Farra das ONGs | Fábio Campana

Farra das ONGs

Pasmem, senhores. O governo de Requião fez enorme cortesia com o chapéu alheio e deu para as ONGs nada mais nada menos que R$ 126 milhões neste ano da graça de 2007.

Nos anos de seu mandato anterior, Requião não foi menos pródigo com o dinheiro público. Tirou dos cofres do Estado outros R$ 384 milhões para dar às mesmas Ongs. “E não quer dizer onde está o ralo desse dinheiro”, protesta, indignado o deputado tucano Valdir Rossoni.

Em áreas palacianas onde os neurônios são rarefeitos estes números dos repasses às ONGS foram comemorados. Bela quantia para alegrar a turma, disseram os marqueteiros palacianos com as mãos calejadas de tanto bater palminhas para o chefe.

Por duas vezes os deputados de oposição inquiriram o governo sobre os gastos com ONGs: a primeira vez em 14 de agosto, a última em 16 de outubro. Não houve resposta.

A administração estadual se nega a informar quais entidades receberam R$ 384 milhões durante o primeiro mandato de Requião. Divulgar o CNPJ, então, nem pensar.

O governo Requião gastou com ONGs R$ 41,1 milhões em 2003; R$ 103,5 milhões em 2004; R$ 110,3 milhões em 2005; e R$ 129,1 milhões em 2006. Curva crescente, sim, senhor.

O ápice dos gastos foi no ano da eleição para governador que por poucos 10 mil votos não destronou o bolivariano do Cangüiri. Somando os quatro anos, o governo gastou durante o primeiro mandato R$ 384 milhões com ONGs e OSCIPS.

“Este balanço dos gastos com as ONGs é surreal”, diz Rossoni, que aguarda explicações do governo, se é que elas virão.

Por enquanto, o máximo que o líder do governo, deputado Luiz Cláudio Romanelli, consegue dizer é que o governo Jaime Lerner fez o mesmo. Cabe a pergunta: um erro justifica o outro?


Um comentário

  1. A Turma do Chávez
    quinta-feira, 25 de outubro de 2007 – 9:46 hs

    É o “MDB velho de guerra” (sempre com sotaque silvícola não se esqueçam – será que algum paranaense fala mesmo daquele jeito?)em ação…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*