Tizzot defende o DER | Fábio Campana

Tizzot defende o DER

O secretário Rogério Tizzot, dos Transportes, contesta as denúncias encaminhadas aos deputados de oposição sobre desvios administrativos no DER.

Diz que a empresa Cavalca foi contratada para reparos na pista antiga da BR-467 por R$ 4,3 milhões e que ela não abandonou a obra. Deu um tempo. Tem até o dia 01/05/08 para terminá-lo.

Quanto ao contrato de R$ 8 milhões da empreiteira Gaissler, esse não é com o DER, diz o secretário. A Geissler foi contratada pelo DNIT para fazer a conservação da pista antiga da BR-467 e o DNIT deve responder por ela.

Sobre os dados apresentados de R$ 22 milhões do custo final contra R$ 18 milhões iniciais são total-mente absurdos. Os oito viadutos construídos no trecho urbano da Cascavel – Toledo foram licitados. A empresa Itauba não construiu todos, mas apenas cinco e deu descontos entre 20% e 31%;

A contratação do consórcio Triunfo/Petrobrás já esclarecida, diz Tizzot. O consórcio recuperou 777,59 quilômetros de estradas nas regiões Oeste e Noroeste. As obras tiveram custo final de R$ 90,6 milhões, custo médio de R$ 116 mil por quilômetro. A eficiência do programa é reconhecida nacionalmente.

Em relação aos questionamentos da espessura do serviço, diz o secretário que no contrato havia a possibilidade da execução de diferentes intervenções para recuperar as estradas;

O secretário Tizzot reconhece que em alguns pontos – como no caso da PRT-163 – houve deterioração precoce do pavimento. Nesses casos, diz ele, as empresas contratadas voltaram às rodovias para executar os serviços necessários. E garante que isto ocorreu sem custo adicional ao Estado. E completa: os custos de obras do Departamento estão, hoje, cerca de 30 % mais baixos do que eram em 2002.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*