Porto esconde seus problemas | Fábio Campana

Porto esconde seus problemas

O deputado Valdir Rossoni acredita que a audiência pública de hoje com o chefe de Operações do Porto de Paranaguá, Clauber Candian, serviu mais para esconder do que para esclarecer os problemas do Porto.

Os deputados não conseguiram obter respostas objetivas sobre os problemas do porto que podem colocar em risco a navegação, entre eles a falta de dragagem no Canal da Galheta.

“A questão da dragagem continua na estaca zero. Nada foi explicado pelo diretor, que alegou não ter conhecimento de outras áreas além da logística”, disse Rossoni.

A única coisa que o diretor de operações confirmou foi que em certo ponto a largura do Canal da Galheta está com 90 metros, quando o mínimo aceitável é 200 metros.

O deputado Plauto Miró Guimarães considerou insuficientes as informações sobre o Terminal de Álcool inaugurado em outubro e que até agora não armazenou uma gota do produto.

Plauto Miró também questionou o sumiço de 4,5 mil toneladas se grãos do silo público. Candian disse que o caso é de policia, mas em seguida mudou de idéia e afirmou que o sumiço estava dentro da margem tolerada, que é de 0,15%.

Diante da insuficiência das explicações do diretor Clauber Candian, o deputado Marcelo Rangel exigiu a presença do superintendente do Porto, Eduardo Requião, para dar as explicações.

Rossoni sugeriu que um grupo de parlamentares se dirigisse ao Porto logo após a audiência para conferir in loco as denúncias de irregularidades. Uma delas é a questão de higiene no silão, considerada preocupante. Outra é o funcionamento dos filtros do silo vertical. Mas a direção do porto afirmou que não tinha ninguém para receber os deputados e mostrar as condições do porto, o que os deputados de oposição consideraram um acinte.

Algumas perguntas não respondidas:

– Por que criar uma comissão especial para estudar a questão da dragagem, fazer com que essa comissão se empenhe para realizar esse trabalho se em nenhum momento o superintendente do Porto agiu de acordo com os estudos dessa comissão?

– Por que a licitação da dragagem não acontece? Sabe-se que tem equívocos e falhas técnicas. Por que então não seguir o que a lei determina?

– Por que foi incluído o engordamento da praia de Matinhos na licitação da dragagem? É uma obra totalmente inviável. Vai aumentar drasticamente os custos e não vai solucionar o problema do litoral paranaense e também não constava no projeto elaborado pela comissão especial.

– Por que foi incluído o derrocamento de rochas em Antonina? Também não estava no projeto elaborado pela comissão.

– O Canal da Galheta tem uma curvatura. Como um navio de mais de 30 metros de largura entra num canal com 90 metros de largura e ainda tem que manobrar em alguns pontos?

– O principal problema do Porto é o Canal da Galheta. Se esse assunto não é de sua competência, quem é o funcionário responsável por essa questão?

– Por que o Cais Oeste não foi construído?

– Quantos berços seriam criados a mais com a construção do Cais Oeste?

– Existia dinheiro do Governo Federal para a construção do Cais Oeste? Este dinheiro foi devolvido? O Governo Estadual disse que construiria com recursos próprios e com valor mais baixo do que o proposto pelo Governo Federal?

– Por que o Terminal de Álcool não está operando? Foi realmente construído fora das normas técnicas necessárias para o armazenamento do produto?

– Haverá a necessidade de se investir mais R$ 8 milhões para a adequação do Terminal de Álcool para que ele passe a operar?

– Há controle exato do que está armazenado de farelo de soja no silão? Como explicar o sumiço de 4.591.380 Kg de farelo de soja do estoque?


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*