Polícia e escola | Fábio Campana

Polícia e escola

O fato ocorrido esta semana no Colégio Estadual do Paraná, em que a Patrulha Policial é chamada para prender alunos que fizeram bagunça, precisa ser pensado a partir de uma outra lógica. É preciso abandonar a posição autoritária e lembrar da história da juventude. Para quem não estiver acostumado a pensar historicamente, uma retomada na sua própria história basta para que episódios de bagunças com colegas e amigos de juventude sejam recordados.

Se há necessidade de disciplina escolar, também não podemos esquecer que a bagunça reforça a sociabilidade dos jovens. Quero dizer que a bagunça tradicional marca nossa memória de jovens em tempos fortes de vida coletiva, e exprime e reforça a integração do grupo escolar ao lhe dar consciência de sua unidade. Este extravasamento iniciático tem uma função social, assegurando a coesão do grupo e a socialização escolar. Ninguém que tenha memória ou conheça a cultura coletiva de nossos jovens alunos teria a idéia de chamá-la de violência.

Por Denise de Camargo


2 comentários

  1. Claudio
    sexta-feira, 9 de novembro de 2007 – 22:24 hs

    Vinte anos depois, Álvaro Dias ainda é lembrado por ter soltado os cavalos em cima dos porfessores. Alguma semelhança nos dois episódios?

  2. Claudio
    sexta-feira, 9 de novembro de 2007 – 22:25 hs

    Vinte anos depois, Álvaro Dias ainda é lembrado por ter soltado os cavalos em cima dos professores. Alguma semelhança nos dois episódios?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*