A dificil tarefa de defender o indefensável | Fábio Campana

A dificil tarefa de defender o indefensável

O deputado Luís Cláudio Romanelli, líder do governo Requião na Assembléia, deu longa entrevista hoje à jornalista Joice Asselmann, da rádio Band News.

Tratou de defender o indefensável. As tvs laranjas, a falta de dragagem no porto de Paranaguá, o nepotismo, o uso dos cartões corporativos, o estouro do caixa, as finanças da Cohapar, etc.,etc. etc.

Sobre as tvs laranjas, saiu-se com esta. “É crítica da oposição que procura desmoralizar o Maurício Requião para impedir que ele chegue ao Tribunal de Contas”.


8 comentários

  1. leitor
    quinta-feira, 22 de maio de 2008 – 19:54 hs

    Será que existe defesa para a ingerência na Cohapar ?
    Somente a incompetência de muitos e a omissão de outros.

  2. jango
    quinta-feira, 22 de maio de 2008 – 20:06 hs

    O deputado só está dando entrevista porque seus “pares” não o enquadraram o fura-catraca pelo Regimento Interno da Assembléia, que embora lei interna não é respeitado pelos “fazedores de lei” do Estado. Está defendendo o indefensável (tvs laranjas, falta de dragagem no porto de Paranaguá, uso dos cartões corporativos, estouro do caixa, finanças da Cohapar, etc.) porque as ditas autoridades de controle público do Estado (Tribunal de Contas, Ministério Público Estadual e parlamentares isentos), cheias de prerrogativas, régios salários pagos pelo povo e calhamaços de leis e normas, até o momento, não se dignaram dar satisfação à sociedade se as irregularidades denunciadas são procedentes ou não.
    Mas o pior de tudo isso é a sociedade aceitar pacientemente essa anomia, sabendo que vai pagar a conta, inclusive do passivo das ações judiciais perdidas contra o pedágio que assoma a casa dos milhões, aí incluído o prejuízo provocado pelo deputado fura-catraca.

  3. CADEADOS
    quinta-feira, 22 de maio de 2008 – 21:04 hs

    ESTE SERÁ O PROXIMO PESADELO DE ROMANELLI !!!

    TEM ALGUMA FOTO DAS TVS!!! ENTÃO OBSERVE.

  4. 7 PROMORIA CASCAVEL
    quinta-feira, 22 de maio de 2008 – 21:09 hs

    VEJA BEM NÃO FOI A OPOSIÇÃO, NÃO FOI A IMPRENSSA, NÃO FOI O JUDICIARIO.

    QUEM DENUNCIOU QUE ESTA SENDO VENDIDO MERENDA NO SUPERMERCADO FESTIVAL E BEAL FOI O PROCURADOR.

  5. viajante!
    quinta-feira, 22 de maio de 2008 – 21:18 hs

    O CORONEL KURTZ ESTÁ CARECA DE SABER QUE TUDO ISSO É INDEFENSÁVEL.

    É DURA A VIDA DE LIDER DE REIQUIÃO, PERO NO MUCHO…

  6. Qualquer um
    sexta-feira, 23 de maio de 2008 – 12:41 hs

    Mas é um cínico mesmo!!!!

  7. Professor
    sexta-feira, 23 de maio de 2008 – 18:06 hs

    Jango:

    Já não sei mais, se é uma questão de, o povo aceitar, creio que vivemos em uma ditadura de Requião, e o que se passa nos colégios, por exemplo, é a mais pura mordaça, quem sai dela é perseguido. Por isso já não culpo o “povo” e sim as autoridades, as pessoas e órgãos com poderes para tomarem atitudes cabíveis.

  8. jango
    sexta-feira, 23 de maio de 2008 – 20:48 hs

    Professor:

    Tenho insistido na inoperância das ditas autoridades de controle público, cheias de prerrogativas, régios salários pagos pelo povo e calhamaços de leis e normas para atuar em defesa do interesse público e contra os desvios do poder.
    É utopia pensar que o povo vai pintar suas caras se sair a rua exigir providências – o brasileiro não tem essa cultura republicana.
    As ditas autoridades representam o povo, estão lá no lugar do povo, mas não agem em consonância com os anseios do povo. Estão ali para zelar pela sociedade e, no entanto, vemos que, salvo exceções, não dão nenhuma satisfação a quem lhes paga.
    Inúmeras são as denúncias graves de irregularidades nesta gestão governamental. Apontem, então, alguma conclusão que as ditas autoridades já tenham manifestado à sociedade, que lhes paga com o dinheiro suado das suas lides diárias, sobre a procedência ou não de tais denúncias.
    Precisamos urgentemente repensar a quem servem tais autoridades, cujo controle de suas próprias ações ou inações se encontra fora da própria sociedade que as autorgou, vale dizer, que assenhoraram-se dos cargos e a sociedade não tem o serviço correspondente, embora pague a elas os mais régios salários da nação.
    Em que monstro devorador do sangue do povo se transformou o tal mecanismo dos “freios e contrapesos” dos poderes ?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*