Juízes federais recusam debate com Requião | Fábio Campana

Juízes federais recusam debate com Requião

Requião esperava que a Associação de Juízes Federais do Brasil – AJUFE – comparecesse à sessão da escolinha de amanhã para debater sobre a censura. Seria a maneira de burlar a determinação da Justiça que proibe a TV Educativa de levar ao ar o governador fazendo autopromoção de desancando os adversários.

A manobra deu certo no embate do governo contra o Ministério Público estadual. mas os juízes federais não caíram na armadilha e rejeitaram o enredo de Requião. Suas razões estão claras nas ponderações do presidente da AJUFE, Walter Nunes.

Os jornais do Paraná divulgaram na sexta-feira nota do governador do Paraná, Roberto Requião, na qual ele chama o presidente da Ajufe, Walter Nunes, a debater a censura no País. Definiu o tema, o local e a hora. Foi a reação, mais uma vez arrogante, às críticas feitas pela Ajufe à forma como vem reagindo à decisão judicial que o proibiu de usar a TV Educativa do Estado, para criticar desafetos, afirmou o presidente da Ajufe, Walter Nunes ao ser procurado ontem pelos jornalistas para repercutir a nota.

Em relação ao debate, o presidente da Ajufe afirmou: “Se o governador realmente quer debater, que venha à sede da entidade, que fica em Brasília. As portas da entidade estão abertas. O tema proposto para o debate parte da falsa premissa da volta da censura no Brasil. Isso não é verdade. O que ele quer, com essa falsa premissa, é discutir o acerto ou desacerto da decisão judicial. Aliás, ele já chamou para esse tipo de debate o representante do ministério público e o desembargado que deu a decisão, o que, obviamente, foi negado.”

Walter Nunes esclareceu que a nota da Ajufe não entrou no mérito da decisão, “nem deveria”, mas, sim, contra o deboche do Governador em relação à decisão judicial: “A questão é esta: falta de respeito. É inadmissível que um Governador utilize uma TV Educativa para debochar do Judiciário e, por meio de subterfúgios, descumpria uma decisão.”

Ele afirmou que decisões judiciais podem ser criticadas e há meios de se insurgir contra elas, com a interposição de recursos. O inadmissível, insistiu, é buscar subterfúgios para não cumpri-las. “Quando as decisões judiciais da Justiça Federal foram favoráveis aos interesses do Governador, como foi o caso do respaldo ao programa de privatização da companhia de energia elétrica do Estado do Paraná, ele comemorou o pronunciamento e, mais do que tudo, o seu cumprimento”, lembrou.

“Se o Governador não concorda com a decisão, e acredita que está certo, lute na arena do Judiciário e, até se for o caso, critique, porém, com respeito e a seriedade que se espera de um verdadeiro agente político e é próprio de um regime democrático”, disse o presidente da Ajufe. E concluiu: “Se o Governandor quer discutir a questão do respeito que as instituições se merecem, estamos prontos e dispostos. Agora, a sociedade está saturada de debates vazios e, certamente, o Governador tem muito o que fazer pelo povo paranaense, de modo que deve concentrar-se na execução de seu programa de governo, preocupando-se mais em fazer do que em falar.”


3 comentários

  1. André
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 18:32 hs

    TRF veda retransmissão ao vivo do programa Escola de Governo

    O Tribunal Regional Federal da 4ª Região vedou, hoje, 21 de janeiro de 2008, a distribuição e a retransmissão ao vivo do programa Escola de Governo, para qualquer emissora de comunicação, por parte da Rádio e Televisão Educativa do Paraná.

    Na mesma decisão, o Desembargador Federal Edgard Antônio Lippmann Júnior ordenou que qualquer cessão de imagens do programa deverá se dar da mesma forma e com os mesmos caracteres visuais e de áudio conforme veiculados originalmente.

    A íntegra da decisão pode ser consultada no site http://www.trf4.gov.br sob o número 2007.04.00.003706-6.

  2. josé buher
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 19:52 hs

    Meu caro Fábio:
    Acredito que vc seja um jornalista que provoca ira por parte de muitos e admiração por parte de tantos outros.Talvez seja exatamente esse seu objetivo.Quero dizer que por muito tempo fui admirador do seu trabalho, não seu por não te conhecer pessoalmente.Sou professor e procuro estar inteirado dos assuntos desse pedaço de planeta.Não sei se terei alguma resposta mas estou escrevendo por estar DECEPCIONADO

  3. josé buher
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 20:22 hs

    (CONTINUAÇÃO da mensagem interrompida por problemas tecnicos)Dizia estar decepcionado e agora escrevo porque:Antes de seu entrevero com o Requião eu achava que vc era um jornalista centrado e que escrevia imparcialmente ou pelo menos dentro do limite aceitável de parcialidade. Cheguei a reproduzir alguns artigos seus e distribuir para amigos,em especial um artigo logo após a derrota do grupo do Lerner que tanto mal fez para a Educação do nosso Estado.Sei que não existe Governante perfeito e que esse governo pode até ter erros, mas seu brilhantismo está atrofiando pela obrigação de não ter outro assunto a não ser ridicularizar Requião e sua equipe.Como posso ler a coluna de um jornalista como vc da mesma forma como leio os artigos do atleticano,do coxa branca e do paranista que se revezam e que jamais terá uma linha de respeito ou reconhecimento pelo outro?Hoje entrei pela primeira vez no seu blog e vi que seus textos são patrocinados pela Prefeitura do Beto.Isso me fez entender que todo homem,por melhor que seja tem seu preço.Eo seu nem é tão alto assim.No meio de tanta pilantragem política entendi que vc é só mais um que mama da mesma forma de tantas vítimas de seus ataques.Espero que entenda o que escrevo:Patrocinado pela prefeitura jamais vc será capaz de criticá-la embora seja preciso e da mesma forma, mesmo que precise, jamais poderá tecer um elogio ao Governo Estadual.Onde fica sua dignidade?Sei que vc é atleticano .Talvez mais coerente fosse tomar o lugar do Binho ou então colocar nas colunas do jornal,ao lado de sua foto, o símbolo da prefeitura ou quem sabe do governo do Paraná, caso eloe te pague mais.

Um Trackback

  1. Por: Fábio Campana » TRF veda retransmissão ao vivo da escolinha, segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 – 18:44 hs

    […] Nosso leitor André avisa: […]

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*