A versão da Guarda Municipal | Fábio Campana

A versão da Guarda Municipal

Hoje de manhã houve manifestação de estudantes no centro da cidade em defesa da ampliação do passe livre. O protesto foi reprimido pela Guarda Municipal de Curitiba, que emitiu nota com a sua versão dos fatos. O comunicado afirma que a Guarda apenas impediu atos de vandalismo em estações-tubo.

Ainda segundo a nota, a Guarda Municipal foi chamada pelo cobrador da estação e por passageiros, já que um grupo de aproximadamente 100 estudantes, que participavam de uma manifestação, passaram a intimidar passageiros e forçar a abertura da porta automática. Segue um trecho:

Oito guardas municipais atenderam a ocorrência. Na chegada da Guarda, o grupo correu, um dos estudantes caiu e foi pisoteado por alguns manifestantes. O SIATE foi chamado pela Guarda para atender o estudante. Três jovens foram detidos, por dano ao patrimônio, agressão física e desacato. Um deles, com mais de 18 anos, foi encaminhado ao Primeiro Distrito Policial. Os menores foram levados à Delegacia do Adolescente.

Tudo indica também que a manifestação recebeu um empurrãozinho da diretoria do colégio. Clique aqui para ver o informativo do Colégio Estadual, que libera os alunos que optassem por participar do protesto, cujas faltas seriam justificadas.


6 comentários

  1. Colégio Estadual
    quarta-feira, 2 de abril de 2008 – 21:20 hs

    Só falta a distinta Srª pedagoga Maria Madselva alegar que o comunicado foi uma simples brincadeirinha de 1º de abril!

  2. Colégio Estadual
    quinta-feira, 3 de abril de 2008 – 7:02 hs

    Acontecimentos lamentáveis como este servem para mostrar à sociedade paranaense o porquê de a Srª Madselva TER SIDO INDICADA E SER MANTIDA na direção do Colégio Estadual do Paraná pelo sr governador e seu irmão secretário. Um educador legítimo jamais se prestaria a um papelão destes. Deprimente!

  3. Che
    quinta-feira, 3 de abril de 2008 – 12:44 hs

    Não concordo que a guarda municipal tenha que usar a força contra os estudantes, mas acredito que esta manifestação tenha sido provocada por pseudos líderes estudantis. Esses que se dizem ser representantes dos estudantes no mínimo envergonham o passado de entidades como a UPES. Vejam, num dia eles selam acordos com o prefeito referente a carteirinhas, noutro colocam meia dúzia de estudantes contra a prefeitura. Todos sabemos que além de serem pseudo-lídere, também são do pseudo Comunistas do B. Vá entender?

  4. Francisco
    quinta-feira, 3 de abril de 2008 – 13:24 hs

    Com certeza, a distinta e civilizadíssima Guarda comandada pelo prefeito tem um nível de fazer inveja até à polícia britânica. Não fez mais do que sua obrigação descendo a porrada a valer em estudantes que deviam obedientemente estar na sala de aula ao invés de pretender macular a imagem de nossa pacífica cidade-sorriso e de seu excelso e justo sistema de transporte coletivo, tão ciosamente coordenado pelo prefeito já reeleito Beto Richa.

  5. Julinho
    quinta-feira, 3 de abril de 2008 – 19:30 hs

    No Colégio Estadual do Paraná a infame pedagoga Madselva cuida de uma série de interesses do secretário de educação e do governador, menos da educação dos alunos. Acredito que o compromisso pedagógico por lá esteja de lado.
    Cadê o promotor Clayton Maranhão que estava tão preocupado com a manipulação dos alunos e que em outro episódio tinha mandado cartas para todos os pais de alunos defendendo a diretora?

  6. CEP
    sexta-feira, 4 de abril de 2008 – 23:41 hs

    Convém lembrar que as cartas enviadas por Clayton Maranhão na ocasião acima mencionada (cuja intenção na minha opinião era sua promover seu próprio nome) foram pagas com dinheiro do Colégio, libarado por Crazyselva!
    O Tribunal de Contas ou orgão fiscalizador responsável deveria fazê-los desembolsar isso.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*