A aventura paraguaia de Requião | Fábio Campana

A aventura paraguaia de Requião

A revista IstoÉ que está nas bancas revela a intromissão do governador Requião na disputa presidencial do Paraguai. Segundo a reportagem de Sérgio Pardellas, Requião passou a apoiar ostensivamente o candidato Fernando Lugo, ex-bispo católico que pauta a sua campanha pela exploração de crescente sentimento antibrasileiro. Lugo promete rever o tratado de Itaipu e lança insegurança aos milhares de brasileiros que emigraram para o Paraguai e se tornaram agricultores na região de fronteira com o Brasil.

O apoio de Requião se traduz na participação direta do secretário de Comunicação de seu governo, Airton Pisseti, no papel de coordenador da campanha eleitoral de Fernando Lugo. A revista publica as denúncias de um senador paraguaio, Hermínio Chena, que acusa Pisseti de intermediar dinheiro para a campanha de Lugo ao lado de um coronel venezuelano que também faz parte da equipe que comanda a campanha de Fernando Lugo.

Advogados do Partido Colorado preparam denúncia, a ser apresentada pelo senador Nelson Argaña, na qual acusam o presidente da Venezuela, HugoChávez, de injetar dinheiro na campanha de Lugo por meio do governador do Paraná. Os senadores Alvaro e Osmar Dias fazem declarações. Também o deputado federal Gustavo Freut. Não economizam críticas ao governador.

Para ler a reportagem completa da IstoÉ na internet: http://www.terra.com.br/istoe/


3 comentários

  1. Gumercindo Menendez
    domingo, 3 de fevereiro de 2008 – 2:18 hs

    En nombre de todo el pueblo paraguayo lastimo de manera tangente la participación sucia de Requiao en la politica de mi pais. Fuera, cabrón!

  2. segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008 – 10:39 hs

    Trabalhar contra uma máfia de 150 anos de existência, o Partido Colorado, não é fácil ainda mais que o Ouviedo estabeleceu já um acordo branco com a candidata da aristocracia colorada. Neste fato não existe nada de novo já que o “general rebelde”, um Figueirerdo piorado, já “bebeu e muito nas águas” conservadoras do Stroesner, a quem serviu muito “bem”.

    Para eles , os da elite castelhana branca, melhor um louco peseudo nacionalista de direita do que o nacionalismo distributivo socializante do Bispo.

  3. segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008 – 10:59 hs

    Errata:
    pseudo

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*