Marés, o novo procurador | Fábio Campana

Marés, o novo procurador

Carlos Frederico Marés de Souza Filho é o novo Procurador Geral do Estado. Deixa a presidência do BRDE para ocupar a função que já foi dele no primeiro mandato de Requião

Marés é da velha guarda de Requião. É considerado um dos conselheiros mais ponderados de Requião e que pode devolver alguma tranquilidade à administração afundada em crise. Marés começou no movimento estudantil. Foi presidente do DCE da Federal, exilado político na Dinamarca, trabalhou pela Unesco na preparação da Constituição de São Tomé e Princípe. Ao voltar ao Brasil, integrou-se na luta pela redemocratização. Foi presidente da Fundação Cultural de Curitiba quando Requião foi prefeito. No governo federal, foi presidente da FUNAI.


11 comentários

  1. João dos Anzóis
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 17:10 hs

    Caro Fábio Campana, como pode um desembargador como o Lippmann posar de arauto da moralidade?

    Dá uma olhada no blog do Guilhobel (www.gazetadenovo.com) e veja a ficha corrida deste senhor, que tenta calar nosso governador.

    Fora Lippmann….

  2. terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 17:26 hs

    Agora vem um velho capacho… aquele mesmo que demitiu o histórico indigianista Orlando Vilas Boas da FUNAI, que fiascopara o Paraná!

  3. André
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 17:36 hs

    Mais uma…

    O Tribunal Regional Federal da 4ª Região indeferiu liminarmente o Mandado de Segurança impetrado pela Rádio e Televisão Educativa do Paraná contra a decisão do Desembargador Federal Edgard Antônio Lippmann Júnior, que ordenou a veiculação da Nota de Desagravo emitida pelo Associação dos Juízes Federais – AJUFE, durante toda a programação da TVE, no dia 22 de janeiro de 2008.
    Segundo o Relator do Mandado de Segurança, Juiz Federal Loraci Flores de Lima, a decisão questionada “está muito bem fundamentada e longe de configurar ato arbitrário que pudesse ser atacado na via do mandado de segurança”.
    A íntegra da decisão pode ser consultada no site http://www.trf4.gov.br sob o número2008.04.00.001130-6/RS.

  4. Nelson Vitorino
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 17:40 hs

    FABIO. QUE BOM QUE O REQUIÃO NOMEOU O MARÉS. HOMEM HONESTO E COMPETENTE JURIDICAMENTE. RESPEITADO NO MEIO JURIDICO. TEM UMA TRAJETÓRIA FANTASTICA. NA LUTA CONTRA A DITADURA, NO EXILIO E NO RETORNO AO BRASIL NA LUTA PELA DEMOCRACIA. PENA QUE O REQUIÃO DEMOROU PARA NOMEA-LO NA PGE. ACHO QUE SE TIVESSE FEITO ISTO DESDE O INICIO NÃO TINHA ACONTECIDO TANTOS ESCANDALOS ENVOLVENDO A PGE E AS AREAS JURIDICAS DO GOVERNO. E NEM AS LAMBANÇAS POLITICAS, CAUSADAS POR INCOMPETÊNCIA DA AREA DA ARTICULAÇÃO POLITICA E JURIDICA.

  5. jango
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 19:03 hs

    Ramon Castello:

    Olha o que disse o inesquecível Vilas Bôas à revista Isto É:

    ISTOÉ – Como você se sentiu ao ser demitido da Funai?
    Villas Bôas – Eu acho que o ato do sujeito (Carlos Marés) pecou pela maneira como foi feito. Ele mandou um fax borrado dizendo que precisava do meu lugar, tudo de uma maneira muito grosseira. Quem criou a Funai fui eu. E até em respeito à idade da gente, ao tempo que nós permanecemos lá… Ele poderia pelo menos ter me telefonado explicando que precisava me substituir por uma pessoa de confiança. Por um lado, ele tinha razão, porque nós seríamos uma pedra em sua administração. Ele mudou a política indigenista brasileira. Hoje, a Funai fala em integração do índio à sociedade. Mas o índio só sobrevive em sua própria cultura, não há lugar para ele em nossa sociedade.

    Ô ruindade, sô !

