Rossoni responde | Fábio Campana

Rossoni responde

O deputado Valdir Rossoni bem que pensou em deixar a afirmação ofensiva de Requião como mais uma da coleção de bravatas do governador. Mas instado por seus advogados, ouviu constitucionalistas e decidiu responder, afinal, à declaração de Requião de que gostaria de dar uns petelecos no deputado. Aí vão as suas ponderações:

“O governador Roberto Requião perdeu de vez a compostura, mas isso não vai me intimidar”, afirmou o deputado Valdir Rossoni (PSDB), líder da Oposição na Assembléia Legislativa, ao comentar a “ameaça” de Requião lhe dar uns ‘petelecos’ por causa das denúncias que fez envolvendo a compra superfaturada das televisões laranja.

“Essa ameaça pública é grave porque é endereçada ao líder da Oposição e feita pelo chefe do Executivo, um homem que detém poder de polícia”, disse Rossoni. “É um ataque a uma instituição importante, que é a Assembléia Legislativa, por isso será respondida à altura. Os advogados que atendem a liderança da Oposição tomarão todas as medidas cabíveis para o caso”, avisou o deputado.

“O que o governador Roberto Requião deveria fazer, e não fez, é enquadrar o responsável pela compra das televisões laranja que deu um prejuízo de pelo menos R$ 5 milhões aos cofres públicos” disse Rossoni. “Mais do que ‘petelecos’, Requião deveria demitir, responsabilizar e prender o responsável por essa compra, além de obrigá-lo a ressarcir os cofres do estado”.

“A oposição demonstrou, com provas, que a compra do lote de 22 mil aparelhos cor de laranja por R$ 18,9 milhões pela Secretaria da Educação foi superfaturada. A Secretaria da Educação, comandada por Maurício Requião, irmão do governador, comprou os televisores da Cequipel (maior doadora da campanha para reeleição de Requião) por R$ 860,00 a unidade. Comprei uma televisão idêntica e ainda melhor equipada (com DVD) por 739,00”, recordou Rossoni.

“A perda da compostura do governador já vem acontecendo há muito tempo”, prosseguiu Rossoni. “A população não entende como um governo, que vive batendo no peito proclamando a própria honestidade, pode estar no centro de tantos escândalos envolvendo prejuízos enormes ao patrimônio público sem tomar nenhuma providência”, concluiu o deputado.


2 comentários

  1. jango
    quarta-feira, 26 de dezembro de 2007 – 20:10 hs

    É lamentável a situação de subserviência da maioria dos deputados aos ditames do governador. Apoio, elementarmente, não deve significar subserviência. Deputados que viajam com o governador para missões inúteis. Leis enviadas pelo governo que são aprovadas e cassadas logo depois pela Justiça. Denúncias sérias de irregularidades em atos e contratos do governo que não são apuradas. Orçamento estadual deficitário, violando a lei de responsabilidade fiscal, cuja apuração não se concretizou. Uma série de deputados que não comparecem às seções e recebem integral. Passivo bilionário para o erário público em ações judicias perdidas pelo Estado contra o pedágio submetido ao silêncio de inocentes e de culpados. Não fosse a oposição responsável de alguns deputados e estaríamos presenciando, não o poder legislativo, mas um serviço ancilar do executivo. Até quando vamos tolerar e continuar votando em candidatos que depois de assumirem seus cargos não cumprem a essência do mandato nem as leis e a Constituição do Estado ? Vamos tão só e exclusivamente continuar pagando a conta do mau governo? Concorre também para este estado de coisas (com exceções) a anemia profunda das demais autoridades ditas de controle público (Assembléia Legislativa, Tribunal de Contas, Ministério Público) que cheias de prerrogativas, régios salários pagos pelo povo e calhamaços de leis e normas não põem cobro aos descalabros do governo. Este caso da Cequipel já poderia estar enquadrado, mas parece que as ditas autoridades de controle público são lépidas e ligeiras somente para as suas beneses não para os encargos, para os ossos do ofício, para o enfrentamento do poder, pois são servidores públicos, pagos pelo povo, para, em seu nome, zelar pela moralidade e legalidade públicas. Ainda bem que temos exceções a este quadro de quase falência institucional. Apoio total ao deputado Rossoni e aos demais que honram seu mandato em favor do povo que os elegeu.

  2. silva sáurio
    quinta-feira, 27 de dezembro de 2007 – 22:48 hs

    gente, que que é isso ! Esse Sr. Rossoni,

    hoje grande opositor do Sr. RR, ontem era “pau pra toda obra” do Sr. JL, já se esqueceram ? Que memória, hein ?

    Na era JL, era o seu líder na ALEP e pra ele não existia homem mais certo do que o governador.

    Ou seja, liderou na ALEP e sem pestanejar todas as maluquices do Sr. JL, que no Paraná era o experimentador das maluquices do (neo) liberal FHC.

    Em suma: faltou pouco para que destruissem o PR, assim como o Sr. FHC fez com o Brasil, com suas privatizações, que só serviram para pagar os juros da dívida externa e nada mais (ou seja, viraram pó).

    Gente, acorda ! O que este Sr. critica hoje, fazia e/ou apoiava ontem ! Ôlho nele !!!!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*