Enquanto isso, na Rússia… | Fábio Campana

Enquanto isso, na Rússia…

 Deu na Reuters:

Um russo acusado pelo assassinato de 49 pessoas pediu a um tribunal na terça-feira que acrescente mais 11 vítimas a seu total, e contou ao júri que, quando estrangulou um homem pela primeira vez, foi como se fosse seu primeiro amor. Alexander Pichushkin, 33, funcionário de um supermercado, foi apelidado de o “assassino do tabuleiro de xadrez” pelos jornais russos, porque queria preencher cada uma das 64 casas do tabuleiro com uma moeda, uma para cada assassinato.

“O primeiro assassinato é como o primeiro amor. Não se esquece”, disse ele no tribunal, dentro de uma cela, ao explicar como começou a matar, aos 18 anos, com o assassinato de um colega. Pichushkin disse que sugeriu ao colega que eles matassem alguém, mas, como o amigo disse não, “mandou-o para o céu”. Em seguida, deu um sorrisinho para o júri. “Quanto mais próxima é a pessoa de você, quanto melhor você a conhece, mais prazeroso é matá-la”, disse ele. “Em todos os casos matei por um único motivo. Matei para viver, porque, quando se mata, se quer viver.”


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*