pedro, no centro-norte do Paraguai, para dar início a seu “Plano de Desalojamento de Brasileiros”.

De acordo com o jornal ABC Color, uma das metas dos militantes, que anunciam o recrudescimento das ações após a posse de Fernando Lugo, hoje, está a destruição total das lavouras cultivadas em terras que, na opinião deles, deveriam ser destinadas à reforma agrária.


Um comentário

  1. sexta-feira, 15 de agosto de 2008 – 21:18 hs

    Muitos morrerão nesta causa os brasileiros que estão lá estão armados até o último dente,tem apoio da oposição ao sr.Lugo,já mandaram suas famílias para o Brasil,houve uma matéria em um canal de tv que j´sa mostrou esta preparação dos brasiguaios.Cuidado sr.Lugo sua estada no poder pode ser muito curta,respeito é bom e os brasileiros merecem,porque vocês não são nada sem os brasileiros, 30% de sua economia vem das fazendas de brasileiros.Que tal se fecharmos a Ponte e as nossas fronteiras com o Paraguay,para nós não fará falta alguma mesmo, acabam as mamatas de vocês nos portos brasileiros,aos quais vocês não pagam nada, usam e abusam da amizade brasileira…è fácil ,fácil acabar com esta brincadeira,lá não é Brasil que o presidente consegue segurar prisão das lideranças dos sem terra,lembre sr.Lugo, são muitos anos de partido Colorado,para eles é fácil ,fácil derrubá-lo,é a experiência quem diz,vocês acham que um partido que viveu tantos anos no poder vai segurar a onda,eles conviveram mais com os brasileiros do que o sr.
    O sr.só tem uma saída, se o sr. nomear o Duce como Ministro da Defesa ou da Marinha do Paraguay quem sabe ,naquele país tudo é possível como na China onde tem até uma cópia do Big Ben,tudo é possível.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*