Foi apenas peraltice de Alvaro Dias? | Fábio Campana

Foi apenas peraltice de Alvaro Dias?


Leandro Fortes, repórter da Carta Capital, abre matéria na edição que está nas bancas com a seguinte conclusão: “Ficou claro que o tal dossiê aparentemente montado nas entranhas do palácio do Planalto para supostamente chantagear a oposição e enlamear o nome da família do ex presidente Fernando Henrique Cardoso não passou, na verdade, de uma peraltice do senador Alvaro Dias, do PSDB do Paraná”.


10 comentários

  1. Huuuuuuuuuuuuumm!
    domingo, 18 de maio de 2008 – 14:01 hs

    Será que o botox e o laquê comprometeram o celebro?

  2. José
    domingo, 18 de maio de 2008 – 14:06 hs

    Foi ato de um moleque acostumado a molecagem mas, se um dia um tal de José Carlos lhe deu bela dor de barriga quando
    ameaçou ir a conveção pela vaga de candidato ao governo do estado do Paraná
    imagine o que pode acontecer se houver a possibilidade da perda do mandato de senador.

  3. Zé Carlos
    domingo, 18 de maio de 2008 – 15:27 hs

    Está história é muito engraçada!

    Havia um dedicado militante do PMDB, que participava da organização desde o MDB e ele se acidentou no trabalho, era um eletricista.

    Ao ser atirado por um choque a longa distância acabou com o corpo inteiro arrebentado.

    Era recém casado e tinha filhos pequenos, doente e sem condições financeiras nem para o tratamento como para as despesas com a família foi no Partido procurar ajuda.

    A militância de base e os dirigentes da juventude ficaram solidários com a situação do valoroso companheiro e de sua família, mas os “vips” não!

    O Zé por mais que procurasse só encontrava portas fechadas e desesperado falava até em dar um fim na vida.

    Seguindo a orientação do finado Nei ele foi procurar o na época senador Álvaro Dias e as portas foram novamente fechadas e ainda teve de escutar “brincadeiras” de um assessor.

    Todos nós estávamos ansiosos com o fato, pois tínhamos medo que ele acabasse por fazer alguma besteira.

    Tivemos uma idéia brilhante de como conseguir a ajuda com que o companheiro tanto esperava, lançamos o Zé como candidato a candidato ao governo.

    O Álvaro no começo acreditou ser apenas uma brincadeira, mas não esperava que a juventude partidária estivesse preparando os discursos para o Zé e muito menos para com os apoios que ele recebia, principalmente por parte dos aliados do Alencar Furtado, do qual o Álvaro havia usurpado o espaço que por “direito histórico” seria do velho.

    O Álvaro que antes estava com “o salto mais alto do que o do Luis XV” começou a ficar preocupado, já que o seu “adversário coçou a fazer um discurso pesado contra os dirigentes do Partido e a elitização burocrática por qual o mesmo estava organizado, assim acabando com as cenas pré-programadas montadas pelos marqueteiros do senador.

    A humilde candidatura foi uma “pedrada no holofote” que iria dar luz e brilho para a candidatura Álvaro!

    O plano deu certo e o Álvaro pagou as cirurgias do Zé, pagou a sessões de fisioterapia, bancou com o sustento da família durante o longo tratamento e lhes deu uma humilde casa.

    Poderia ter sido um processo natural de respeito no trato humano com os companheiros mais humildes, com os quais a direção nunca “dividia o pão”.

    O Zé ainda está vivo e mora em S.J.dos Pinhais.

  4. João Carlos Nicolli
    domingo, 18 de maio de 2008 – 16:13 hs

    Realmente foi um ato moleque, e um ato sujo, mas infelizmente algo que se esta tornando muito comum na política brasileira, os político não são mais lutadores éticos e corretos, passaram a ser lutadores sujos e sem escrúpulos. E claro que na política nem sempre podemos ser “corretos”, como já falava Maquiavel, mas como próprio Maquiavel falo, tem que haver um propósito, que ajude a nação. Faça algo ruim, mas que seja para o bem de todos, e não para o seu próprio.

  5. José
    domingo, 18 de maio de 2008 – 16:31 hs

    Não concordo!
    Na verdade mandou alguém lá, falar com o Zé e pagou o preço para ele desistir.
    Se tem casa no meio, que eu desconheço, foi porque o dinheiro deu pra comprar.

  6. No que não concorda?
    domingo, 18 de maio de 2008 – 17:17 hs

    Foi um bom dinheiro!

  7. Jose Carlos
    domingo, 18 de maio de 2008 – 18:00 hs

    Ora, Peruca topa qualquer coisa que o tire da obscuridade permanente de seu desempenho parlamentar. Qualquer coisa é lucro. Aparecer no jornal nacional, nos grandes jornais das metrópoles… enfim, a ribalta gratuita. De resto, nada importa, pois a patuléia está se lixando para os cartões corporativos e outros escândalos. Isto é assunto para a pequena burguesia pagante de impostos e para a imprensa carente de notícias importantes nesta colônia, onde a roça predomina… Daí temos temos o lunático padre voador, a morte da infeliz menina paulista, a dengue, etc, etc, etc… Viva a roça brasileira….

  8. domingo, 18 de maio de 2008 – 22:55 hs

    A foto já diz tudo, mais esticado que salário de pobre, sorriso do personagem do pinguim do filme do batman,( falso ), e um gesto um tanto duvidoso.Mas, vamos ao assunto do famoso dossiê dos gastos do FHC. 1*- tem antecedêntes, em 1998 repassou para o então deputado ROMANELLI, cópias dos protocolos da instalação da RENAULT,( eram sigilosos), que foi divulgado para a imprensa pelo referido deputado. Agora está novamente envolvido nesse escândalo da divulgação do tal dossiê, mostrando que não tem escrúpulo
    e faz qualquer coisa para aparecer, mesmo
    se tiver que trair seu próprio partido ( PSDB ), e o seu cacique maior FHC. Se tiver um pouco de decência, ( não acredito ) no mínimo pede a desfiliação do partido. Vamos
    ver pra que lado vai arrebentar a corda. Já estou com pena do coitado do assessor!!!!!!!!!!!!

  9. PAULO
    segunda-feira, 19 de maio de 2008 – 0:45 hs

    É… O TIRO SAIU PELA CULATRA.
    O PESSOAL DO ORÉGANO(PSDB) ESTÃO EM PALPOS DE ARANHA.
    SÓ PENA QUE VOA DOS TUCANOS!!!

  10. Rafael Mueller
    segunda-feira, 19 de maio de 2008 – 10:07 hs

    Mais uma inversão dos fatos operada por esse órgão “independente” da imprensa que é a Carta Capital. Mino Carta não cansa de enlamear sua reputação. As matérias da sua revista são mais chapa-branca que as do Diário Oficial da União, Radiobrás ou canal brasil. Pergunta-se: de quem seria o proveito do dossiê caso não tivesse vazado para imprensa e sido denunciado por Álvaro Dias, senão do PT e seus aliados? O problema está no DNA e na gênese petista que é comum à esquerda em geral. Para eles tudo vale para se perpetuarem no poder. A desculpa é sempre a mesma: tudo se justifica na busca do socialismo, um futuro hipotético, perfeito e ideal. De fato o que a esquerda produziu até hoje foram sistemas totalitários e assassinos, que, se de imediato não aniquilam pela força física seus adversários, antes os enfraquecem em sistemáticas acusações, mormente infundadas. São imorais ou até amorais pois aceitam como método mesmo os ataques mais vis às insituições democráticas e republicanas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*