Escola de Chicago | Fábio Campana

Escola de Chicago

O deputado Valdir Rossoni se disse impressionado com a confissão de Requião de que é seguidor da Escola de Chicago. Não a de economia, dessa Requião discorda em tudo. Mas da outra, a que ficou famosa em filmes sobre a vida americana nas primeiras décadas do século passado e teve como personagens Al Capone.

Quem revelou admiração pela máfia foi o próprio Requião na última sessão da escolinha, em suas bravatas contra o Banco Itaú e ao exibir-se para um ilustre visitante italiano.

Brincadeira ou não, há muita gente que já não leva o Duce a sério. Requião perdeu o que tinha de mais forte, a capacidade de convencimento ideológico. Hoje, sua palavra vale tanto quanto a do locutor e secretário Airton Pisseti.

Ou seja, Requião só convence os de casa e do auditório das terças e assim mesmo quando tem a borduna na mão. Ninguém, em sã consciência e com escolaridade mínima acredita em seu discurso de boas intenções


Um comentário

  1. CAPPO
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 – 9:44 hs

    Al Capone?

    Que pretensão!

    O Requião tá mais pra Collor, Renan e cia.

    Figura patética.

    O que? Ele se exibindo pro italiano da platéia.

    Será que o lado masculino do Requipotrão é gay?

    Perguntem aos motoristas, ou melhor, ao italiano…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*