Gleisi comemora redução da pobreza | Fábio Campana

Gleisi comemora redução da pobreza

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontou a redução do número de pobres no país. A notícia foi comemorada pela candidata à prefeitura Gleisi Hoffman. “Em seis anos o PT fez o que o PSDB não fez em todo o seu governo e é isso que nós vamos fazer em Curitiba”, disse Gleisi.

O estudo, realizado em 6 capitais brasileiras, apontou que o número de pessoas vivendo na pobreza, com renda abaixo de meio salário-mínimo, caiu de 35% para 23,1% da população entre 2002 e 2008. Para Gleisi, são os programas de transferência de renda do governo federal os responsáveis por diminuir pela metade a porcentagem de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza.

Em Curitiba e região Metropolitana, segundo levantamento feito pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento e Pesquisa (Ipardes), em 2002, 12,34% da população viviam abaixo da linha da pobreza. Em 2006, este número reduziu para 6,97% da população.


19 comentários

  1. Lionel
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 21:34 hs

    Em Curitiba não foi o PSDB, foi o PT? Ora para com isso Gleisi, pensa que o povo é idiota?
    E Londrina? Por que não querem mais saber do PT, onde você foi secretária de gestão? Essa Gleisi é uma paraquedista da pior qualidade. Aqui se não engana mais.

  2. Acorda Brasil
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 22:31 hs

    Desculpa sou que nen diz os cultuos ,sou da pereferia!

  3. Berko
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 22:47 hs

    O P O R T U N I S T A !!!!!!!!!
    Que feio. Aqui em Curitiba você não engana.

  4. Ana Cristina
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 23:06 hs

    Invejosos…não aceitam que o Lula é melhor do que todos do PSDB juntos…podem criticar…O POVO NÃO É IDIOTA E QUEM GOSTA DO POVO É O LULA,TODO MUNDO SABE DISSO!!!!

  5. Léo
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 23:23 hs

    Gleisi não seja bobinha. Engana quem? Como dizia minha avó: Quem não te conhece que te compre.
    Lá no Mato grosso do Sul não engana mais. Em Londrina a secretária de gestão deixou a gestão da Prefeitura um verdadeiro Caos. Aqui não, tá?

  6. Ana Cristina
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 23:30 hs

    Léo,
    Prove o que está dizendo..falar e difamar sem provas é fácil e muuuuito feio…prove..traga o seu dossiê..

  7. Ana Cristina
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 23:33 hs

    Complementando…fotógrafos vcs já tem..

  8. Zohraide
    quarta-feira, 6 de agosto de 2008 – 23:33 hs

    O momento político global é extremamente favorável na economia. Era para crescermos muito mais se continuasse o governo Fernando Henrique Cardoso. O mérito do Lula foi o de manter o plano econômico e as estratégias que vinham sendo adotadas (sem tanta competência, é claro).
    Muito bom que a classe média tenha aumentado, mas ninguém se dá conta que a classe média também empobreceu.

  9. Centro
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 7:49 hs

    Quem conseguiu emprego em prefeituras, governos estaduais e usinas binacionais na base da militância está tendo dificuldade de conseguir algo sozinha, e manda a patrulha atrás da imprensa. Certamente o mensalão ajudou a distribuir renda entre os deputados.

  10. Vinícius
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 9:20 hs

    Em Londrina, o PT está deixando a prefeitura mais quebrada do que era antes.
    Gleisi, caia na real, o PT em Curitiba nunca vai ganhar a eleição por causa de suas demagogias, ainda mais no seu partido que tem Stica, Vanhoni, André Passos e cia, são gente que não tem a confiança co o povo curitibano. O unico que se salva do PT do Paraná é o Tadeu Veneri e nda mais.

  11. Cucafresca
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 9:39 hs

    Ana cristina, você de ser a cabeleileira dela! A mulher é uma alpinista. Escalou no Mato Grosso, escalou em Londrina, escalou em Foz. Mas aqui, em Curitiba, ela não sobe, principalmente usando os méritos alheios. Se o BR está um pingo melhor, com certeza não foi por contribuição dela, e se ela reconhece que até em Curitiba a coisa está boa, então pra que mudar.

  12. Maurício
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 9:48 hs

    Se a Gleisi for eleita vai deixar todas mulheres de Curitiba tão lisas quanto ela. Vai criar o Bolsa Botox e o Ruga Zero.

  13. bonfim
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 10:26 hs

    quem é este FHC. é aquele ex Presidente que quase acabou com o Brasil com as PRIVATIZAÇÕES? é aquele ex Presidente que deu um golpe eleitoral com o PLANO REAL, em que um REAL valia um DOLAR, e que terminou seu governo com 1 DOLAR valendo três REAIS, ou é aquele ex Presidente que ingetou 9 BILÕES se não me engano no BANCO NACIONAL que estava quebrado, para que seu genro ao vende-lo pudece sair com algum lucro.

    caras palidas do PSDB acordem, LULA é único e é PETISTA.
    E voces queiram ou não, ele é quem promovel a grande transformação neste BRASIL.

    antes no governo deste tal FHC, éramos um País de miseráveis, hoje graças a ADMINISTRAÇÃO PETISTA e ao LULA mudou-se a vida de milhões de brasileiros e com toda certeza para melhor.

    antes que venham falar besteiras, não se esqueça que foi lá em Minas Gerais que começou o tal do MENSALÃO

  14. tata
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 10:30 hs

    Especialmente dos companheiros.
    Todos com emprego em cargo público.
    Já na iniciativa privada eles conseguem nada.

