Na mão de Requião | Fábio Campana

Na mão de Requião

Requião não abre mão de controlar pessoalmente os gastos de R$ 30 milhões em propaganda que somará a outros R$ 40 milhões de verbas das estatais (Copel, Sanepar, Detran). Os R$ 70 milhões serão liberados com a sua assinatura e após análise de um conselho operacional do qual fazem parte os empresários Eviton Machado e Luís Mussi.

A idéia é evitar dispersão de recursos e problemas graves como o que aconteceu na liberação irregular de verbas de propaganda na Sanepar.


4 comentários

  1. caio brandao
    terça-feira, 18 de dezembro de 2007 – 13:14 hs

    A medida é boa. Tenho certeza de que o Boscardin, na Copel, vai adorar esse controle direto do Governador, principalmente no tocante aos gastos com as produtoras paranaenses.

  2. jango
    terça-feira, 18 de dezembro de 2007 – 17:33 hs

    Esses 70 milhões são um escândalo quando se sabe que é dinheiro público não para a “publicidade” permitida pela Constituição mas sim para pura “propaganda política”. A propósito, fala-se destes 70 milhões como se já fosse para esquecer o que aconteceu com os outros milhões gastos irregularmente por este governo e que até o momento, apesar de notas e notícias, as ditas autoridades de controle pública cheias de prerrogativas, régios salários pagos pelo povo parananense, calhamaços de leis e normas não se dignaram prestar contas das medidas tomadas para apurar as irregularidades e as responsabilidades denunciadas à saciedade pela mídia. Este é outro escândalo, a anemia profunda, o caráter insosso e inodoro destas ditas autoridades de controle público.

  3. J. A. REZZARDI
    terça-feira, 18 de dezembro de 2007 – 18:04 hs

    É triste ter consciência dos abusos e não poder fazer nada. E o pior é que eles (nem preciso nominá-los) sabem que nós não podemos fazer nada e que vão nos convencer com a força e a beleza da mídia bem produzida. Tudo que não vimos de positivo em três anos de desgoverno vamos ver em 2008. A a imprensa paranaense será que vai esquecer e, além de veicular a propaganda paga, vai começar a falar bem do Requião? É só o que falta, nénão?! Não creio, mas R$ 70 milhões nas mãos de um bom marqueteiro… hum!!!

  4. asdrúbal guimarães
    terça-feira, 18 de dezembro de 2007 – 23:28 hs

    O problema das faturas das agências de publicidade, sem querer individualizar, é que ninguém confere a quantidade de impressos, as peças de criação, e nem tampouco o número de inserções no rádio e na televisão. As inserções dos jornais são mais fáceis de conferir, porque vêm grampeadas nas faturas. O Tribunal de Contas precisa ficar atento, porq

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*