  6. amauri escoteiro
    terça-feira, 22 de janeiro de 2008 – 20:59 hs

    FABIO. Eu vou fazer um curso de psinalise para te decifrar. Tudo bem que voce seja a favor da liberdade e deixe o pessoal do Requião chamar voce de mercenário e desonesto neste teu blog sem nenhuma restrição, o que é elogiavel. Mas o que gostaria de entender é porque voce tanto deixa eles de bater e depois volta a apoiar eles nas eleições. Foram tanta as vezes e não foi diferente em 2006. Digo isto porque voce fica com aquelas criticas afetivas na tua coluna chamando o Requião de gordo e barrigudo, mas do resto fala pouco. Voce só faz criticas de forma e não de conteudo. Falar de conteudo é contar coisas que voce sabe e não conta. Porque não conta os bastidores do financiamento das campanhas de 82, 85, 91 e outras que sabe de onde veio o dinheiro? Porque não conta o que sabe sobre doações de empreiteiras, agências e outras empresas nestas campanhas? E de que forma o dinheiro entrava e saia? Quem ia buscar? Em que moeda? Como voce, Rubico, Cansian, Mussa, Serathiuk, Machado, Romanelli operavam? Porque não conta a verdade sobre o Ferreirinha? Afinal foi condenado e ficou quietinho. Não contou a verdade. Que todos sabemos que é outra? Porque não conta o acordo branco de 1994 feito na casa do Luiz Roberto Soares entre Lerner e Requião, para matar a candidatura do Alvaro Dias a governador? Porque não conta como mataram o Mauricio Fruet como candidato a prefeito para ele não ser candidato a governador em 1990? Ou como mataram o José Richa como candidato a governador em 1990? Porque não conta a verdade sobre a denuncia do Neivo Beraldin de que voce recebeu 50 mil em tua conta depositado pelo Jornal do Estado e que voce pagou a conta do hospital do Benedito Pires? Afinal Fabio vou fazer um curso de psicanalise para te decifrar. Pois fala mal na forma e metodo, mas os conteudos da história não conta nada. Vai levar para o tumulo? Não vai abrir o bico? É amor pelo Requião? Ou faz parte do código de ética da organização Fabio-Requião Ltda?

  7. Zeca
    quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 – 0:18 hs

    Jango,

    Orlando recebia R$ 1300 sem trabalhar e acumulava cargos,o que é vedado pela Constituição. Marés agiu certo em defenestrá-lo. Vergonha seria manter o cara.

    Aliás,o que o Orlando fez de bom além de engravidar diversas índias e trabalhar em sintonia com a Ditadura Militar, convencendo as tribos a se retirarem do local de construção de usinas como a de Tucuruí?

  8. Pedro Antoniazzi
    quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 – 2:34 hs

    Marés é uma figura lastimável. A demissão de Villasboas é o seu epitáfio moral. Queridinho de Ruth Cardoso, servidor de FHC, figura raivosa e serviçal de Requião. Arghhhh!

  9. Profeta do Calipso
    quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 – 14:17 hs

    Quanto tempo dura esse senhor?

    Alguém arrisca?

    Quem sabe um pouquinho mais do que o Botto e a Jozélia…

  10. Guilhobel?!
    quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 – 15:26 hs

    Não estou escrevendo para defender o Fábio, até porque não conheço sua história como jornalista ou qualquer outra função que tenha desempenhado. Acesso o blog porquê, por já ter visto muita informação verdadeira aqui sobre uma instituição que conheço profundamente, passei a acreditar nas matérias. Quanto ao Sr. Guilhobel, da gazetadenovo.com, este sim, pude ver quantas mentiras ele publicou sobre a mesma instituição, com o intuito de atingir Requião! Por um passe de mágica, pouco antes da última eleição, o Sr. Guilhobel mudou radicalmente de opinião!

  11. asdrúbal guimarães
    quinta-feira, 24 de janeiro de 2008 – 23:10 hs

    E já não é sem tempo. Requião precisa de um mediador no Governo. E de um mediador lúcido, que também enxergue na linha do horizonte. Os áulicos que cercam o governador preferem incensá-lo a colocar em risco os interesses pessoais que defendem no governo. Requião tem brigado por pouca coisa e não leva nada em troca, além de perder prestígio e credibilidade. A oposição vai ao delírio, enquanto o governador brancaleônico se acha o máximo. De líder acabou se transformando em um mero chefe, um executor de ações temerárias e sem nenhuma importância para o processo de crescimento do nosso querido Paraná. Que dó!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*