Cheirou mal | Fábio Campana

Cheirou mal

Gente de alto coturno da magistratura sofreu mal estar, teve urticária, erisipela e outras reações do tipo diante da notícia de que os deputados Antonio Belinatti e Jocelito Canto teriam sido assediados pelo emissário de uma desembargadora que pretendia negociar senten-ças.

Desembargadores entendem que a representação feita na Corregedoria do Tribunal de Justiça deve se tornar pública e os deputados devem declinar o nome da desembargadora, para que não paire suspeita sobre todos os membros da instituição.


3 comentários

  1. jango
    sexta-feira, 28 de dezembro de 2007 – 19:59 hs

    O povo espera que cada um cumpra o seu dever. Só isso.

  2. Thomas
    sábado, 29 de dezembro de 2007 – 0:51 hs

    Posso perguntar, posso perguntar?
    Será que no MP do Paraná os Procuradores e Promotores andam todos certinhos?
    Responde aí, Campana.

  3. eduardo
    sábado, 29 de dezembro de 2007 – 8:19 hs

    estranho essa denúncia por parte do belinati, eis que mantem na asssem bléia uma aspone só para tais assuntos, e quando prefeito, pagou várias viagens internacionais para desembargadores e inclusive mantinha telefones celulares com conta livre, para um deles, conforme consta de documentaçaõ no MP de Londrina….no quesito transporte coletivo a situação era escandalosa…acho que o bila mandou uma e recebeu um não e partiu pro ataque para confundir, não dá para acreditar…e vc campana, sabe muito bem disso….escrevo pois sou réu em ações contra o ex prefeito de Londrina e o conchavo prejudica a justiça…e com certeza vai parar no CNJ com os fatos citados: voos da alegria para a europa, dois para a ásia, celular pago com o erário público em nome de laranjas, inclusive este que vos escreve para deleite de um desembargador…quem garante lisura no paraná contra um matuto como o belinati, dono de parte da UNOPAR, onde trabalham juízes e promotores de Londrina, pródigo em mesuras com o chapéu alheio com membros do judiciário, conforme amplas provas, belinati salvo …CNJ no TJ

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*