Contra Requião | Fábio Campana

Contra Requião

O estilo de ser e estar de Roberto Requião se torna dia após dia insuportável. Rico Requião? Mais que isso. A população reprova o jeito brucutu. Faz tempo, atestam as pesquisas recentes. Agora, são as entidades paranaenses que se mobilizam.

O PIB paranaense, leia-se o setor produtivo de Cascavel e da região, vai apelar para a Justiça. A acusação é grave. Roberto Requião está sendo acusado de estimular e financiar a invasão de terras no Paraná. A Subseção de Cascavel da Ordem dos Advogados do Brasil prepara a ação coletiva responsabilizando pessoalmente o governador por incitar invasões e criar clima de insegurança no campo e que no último dia 21 provocou duas mortes na reinvasão de área da Syngenta, em Santa Tereza do Oeste.

A assembléia aprovou outra decisão, também apresentada pelo presidente da Subseção da OAB, Luciano Braga Cortês: enviar uma ação de repúdio a Requião por desrespeitar o agricultor, o Ministério Público, todas pessoas que produzem e contribuem para o Paraná ser um dos principais estados do País e, principalmente, por ignorar as leis e a Constituição. Um vídeo apresentado no início da reunião mostrou reportagem na qual ex-integrantes de movimento sem-terra fazem acusações sobre a rotina de um assentamento no Oeste. Os líderes são acusados de tráfico de drogas, crime ambiental e porte de arma.

O presidente do Sindicato Rural Patronal, Nelson Menegatti, disse que inaceitável que o governo do Estado não proteja as pessoas de bem, não cumpra a lei e ainda incite a invasão de terra. “Precisamos urgentemente de uma intervenção no Estado, porque os agricultores precisam de paz e cumprimento das leis para trabalhar e produzir”. Oitenta e seis propriedades rurais estão invadidas no Estado, todas têm reintegração de posse expedida e nada é feito, informou o coordenador da Comissão Técnica de Política Fundiária da Faep, a Federação da Agricultura do Estado do Paraná, Tarcísio Barbosa de Souza.

O Judiciário, segundo Tarcísio, atende aos pedidos de reintegração prontamente, mas a ordem a quem cabe cumpri-la não é dada por Requião, que é o grande responsável por esse cenário de insegurança no campo no Estado. O diretor da Faep informou que há várias denúncias contra os movimentos ligados à questão agrária e contra o Incra, a quem acusou de ser “a imobiliária dos assentamentos”. O Paraná, lembrou Tarcísio é um Estado altamente produtivo, e aqui não há espaço para a reforma agrária. O advogado da Syngenta, José Bolívar Bretas, informou que o homem perdeu a noção de sua dignidade e da grandeza do seu destino.

“A Syngenta, como vítima desse processo, alinha-se à dor de todas as vítimas de um ato impensado”, disse Bretas. O presidente da Sociedade Rural do Oeste, Alessandro Meneghel, citou um autor de esquerda, o alemão Bertold Brecht, para ilustrar os excessos que a invasão de terras provoca. “Queremos bem alta a bandeira do Brasil e o que ela prega, ordem e progresso, respeitado”. O presidente do Sindilojistas, Edson Gruber, afirmou que não há como aceitar que um governador diga que “Graças a Deus eles existem” – referiu-se a uma frase de Requião sobre a Via Campesina. A postura dele (Requião) deixa a nós todos indignados, citou o presidente da CDL, Nilson Lehmkuhl.


3 comentários

  1. Garganta
    sexta-feira, 26 de outubro de 2007 – 16:09 hs

    “O Paraná, lembrou Tarcísio é um Estado altamente produtivo, e aqui não há espaço para a reforma agrária.” Hahahahahaha! Esse cara só pode ter bebido! Quer ser contra a invasão de terras? Tenha argumentos e não venha com falácia!

  2. Carlos Freitas
    sexta-feira, 26 de outubro de 2007 – 16:21 hs

    Agora cabe ao povo abrir o olho, exercitar a memória e chutar Requião para fora de todo e qualquer cargo eletivo na próxima eleição. EJECT REQUIÃO! Esse é slogan que lanço agora neste blog. Quem gostar, que passe a idéia para frente. Uma corrente. É a mais recente corrente do bem.

  3. Ferrolho
    sábado, 27 de outubro de 2007 – 22:44 hs

    “Graças a Deus eles existem”?

    E o Coisa Ruim acredita em Deus?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*