Dinastia Requião. De pai para filhos, netos… | Fábio Campana

Dinastia Requião. De pai para filhos, netos…

O estudo sobre o nepotismo nativo na universidade tem dado resultados interessantes. Exemplo: o nepotismo na família de Roberto Requião de Mello e Silva existe desde 1875, quando o bisavô do atual governador do Paraná, Justiniano de Mello e Silva, foi indicado para o cargo de secretário da presidência da província do Paraná por ser parente de importantes autoridades do império. Desde então a família Mello e Silva sempre esteve presente em órgãos públicos.

O avô de Roberto Requião, Wallace de Mello e Silva, foi chefe da estação ferroviária de Curitiba e fundador do Centro dos Ferroviários do Paraná e Santa Catarina. O pai do governador, Wallace Tadeu de Mello e Silva, foi prefeito de Curitiba.

Atualmente Roberto Requião tem 4 parentes empregados na administração pública. A pesquisa sobre o nepotismo na família Mello e Silva foi feita pelo cientista político e professor da Universidade Federal do Paraná, Ricardo Costa de Oliveira (foto).


8 comentários

  1. Jose Carlos
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 15:26 hs

    Para constar: o sr. Wallace Tadeu de Mello e Silva foi um dos quatro prefeitos que Curitiba teve em menos de um ano. Junto com ele foram prefeitos no mesmo ano de 1951: Erasto Gaertner, Ernani Santiago de Oliveira, Amâncio Moro. Tinha mais cacique do que índio a taba curitibana daquele.

  2. OSIRIS DUARTE
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 16:53 hs

    É DE PAI OARA FILHO, DESDE 1875 …
    ÔRRA MEU …

  3. OSIRIS DUARTE
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 16:54 hs

    É DE PAI PARA FILHO, DESDE 1875 …
    SÃO QUASE 200 ANOS …
    ÔRRA MEU …

  4. Shirley
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 16:59 hs

    Isso…
    Divulguem a Dinastia…
    É que não tem como falar de Paraná, sem falar da família ilustre Requião!

  5. OSIRIS DUARTE
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 17:58 hs

    E OS BEZERRÕES MAMANDO E MAMANDO …

  6. Lucas Pelizaro
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 18:31 hs

    Essa gente já pensou em trabalhar, ao invés de ganhar BARRIGA em gabinetes? E ainda vêm a público fazer “discurso social”. Jimo neles, senão o cupim toma conta da cara, do tronco e dos membros.

  7. LUCILENE SANTOS
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 18:58 hs

    Por ocasião do fechamento da Papelarias Requião, colunista da gazetona publicou a história de outro ascendente do governador. Este vinha de Minas e com sobrenome Requião. Chegou em Curitiba pouco em 1852 e, em 1853, com a emancipação do PR de SP, conseguiu um carguinho na então recém criada Coletoria do Estado, atual Receita Estadual. Se bem me lembro, essa reportagem trazia a informação de que esse senhor, que casou com paranaense em 1855, tivera 5 filhos, sendo dois homens. De um desses varões derivou as Papelarias e, descendente do outro vem a ser hoje esposa do Dr Francisco da gazeta do povo. Não lembro de qual dos dois Roberto Requião é ascendente. Essa informação está impressa e pode ser recuperada. De qualquer modo, o nepotismo vem de antes de 1875.

  8. Rock
    segunda-feira, 25 de agosto de 2008 – 19:50 hs

    Ainda bem que foi os Requiões que nos governaram, imagine se fosse os Pelizaros, que os nomes deles somente são mencionados nas listas telefonicas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*