O dia do jacaré | Fábio Campana

O dia do jacaré

Num dia de pouca imaginação dos políticos e de esforço do governo para esquecer o escândalo da Paraná Previdência, o jacaré do Parque Barigüi mudou de ares.

O bicho foi transferido para o Zoológico Municipal, no Alto Boqueirão, onde terá espaço só para ele. A transferência, recomendada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), foi feita por motivos de segurança.

No ano passado, um cachorro foi atacado e morto por um jacaré no lago do Barigüi. A transferência foi estudada por técnicos do Ibama e da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.


4 comentários

  1. Protesto
    quinta-feira, 5 de junho de 2008 – 22:16 hs

    Em nome dos Adoradores do Jacaré do Barigui, quero manifestar meu voto de protesto contra a retirada do animal daquele habitat.
    Tudo por causa de um cachorrinho de madame…

  2. Malazartes
    quinta-feira, 5 de junho de 2008 – 23:43 hs

    Ei, seu Fábio:

    Pô, um cachorrinho a cada três dias e o bicho continuaria manso, lá no Barigüi, seu habitat há muito tempo.
    Tá sobrando cachorro por lá. Madame também, mas daí, só poderia ser uma a cada 10 dias.
    Questão de dieta.

  3. miguel machado
    sexta-feira, 6 de junho de 2008 – 7:56 hs

    Só falta lançarem o jacaré para vereador agora…

  4. Abadia
    sexta-feira, 6 de junho de 2008 – 8:55 hs

    O jacaré estava lá há mais de 10 anos, sem incomodar ninguém. Ele fica só no lago ou às marges dele. Não pede para ninguém chegar perto e nem é pequeno para não ser notado. Um papai debilóide ficou jogando pedras no jacaré, para animar os seus pequenos filhos-debilóides. O cachorro avançou. O jacaré NÃO COMEU NEM AVANÇOU no totó (ele só come peixinhos, no máximo), apenas o mordeu e afogou. Disse, na linguagem dos jacarés: “parem de me encher o saco, porra!” Agora tiram o bicho de lá. Daqui a pouco um bêbado vai abraçar uma capivara, leva um coice e o Ibama as transfere para o zoo. (Se bem que já vi, aos sábados, vários bêbados abraçados com “cada capivara”).

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*