Pior que o soneto | Fábio Campana

Pior que o soneto

Ao explicar porque a despesa do governo Requião com viagens chega a R$ 210 milhões, o chefe da Casa Civil, Rafael Iatauro, revelou outro numero surpreendente, o do espantoso crescimento do quadro de funcionários do Estado.

A emenda foi pior que o soneto. Iatauro revelou que o número de servidores estaduais saltou de 90 mil em 2003, quando Requião tomou posse, para 160 mil hoje. Um acréscimo de 77%, recorde nacional.

O deputado tucano Valdir Rossoni achou o número tão surpreendente que, em princípio, pensou que se tratava de um equívoco da Casa Civil. Foi conferir e constatou que era isso mesmo, Requião contratou mais 70 mil funcionários.

“Esses números revelam um inchaço da máquina nunca visto. Muito maior até mesmo que o promovido e pretendido pelo governo Lula na máquina federal”, diz Rossoni .

O líder da oposição na Assembléia diz que a informação de Iatauro permite compreender algumas deformações na administração estadual. O crescimento da folha de pagamentos e do custeio da máquina com a incorporação dessa massa de funcionários explica a falta de dinheiro para serviços públicos essenciais, como os de saúde, boa educação, habitação e segurança pública eficiente.

Rossoni ressaltou que a oposição tem o dever de fiscalizar o governo e apontar as falhas, na expectativa de que sejam corrigidas.

“Não é campeonato para saber qual governo cometeu mais irregularidades. Causa espanto saber que as comparações e explicações do governo vêm através de um ex-conselheiro do Tribunal de Contas”. Rossoni pergunta: por que Iatauro não fiscalizou e, se havia irregularidades, não tomou providências, na época em que era o responsável por fiscalizar as contas do governo?”, questionou.


Um comentário

  1. jeferson nascimento
    sábado, 20 de outubro de 2007 – 21:32 hs

    Realmente tem muita gente. Agora vejam quem é essa gente que assalta o Estado
    Começa pelo Iatauro, que colocou a sua namorada como conselheira da SANEPAR ganhando $20.000 por mês.
    É brincadeira?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*