Curitibano é morto pela polícia nos EUA | Fábio Campana

Curitibano é morto pela polícia nos EUA

André Martins, nascido em Curitba, foi morto na madrugada deste domingo pela polícia norte-americana do distrito de West Yarmouth, em Massachusetts, nos Estados Unidos. Ele não parou em uma blitz porque não tinha carteira de habilitação. Os policiais o peseguiram, fecharam a rua e dispararam três tiros.

Martins estava há sete anos nos Estados Unidos e trabalhava como jardineiro. Ele estava no carro com a noiva, Camila Campos, também brasileira. Segundo a polícia, uma blitz rotineira de trânsito foi montada e o brasileiro passou direto por ela. Em seguida iniciou-se uma perseguição que durou 90 segundos, e terminou quanto o veículo do brasileiro colidiu com a viatura. Foi quando o policial atirou no brasileiro.

Segundo sua noiva, André não teve tempo de se explicar ou se defender antes de ser morto. Ela vive legalmente há 18 anos nos EUA. Leia mais:

Brasileiro é morto ao furar blitz de polícia nos EUA

“Ele não teve chance de se defender”, diz mulher de brasileiro morto nos EUA

Paranaense é morto por policiais nos Estados Unidos


10 comentários

  1. joao
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 15:22 hs

    Interessante a mulher falar que ele nao teve chance de se defender. Se ele tivesse parado teria tido a chance de se defender, mas preferiu furar a blitz. Lamentavel a morte do jovem. Todavia por imprudencia perdeu a vida. Nao sei como e no EUA, mas por aqui se dirigir sem habilitacao o maximo que acontece e a apreensao do veiculo e multa.

  2. segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 15:56 hs

    Alguém se habilitou para ir averiguar os métodos e treinamentos da polícia americana?

  3. Tatuquara
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 16:15 hs

    Por favor, independentemente de ter furado a blitz o carro de André não poderia ter sido alvejado pelas balas dos policiais. Furar uma blitz, até onde sei não é crime punido com morte sem direito à defesa prévia nem aqui nem nos Estados Unidos. Essa tendência da polícia de atirar primeiro e perguntar depois é que resulta nesse tipo de tragédia! Nem os criminosos, meliantes, delinqüentes podem estar sujeitos a essa lei de julgamento instantâneo pelos próprios policiais, vide os diversos assassinatos cometidos pela polícia, inclusive a paranaense de Roberto Requião.

  4. CARLOS
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 16:39 hs

    POR MAIS QUE SEJA MUITO TRISTE O FALECIMENTO DELE, FALTA MUITA INFORMAÇÃO…ELE ESTAVA COM SITUAÇÃO REGULARIZADA NOS EUA?
    POR QUE NÃO QUIS PARAR? QUEM NÃO DEVE, NÃO TEME…

  5. CARLOS
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 16:48 hs

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u427022.shtml
    A polícia de Yarmouth, no Estado de Massachussets (Estados Unidos), afirmou em comunicado divulgado nesta segunda-feira que o brasileiro André Martins, 25, morto na madrugada de domingo em uma blitz, estava aparentemente fumando um cigarro de maconha.

    Segundo comunicado enviado pela polícia à imprensa, Martins –que foi morto a tiros por um policial– estava com o cigarro na boca quando os paramédicos o retiraram do veículo e o levaram para o hospital de Cape Cod, em Hyannis, onde foi declarado morto.

    A mulher de Martins, Camila Campos Miranda, primeiramente negou que houvesse drogas no veículo. Questionada novamente pela Folha Online após a divulgação do comunicado da polícia, ela admitiu que havia maconha no carro, mas disse que Martins não fumava naquele momento. “Tinha maconha, mas isso não justifica atirar nele”.
    Camila, que estava no banco de passageiro, negou, no entanto, que o marido tenha tentado fugir da blitz, alegando que ele apenas desviou do carro policial porque “não havia tempo de parar”.
    Ele virou o carro para não bater na polícia. Quando ele virou, o policial desceu do carro, se aproximou e atirou pela janela. Depois o policial deu a volta no carro e disparou mais tiros”, disse.

  6. Vigilante do Portão
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 17:01 hs

    Definitivamente você não conhece os EUA, lá o respeito ao policial é bem maior, e se furar barreira, leva bala mesmo. Eles atiram primeiro e perguntam depois.
    Não tem essa de coitadinho, ele só estava sem a carteira de motorista.
    Para a polícia americana se fugiu é bandido e se é bandido, bala nele.

  7. Vigilante do Portão
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 17:05 hs

    A propósito, não estou dizendo que eles estão certos, apenas afirmando que é assim que funciona e que as pessoas sabem que é assim, então, quando a polícia manda parar, todos param. Como nos filmes, o sujeito abordado fica estático, com a mão no volante até que o policial mande sair do veículo.
    A idéia é preservar a vida do policial. Pode parecer um exagero e para os nossos costumes de fato é.

  8. Tatuquara
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 19:23 hs

    Olha vigilante, não estou tratando do q mostram os filmes, sequer do que acontece na prática. Estou falando de Direito Humanos! Não interessa o quanto se leva a sério o policial, os costumes ou o treinamento da polícia etc e tal. Os EUA, assim como o Brasil, são signatários de diversos acordos de Direitos Humanos e são os primeiros a apontar o dedo contra qualquer injustiça desse tipo. Então sejamos corretos, atirar num infrator de trânsito ou mesmo num estuprador, assassino, maníaco desarmado vai contra esses Direitos!

  9. Jorjão
    segunda-feira, 28 de julho de 2008 – 21:35 hs

    Senhores, consultem no Google o seguinte endereço: “cape cod times” e vejam o vídeo do you tube onde o chefão da polícia local dá uma entrevista. Verdadeiro horror as declarações. Muito superficial. Está certo que, por aqui, também acontece mas trata-se da morte de um jovem brasileiro que talvez tenha cometido um pequeno deslize. Na verdade já passa da hora das polícias do mundo inteiro se darem conta que não podem sair por aí atirando em qualquer coisa que se mexe. Que O Grande Criador receba em seu Reino esse jovem brasileiro. Enquanto isso êles continuam procurando pelo tal Bin Laden.

  10. lily bretas
    terça-feira, 29 de julho de 2008 – 19:36 hs

    Todos cometemos erros mas ninguem tem o direito de tirar a vida a ninguem…somente DEUS e que o senhor esteja com todos em especial com Andre tao novo e ja partiu .pena que nem todos pensam assim ,pois alguns dizem que quem nao deve nao teme isso e apenas um ditado tolo ,o que deviam fazer e respeitar o ser humano e amar uns aos outros…porque aqui estamos de passagem.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*