Requião, en su tinta | Fábio Campana

Requião, en su tinta

Dimitri do Valle, da Folha de São Paulo, é dos repórteres mais educados e preparados que conheço. Por dever de ofício entrevistou o governador Requião, certamente um dos políticos mais mal educados e despreparados do planeta.

Não deu outra. Requião tentou intimidar o repórter com agressões iniciais na base do “você não existe, rapaz, como jornalista”. Ao estilo do índio Juruna mostrou um gravador, para dizer que iria conferir a matéria depois de publicada.

Para que se tenha uma idéia do que o Duce do Canguiri afirmou nessa entrevista ao Dimitri do Valle, publicada no domingo, olhem estas amostras e avaliem. Procurem não rir. É patético.

“Nunca fiz propaganda pessoal. Não vou à TV Educativa dizer que sou o rei da cocada preta”.

“Trabalho para ser o melhor governador do Paraná de todos os tempos”.

“O Maurício (irmão caçula) é o melhor secretário de Educação do Brasil e outro irmão meu, o Eduardo, que está no porto de Paranaguá, transformou um porto falido no primeiro porto do país”


9 comentários

  1. adriano
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 15:36 hs

    vc nao era Requiao fabio ?

  2. Shirley
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 15:49 hs

    Realmente esse Dimitri não é tão ninguem…
    Não existia até agora para mim como jornalista…
    Mas aposto que agora vai ficar famoso…

  3. João dos Anzóis
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 15:56 hs

    O Dimitri é gente boa e fez aquilo que a turma da Gazeta do Povo não tem coragem. Quanto as afirmações, concordo com o governador, o juiz Lippiliminar só dá sentença favorável quando intere$$a muito….

  4. ribeiro
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 16:00 hs

    Bem que o Duce poderia levar a Shirley com ele….e ficarem por lá no seu idílio amoroso bolivariano. Quem sabe não acontece até o derradeiro ménage à trois com o Fidel?

  5. Shirley
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 17:07 hs

    Pôxa Ribeiro!
    Essas são as suas fantasias, não as minhas.

    Mas já que a ordem é delirar, vamos lá:

    Viajar ao lado do Duce seria uma honra!

    Eu poderia até desamarrar seu Tênis, passar um gel refrescante nos seus pés cansados de andar por esse Paraná afora.

    Ofereceria-me para colocar um colírio nos seus lindos olhos azuis ( disfarce só pra ver mais de perto)

    Leria a coluna do Fábio para ele no seu Notebook, só para ouvir ele dizer: “imbecis”

    Hei…Afinal o que é DUCE? alguem pode me dizer ?

  6. José Carlos
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 17:38 hs

    Vc é uma gozadora… Duce, por óbvio, é uma comparação que Fábio faz de Mello e Silva com Benito Mussolini, “Il Duce”, pelas suas semelhanças: aspecto físico, exceto a careca; bufonices, fanfarronadas e, por certo, prepotência e arrogância… Isso aí…

  7. Curioso
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 10:39 hs

    Gostaria de saber que droga toma esse senhor.

    Ninguém, em sã consciência, fala tanta m…

  8. Rodrigo
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 14:10 hs

    Coitado do jornalista. Ele não sabe que para entrevistar “a coisa” tem que levar um exorcista a tiracolo.

  9. Perda de tempo
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 14:26 hs

    Uma pena que a FSP perca tinta, espaço e papel com essa irrelevância patética chamada Roberto Requião de Mello e Silva, um filhinho de papai, um playboy, um garotinho mimado, que acha que voz grave e cara feia são sinônimos de seriedade e competência.

    Acorda banana, você já era!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*