Bruno Meirinho busca voz própria na esquerda | Fábio Campana

Bruno Meirinho busca voz própria na esquerda

Bruno Meirinho, do PSOL, não quer ser confundido com a massa uniforme que se tornou a nossa esquerda nativa, rebocada por Requião. Decidiu partir de vez para cima, por exemplo, de Gleisi Hoffmann, do PT, que segundo ele só quer reproduzir o modelo que já é o do PSDB da prefeitura.

A assessoria do PSOL lembrou as palavras de Gleisi Hoffman, que defende que Curitiba deve voltar a ser um modelo “para o Brasil e para o mundo”. Em nota à imprensa, o PSOL de Bruno Meirinho afirma: “Gleisi Hoffmann esquece-se que nossa cidade nunca foi modelo a não ser modelo em exclusão social. O projeto que definiu os rumos de Curitiba é uma herança da ditadura militar e tem sido continuado por todas as administrações posteriores”.

E continua: “O discurso de Gleisi é a marca incontestável do que a Frente de Esquerda vêm denunciando desde o começo da campanha. Não há grande diferença entre o projeto político da candidata petista e o do atual prefeito.”


17 comentários

  1. Senhora utópica
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 18:18 hs

    O Meirinho tem razão na crítica que faz. O modelo é o mesmo para todas as pobres propostas de todos os candidatos. Você pode fazer a diferença se conseguir discutir este modelo de cidade e seu desenvolvimento. Cidade que cada vez mais segrega as pessoas em guetos de acordo com seu pode aquisitivo. Como separa torna-se cada vez mais violenta. O grande desafio é como intervir nesse processo e construir uma cidade que pessoas de diferentes poderes aquisitivos e diferentes acessos a cultura consigam circular nos mesmos espaços de convivência públicos. Será que nossos planejadores de cidades não conseguem ser mais criativos e pensar em propostas menos excludentes? Você é o único que pode começar este debate sem preocupação eleitoreira. Que cidade nós queremos? Quais são as diretrizes para a construção de uma cidade mais democrática. Sem discursos vazios. Diretrizes e propostas concretas.

  2. Fátima
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 19:14 hs

    OS atuais donos da PREFEITURA DE CURITIBA são herdeiros de JL, escolhido a dedo pelos militares. Espero que o arquiteto não tenha especialização em PORÕES. De quem é a idéia sobre a VIA VERDE, barreira de EXCLUSÃO entre ricos e pobres, um privilegio das empresas de transporte coletivo (sem licitação). A Marechal Floriano, também privilegia as empresas de transporte coletivo. Em Portugal, o metrô é feito e o que tinha sobre ele é refeito. Vamos copiar a PÁTRIA MÃE!!! A coleta, o transporte e a destinação dos resíduos sólidos (lixo) não pode ser efetuada por Companhia Municipal??? As lenhas das podas (quase rasas) dão toneladas de lenha. Qual é o resultado final ($$$)? Sempre fui admirador e seguidor do ZÉ RICHA, espero que o filho candidato à reeleição tenha 10% do PAI.

  3. Lidia
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 19:40 hs

    Esse Meirinho nem se elegeu pro DCE. Que administrar Curitiba

  4. O Povo
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 20:33 hs

    Pode não estar preparado ainda para administrar Curitiba, mas já indentificar que a Sra.Gleisi é uma enganação, e que o PT frustrou o Povo Brasileiro com suas armações e corrupções sem fim, já tem uma visão mais aberta de alternativa de esquerda que pode encontrar muitos votos de antigos simpatizantes frustrados do PT que não existe mais!

  5. O Pensador
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 21:23 hs

    O Bruno e o Psol têm um discurso inconsistente. Já estamos acostumados com esse discurso de “nova esquerda”, esquercem, no entanto, de dizer que o partido Psol é um racha do PT! Que o Plínio enganou a militância que acreditou nele quando foi candidato à presidente do PT, perdeu a eleição e saiu do partido. Que a liderança maior do partido, Heloísa Helena, estava envolta no escândalo do painel eletrônico, lembram? Que a mesma H. H. foi condenada mais recentemente por sonegação. Esta é a nova esquerda proposta pelo Psol! E quanto a esse Bruno Manezinho? Sempre fez parte de um grupelho de trotiskistas pseudos revolucionários que só existe dentro da UFPR. Importante salientar que essa posição não é a da maioria dos estudantes da Universidade, pois estes têm que trabalhar, não são filinhos de papai como o Bruno Manezinho que nunca “pegou na couve” . Esse cara nunca foi uma liderança na universidade ou em qualquer outro lugar! O Psol é um partido de pequenos burgueses, que de tão de esquerda que são, dão a volta em torno de si mesmos e acabam chegando na direita. Fala serio! Colocar esse Manezinho no lugar da Dra Clair para disputar a prefeitura mostra a inconsistência desse partideco. Por estas questões, pergunto: Bruno, vocês realmente acreditam no que falam????

