O fim da história do morador de rua que era foragido | Fábio Campana

O fim da história do morador de rua que era foragido

A Prefeitura de Curitiba informa que o senhor Airton José de Andrade foi atendido pela Central de Resgate Social no dia 9 de junho de 2008. Como apresentava comportamento estranho, foi feito levantamento de sua ficha criminal junto aos órgãos competentes e comprovou-se que era foragido da Justiça. Ele foi então encaminhado para uma delegacia da Polícia Civil, onde foi preso.

E. T.: O PT tirou do ar o bandido apresentado como morador de rua na TV PT


11 comentários

  1. adoniran
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 17:53 hs

    queimou a língua cabeludo….

  2. Vagabundo
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 17:57 hs

    Verme humano tem em tudo e qualquer lugar….

  3. Renato Gomes
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 19:00 hs

    Parabéns ao PT por expor os problemas dos moradores de rua de Curitiba.
    É uma vergonha como a mídia tem tratado o assunto, factóide atrás de factóide.

  4. pedro
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 20:13 hs

    a fas não é polícia, não caça bandidos, atende quem está na rua, só levanta ficha em casos suspeitos.

    Já o PT:
    quando você faz um vídeo profissional, eu disse profissional, você faz as pessoas assinarem autorização de imagem, ou seja, você documenta tudo. então não viram que o nome do cara não era antony? não checaram com quem estavam falando antes de colocar o cara para acusar outros? e o bandido ainda reclama da violência. a falha do pt desmoraliza o documentário na íntegra, quem garante que os outros não são bandidos.

  5. Adriana
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 22:52 hs

    Comportamento estranho, é para ser avaliado por serviço médico e não por policia. Aliás, se a FAS pedir a ficha criminal de todos os moradores de rua, verá com alguma frequência que muitos dos que são fichados como criminosos, na verdade são excluídos sociais, vitimas do uso de drogas, que sofrem todo o tipo de exploração, que são agredidos e muitas vezes humilhados pela guarda municipal e policia militar, e quando reagem são fichados por desacato as autoridades.
    Esta ação de criminalizar vitimas sociais está se tornando uma pratica nesta cidade. Alguns dias atras, uma mulher foi presa num posto de saúde por desacato a funcionários, agora a FAS pede para a policia avaliar “um comportamento estranho”.
    Enquanto nos encantamos com a melhor cidade do mundo, com o melhor Prefeito do Brasil, com o mais espetacular Secretáriado de Prefeituras, a cidade naufraga com indices assustadores de violência, de homicidios, de consumo de drogas, de rios mortos, de engarrafamentos, etc e tal.
    Que tal sairmos do transe e cobrarmos soluções para Curitiba?
    Sejamos críticos. Faz bem para o figado e para a cidade.

  6. quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 0:59 hs

    Faço parte da equipe de produção do documentário, e quero dizer que o sujeito que aparece na filmagem só foi identificado pela polícia por conta do vídeo, caso contrário continuaria a solta pelas ruas. Já quanto ao fato do entrevistado ser foragido da justiça a nossa equipe de produção não tem como acessar este dado, e o que posso afirmar é que o sujeito se encontrava em situação de morador de rua no dia em que foi entrevistado por nossa equipe, sendo que este fato nada impede que ele tenha contas para acertar com a justiça. Quanto a produção ela fica toda a cargo do Coletivo Soylocoporti que já realizou diversos documentários investigativos com populações oprimidas no Brasil e países da América Latina. Por fim, fico surpreso que o ocorrido tenha servido apenas para um ataque eleitoral enquanto em segundo plano ficam os fatos constatados por institutos de pesquisa como o de Curitiba ser a 3º cidade em número de moradores de rua do Brasil.

  7. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 8:02 hs

    É o desespero.
    Houve candidato que ao saber que o morador de rua desse caso era criminoso, tratou de dizer que a culpa era do Beto Richa, pois a prefeitura não faz cadastro dos desvalidos que perambulam pela cidade.

    Culpar o governo do estado por deixar fugir o criminoso, NADA.

    Se, por acaso, a prefeitura fosse perguntar ao sujeito nome, nº do RG e CPF, por acaso ele iria dizer?

    O povinho idiota, cadastrar os perambulantes, reconheçamos, é algo bastante difícil, hoje estão aqui, amanhã em outra cidade e vice-versa.
    O importante é atender essas pessoas, e a prefeitura tem feito um bom trabalho nesse sentido.
    Já presenciei, várias vezes, o pessoal ajudando os moradores de rua.

  8. pedro
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 9:43 hs

    Gustavo

    vídeo investigativo? não nos faça rir.
    você sabe a diferença entre amador e profissional?primeiro tente aprender a diferença entre essas duas palavras antes de se achar o videomaker paladino,
    assuma o erro e ponto final.

  9. Centro
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 10:18 hs

    Segurança pública é obrigação do governo do estado. Já esconderam dados da violência, dados do IML, etc. agora vão tentar emplacar que a culpa da segurança é do prefeito e não do governo estadual, mas que tudo está bem na “economia municipal” por causa do Lula. Assim não dá.

  10. Rafael
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 11:46 hs

    Ai ai ai… A conversinha de sempre: bandido não é quem assalta, é a vítima. Coitadinho do tal sujeito ” em situação de rua”. Ele só roubou e traficou porque quando pediu esmola na rua não lhe deram… Cometer crime é escolha moral sim, parem com esse papinho idiota e vitimista de que ladrão é “vítima da sociedade capitalista judaico-cristã”. Ele é ladrão porque quer e ponto. Ladrão pode ser rico ou pobre. Não faz diferença, o fato é que não há um nexo automático entre pobreza e vagabundagem, muito pelo contrário. Provas não faltam todos os dias… Parem de ter esse preconceito de que se o cara é bandido o é porque é pobre. Isso é mentira e a pobreza não justifica o crime.

  11. Paula
    sexta-feira, 8 de agosto de 2008 – 1:01 hs

    Menos um…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*