Chico Noroeste: primeiro pedido de justa causa por infidelidade partidária | Fábio Campana

Chico Noroeste: primeiro pedido de justa causa por infidelidade partidária

O escritório do advogado Luiz Fernando Pereira foi contratado pelo Partido da República para impedir que o deputado Chico Noroeste (foto) saia da legenda e leve consigo o mandato. O deputado pediu à Justiça Eleitoral que emita um requerimento declaratório de justa causa, o que permitiria que ele saísse do partido e continuasse deputado.

Mas os advogados Luiz Fernando Pereira e Gustavo Guedes já se preparam para impedir que isso aconteça e fazer valer a Resolução nº 22.610, que disciplina a perda de cargo dos mandatários que mudaram de partido, assim como estabelece procedimento para aqueles que desejam deixar os partidos pelos quais foram eleitos.


3 comentários

  1. terça-feira, 22 de julho de 2008 – 22:37 hs

    Então o nosso querido “Chico Cinquentinha” ficou pendurado na brocha? É ruim hein?

  2. Caramba
    quarta-feira, 23 de julho de 2008 – 8:31 hs

    Chico Noroeste incorporou ao nome que sua família lhe deu a denominação de Banco Noroeste onde vendia seguros em Foz do Iguaçu.
    Por isso era o Chico do Noroeste.
    Depois montou uma seguradora de saúde evangélica.
    Saiu a vereador, dando desconto em lei para o IPTU e outras coisas.
    Eleito deputado estadual em 1998 no vácuo em Foz do Iguaçu, quando Dobrandino Silva foi cassado pelo TSE.
    Mudou sempre de partido para os que lhe convém na hora do vamos ver.
    Ficou conhecido como Chico Corretivo ou Chico Assinatura não é Minha, quando da CPI da Sercomtel em pleno governo Jaime Lerner, quando deu uma retirada básica no requerimento da CPI com a caneta limpando o nomezinho que mamãe lhe deu e o banco lhe proporcionou.
    Virou Chico Error EX.
    Mudou de partido novamente para atender a vontade de ir ao PT de Foz, quando chegou a ser convidado para entrar, mas aí veio a lei da infidelidade partidária pelo TSE.
    Agora quer dar uma banana para o Fernando Giacobo que mudou o seu título de deputado federal para Foz do Iguaçu e aliou-se aos Silva, onde ele – Giacobo – já era o alugador de carros para a prefeitura do PMDB, seguindo os passos do Osni Pacheco da Cotrans.
    Repete o que o Hidecazu Takaiama fez no PMDB e o Duce Requiõn nada fez: mudou de partido mas ninguém ingressou com o pedido de infidelidade partidária:
    – nem Doático Santos, nem o presidente municipal do PMDB de Curitiba;
    – nem Dobrandino Silva, presidente do Estadual do PMDB;
    – nem os suplentes Marcelo Cecílio Almeida;
    – nem o combativo João Sobrinho Requiõn Arruda;
    – nem a combativa e esquerdista chavista Juventude do PMDB;
    – nem o MR 8 que manda no gabinete do governador Requiõn;
    – nem o Ministério Público Eleitoral foi instigado pelos farejadores do PMDB;

  3. quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010 – 12:53 hs

    e isso ai chico não se intimide com os abutres ,eles so se alimentam de coisa podre e voce e bem sarado

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*