Deboche? Incompetência? | Fábio Campana

Deboche? Incompetência?

Talvez as duas coisas juntas. O certo é que a oposição teve azia e erisipela quando viu o fardo de 270 quilos de papel encaminhado por Maurício Requião em resposta às perguntas dos deputados.

Entornou o caldo. A oposição examinou as respostas da Secretaria de Educação e concluiu: há desperdício de dinheiro público, incompetência administrativa e desrespeito ao meio ambiente.

Tudo isso e mais um pouco, segundo o deputado Valdir Rossoni, que não tem dúvida que o secretário da Educação desrespeita o Ministério Público e os deputados da Assembléia.

“O secretário se recusa sistematicamente a prestar informações à Assembléia e quando responde é de maneira debochada, incompleta, numa demonstração explícita que não domina os recursos tecnológicos que anuncia tentar implantar nas escolas, além de demonstrar desrespeito com o meio ambiente”, disse um irado Valdir Rossoni.

O deputado relatou que depois que o secretário não respondeu a ofício solicitando informações, a Oposição entrou com uma representação no Ministério Público e também com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça.

Em resposta, Maurício Requião enviou 27 volumes contendo cerca de quatro mil folhas de papel em cada um deles.
“São cerca de 270 quilos de papel. “Por que o secretário Maurício Requião não utilizou um dos 60 mil pen drives encalhados junto com as televisões laranjas para encaminhar informações tão volumosas?”, questionou Rossoni.

O deputado pergunta ainda o motivo pelo qual as informações não estão disponíveis na internet. As demonstrações de desrespeito do secretário tem a ver com a curiosidade da oposição sobre gastos com o cartão corporativo na Secretaria de Educação.

A atitude do secretário Maurício Requião só piora a sua situação na Assembléia, onde ele pretende apoio para ficar com a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas.


2 comentários

  1. jorge cirino
    quarta-feira, 26 de março de 2008 – 18:28 hs

    É um absurdo, não acredito, quando temos ainda no Estado do Paraná Escolas sem livros e crianças sem cadernos. Em um país sério estariam na cadeia.

  2. Maria Luiza Rocha
    quarta-feira, 26 de março de 2008 – 23:39 hs

    Se ele faz isso com os representantes do poder legislativo, a sociedade brasileira pode bem imaginar como ele trata professores e os assuntos relacionados à educação no Paraná.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*