  6. Catso nelles!
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 21:41 hs

    Estou começando a acreditar que o Meirinho veio para fazer a diferença!

  7. Teodoro
    domingo, 17 de agosto de 2008 – 23:00 hs

    Se o Bruno Meirinho é contra o PT e a Gleisi, já ganhou a minha simpatia, e acredito que de muitas pessoas também!

  8. Jussarinha Kalina
    segunda-feira, 18 de agosto de 2008 – 0:06 hs

    O Bruno Meirinho diz que> curitiba é modelo de exclusão social – portanto é contra o que está, o que é mantido há anos. Portanto pode ser contra o discurso do PT, mas contra a pratica do que está!!!!!!!!!!!!!!!

  9. Vigilante do Portão
    segunda-feira, 18 de agosto de 2008 – 4:15 hs

    Pelo menos uma idéia correta do Meirinho.
    Falta ele responder se pretende pagar pelas 60 mil casas que vai distribuir para os sem casa ou se vai tomar na “mão grande”. Também não falou se vai cobrar dos sem casa ou vai ser de graça.

  10. HAVENGAR
    segunda-feira, 18 de agosto de 2008 – 9:54 hs

    O Meirinho esta correto querer defender e dar continuidade a esse modelo de cidade é compactuar com o que teve de mais atrasado nesse pais…

  11. Rafael
    segunda-feira, 18 de agosto de 2008 – 11:06 hs

    Não dá pra levar a sério o PSOL. A ideologia é a mesma do PT de outrora e a prática, não duvidem, é ainda pior. Se hoje o PT “mudou” -pra mim não mudou, pois a única intensão do partido era chegar ao “pudê” fosse como fosse – o PSOL, da mesma forma, “mudará”. Para chegar ao poder é sempre essa conversa mole da opção pelos pobres e pelo socialismo. Uma temeridade já que o socialismo só aumentou a pobreza, criou estados totalitários e ainda matou alguns milhões no paredón como a história já demonstrou. O pior é que ainda tem gente que ainda cai nesse engodo, gente que ainda não se tocou de que não há almoço grátis!

  12. Hans Biermann
    segunda-feira, 18 de agosto de 2008 – 15:57 hs

    Fábio Campana, o Meirinho já tem um bom histórico de derrotas em eleições. Até para o Centro Acadêmico ele perdeu, com campanhas anedóticas do “Chuck Norris” em favor da linda Natasha. Vai ser uma grande piada na política!

  13. José Odenir
    terça-feira, 19 de agosto de 2008 – 10:44 hs

    O PSOL tem razão em se diferenciar do PT.

  14. Mister M
    sexta-feira, 22 de agosto de 2008 – 13:30 hs

    Dona Clair e amigo(s) fazendo comentários ressentidos. Kuákuá

  15. to com o bruno
    quinta-feira, 28 de agosto de 2008 – 21:30 hs

    A maioria acha que tudo mudou em curtiba,mas estao enganados pelo simples motivo de que o candidato a eleiçoes em curitiba nas propangandas so afirma que vai melhorar
    se ele nao mudou em 4 anos nem aqui e nem na china que nos proximos 4 anos ele mudara algo
    Temos que aproveitar nossas chances de mudanças,como que pode um candiadato devolver dinheiro a preifeitura e depois ele podera pegar de novo ,minha gente abram seus olhos,naos e deixem iludir por um “candidato”que so fez nome por ser filho de um cara que no passado nao fez grande coisa pela nossa gente
    vamos em busca do objetivos que e mudar curitiba e nao fazer com que ela seja reconhecida nos outros paises
    nossos problemas estao aqui e nao la
    abraços a todos

  16. Cristine
    sábado, 30 de agosto de 2008 – 21:49 hs

    Pode até parecer utopia os ideiais do Bruno Meirinho. Pode até ser que ele seja “filhinho de papai”. Não o conheço pessoalmente. Mas algumas coisas são certas:
    1) Beto Richa não é filhinho de papai?
    2) A Gleise então, nem se fala…

    Por enquanto, meu voto é do Bruno!
    Força aí!!!
    Vai fazer campanha de rua, vai nas Universidades, DCE’s.

  17. elaine
    domingo, 7 de setembro de 2008 – 21:44 hs

    se vc estiver pensando em ganhar eleiçaõ com esa proposta se toca rapaz iso po povaõ ñ tem a menor importanci os onibus pode tar cheio de catracas ok importa eo preço das pasagem eñ as catracas o povo ñ se ilude mais com conversa fiada como cidadã curitibana eu tenho vergonha de saber k tem um candidato com uma proposta taõ bichada desa vira esa lata rapaz…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*