  15. Rafael
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 10:35 hs

    Mentira do PT pra variar… Depois que puseram Márcio Pochman no IPEA nada mais é de se duvidar. Confiram os dados divulgados pelo próprio IPEA:

    No texto de divulgação da pesquisa que registra a queda no número de pobres e indigentes no Brasil, o Ipea omitiu os resultados dos governos Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. O estudo compreende o período de 1992 a 2008, mas o Ipea só enfatizou a comparação entre 2002 (último ano do governo FHC) e 2008.
    Com isso, deixa de registrar que a maior queda do percentual de pobres deu-se entre 1993 (36,6%) e 1995 (25,3%), por conta da estabilização da economia. É fato que nos anos seguintes a pobreza voltou a aumentar e que essa tendência reverteu-se a partir de 2003. Mas em 2008 a participação dos pobres na população (24,1%) está apenas um ponto percentual abaixo do que estava nos primeiros anos do Plano Real.

  16. Rabo de cavalo
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 11:03 hs

    O Brasil tem crescido igual a rabo de cavalo, só para baixo!

    Este ano não iremos crescer nem ao menos os minguados 5% projetados pelo FMI .

    o modelo de desenvolvimento adotado pelo Lula, o da subimissão aos interesses do grande capital internacional financeiro industrial , nos coloca mais uma vez como meros exportadores de commodities, oque gera estes empregos péssimamente remunerados de 500,00 “realllll”.

    Para ganhar uma “mereca” o sujeito tem de sujeitar a cortar de 8 a 12 toneladas de cana por dia e com certeza é um subalimentado que ficará incapacitado para o trabalho em 3 ou 5 anos.

    Os estrangeiros em sociedade com o grande empresariado nacional estão comprando as usinas de álcool e as terras improdutivas que antes eram objeto de estudo para a reforma agrária para a produção dos biocombústiveis, o que veio a inviabilizar a reforma agrária e levar a uma maior concentração das terras nas mãos de poucos.

    E o Lula, que faz o jogo do grande empresariado internacional na questão dos bios, antes de criar uma estrutura aos moldes da antiga Petrobras para estudar a criação de uma empresa público privada totalmente nacional, assim descentralizando a produção através de micro cooperativas, o que iria gerar melhores empregos, distribuição de renda, o aquecimento da economia doméstica e a fixação do homem na terra foi aos States para apresentar o projeto de internacionalização das nossas terras ao “papai” Bush, que logicamente adorou!

    Tenho a mais absoluta certeza de que este projeto, que também inviabiliza a produção de alimentos, pouca distribuição de renda irá gerar.

    Não temos estruturas de estocagem e armazenamento para os bios e por este motivo teremos de comercializar rapidamente no mercado externo sem poder trabalhar o controle de fluxo impondo os nossos preços na distribuição, que com certeza não ficará em nossas mãos.

    Temos o “orgulho nacional” de ter a maior taxa de juros do mundo, o que faz a alegria de meia dúzia de banqueiros e enterra a nossa economia a mantendo em eterna recessão, o que totalmente nos inviabiliza enquanto Nação.

    Tenho a mais absoluta certeza de que este projeto, que também inviabiliza a produção de alimentos, pouca distribuição de renda irá gerar.

    Enquanto a Argentina manteve posições firmes em Doha o Brasil mais uma vez afina e o único “lucro” foi ter fragilizado o Mercosul.

    Agora só falta vir algum petista tentar defender o indefensável, dizer que o FHC e demais bla, bla, blas, é o “responsável”, como se o ex-presidente, do qual podemos discordar das atitudes que tomou, governasse hoje o Brasil.
    Temos de reconhecer que o FHC, ao contrário do Lula, não enganou a ninguém, pois todas as medidas impopulares que tomou estavam abertamente em seu discurso de campanha e não escondidas atrás de uma barba.

    Este discursinho não faz os 50.000.000 de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza desaparecer.

    Não existe mágica e a vontade política, que é nenhuma, faz com que o país fique estagnado do ponto de vista do desenvolvimento.
    Fora os empregos pessimamente remunerados e estes placebos utilizados no combate a fome este governo pouco fez do ponto de vista da construção de nossa soberania e melhorias nas condições de vida da maior parte da população, que quer crescimento e desenvolvimento com a agregação de valores na produção, fator gerador trabalhos dignos e bem remunerados, e não de esmolas.

  17. quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 11:08 hs

    O que está por trás da declaração de Gleisi?

    Em português claro, ela afirma a chamada degeneração total do PT: não somos diferentes do PSDB, apenas fazemos melhor o que eles se propõe a fazer.

    Os bravos militantes do PT não podem mais se deixar enganar. O Partido dos Trabalhadores não defende mais a plataforma dos trabalhadores, nem uma plataforma real de transformação social.

    É por isso que essa eleição municipal apresenta uma farsa eleitoral completa: a suposta oposição entre os blocos PT/PMDB e PSDB/DEM. Ambos defendem o mesmo projeto político, voltado para o mesmo setor da sociedade: a elite empresarial brasileira.

  18. quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 11:10 hs

    Só para completar o comentário: é esse o motivo que faz com que esses blocos estajam coligados em mais de 20% dos municípios brasileiros nessas eleições.

    Inclusive, na vizinha Almirante Tamandaré, PT/PSDB/DEM/PMDB estão coligados para a prefeitura, junto com mais 14 partidos.

  19. Centro
    quinta-feira, 7 de agosto de 2008 – 14:15 hs

    Rabo de cavalo, excelente comentário. A patrulha deveria aprender a respeitar pessoas com posições diferentes e não empurrar a cartilha da revolução.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*