Tarifaços | Fábio Campana

Tarifaços

Saibam todos que 43% dos consumidores da Sanepar pagam tarifa mínima, sem medição de consumo, e pagam muito mais do que deveriam. Mais grave é saber que nessa faixa estão os consumidores mais pobres. Nem por isso a Sanepar quer acabar com a tarifa mínima, como propõe o deputado Augustinho Zucchi.


3 comentários

  1. João Gustavo Nadal
    terça-feira, 20 de novembro de 2007 – 14:55 hs

    De outro lado: extinta a tarifa mínima, as tarifas proporcionais ao consumo necesariamente sobem (1); e invariavelmente a conta sobra para quem consome além do mínimo (2).

    A construção e manutenção de estações de captação e tratamento, de sistemas de distribuição de água, e de uma rede de coleta de esgoto tem um custo considerável.

    A tarifa mínima é imprescindível para que o custo desse sistema seja o menor possível para cada usuário.

  2. José Carlos
    terça-feira, 20 de novembro de 2007 – 14:57 hs

    Meu velho pai já dizia: “desculpa e bunda, todo mundo tem…”

  3. João Gustavo Nadal
    terça-feira, 20 de novembro de 2007 – 16:22 hs

    Para constar: meu comentário anterior não é o de um altruísta desinteressado.

    No edifício em que resido as unidades autônomas não tem hidrômetros individuais, sendo o consumo de todos os moradores tarifado de globalmente.

    Extinta a tarifa mínima, eu e os demais consumidores em situação análoga é quem pagaremos a conta.

    Um detalhe: todos os moradores do edifício em que resido contam, na estatística apresentada, como apenas um consumidor, eu aposto.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*