Antes só | Fábio Campana

Antes só

O PT dispensa a companhia do PMDB nas eleições municipais do ano que vem. Vai de candidatura própria na maioria dos municípios e não abre mão da cabeça de chapa nas cidades maiores.

O partido quer eleger no mínimo cem prefeitos para consolidar a base do lançamento de candidatura ao governo em 2010, quando irá à luta com face própria e, de preferência, sem carregar o fardo que é o desgaste da turma de Requião.

O ministro Paulo Bernardo é o virtual candidato do PT ao governo do Paraná. Ele confia no desempenho do governo federal na área econômica para respaldar a sua candidatura.

Bons resultados

De fato, 2007 termina como bom ano para a história do país. O crescimento econômico foi de 5,3%, melhorou a distribuição de renda, houve recorde de contratações e aumentou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), alçando o Brasil ao patamar de “alto desenvolvimento” e à condição de sexta economia do planeta pelo Banco Mundial, ao lado de países como França e Reino Unido.

A preocupação de Bernardo e dos dirigentes do PT nativo é a de que a população perceba o papel do governo Lula nessa performance da economia e no resgate da chamada dívida social através dos programas de proteção.

Paternidade

Há sentido nessa preocupação. Tem sido comum o governo estadual apresentar-se como único responsável pelos avanços nos programas sociais e pelas obras físicas realizadas no Paraná. Não há obra e não há programa que não tenha a participação e recursos do governo federal.

É por essa e outras do relacionamento com o governo Requião, que o PT da terra vai iniciar campanha para esclarecer o que é do César nativo e o que é de Lula. No ano que vem, vai detalhar tudo isso por municípios, para dar musculatura aos seus candidatos a prefeito.


2 comentários

  1. Rafael Mueller
    quinta-feira, 3 de janeiro de 2008 – 9:26 hs

    Fábio, o Brasil não é a sexta maior economia do mundo. Houve uma alteração nos critérios de avaliação os quais apresentaram, no percentual de participação na produção de riqueza no mundo durante 2007, apenas números inteiros. Assim, quem ficou nas casas decimais abaixo de 0,50, teve o percentual arredondado para baixo, enquanto quem teve 0,50 ou mais, teve o resultado arredondado para cima. Só para exemplificar: o PIB brasileiro representou 2,88% das riquezas produzidas em todo o mundo em 2007, enquanto o Reino Unido teve participação de 3,46% no mesmo período. Com o arredondamento os dois ficaram com 3% da participação. Ocorre que para pular de 2,88% para 3,46% é preciso acrescentar 20% ao tamanho de nossa economia! Colocando os números nos seus devidos lugares ao Brasil coube o “honroso” décimo posto da economia mundial, ou seja, um abaixo daquele obtido anteriormente.

  2. emerson palhares
    sexta-feira, 7 de maio de 2010 – 19:43 hs

    quem le esta reportagem redicula, tem que saber que as coligações que o PMDB fez com o pt, sempre favoreceram somente o pt !

    apoiaram o vanhoni, e perderam pessoas importantes, deixaram muita gente boa esquecida para beneficiar o pt !

    se na politica existir diversas ‘ alas”, serei eu da ala que é contra coligação !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*