Não ofende | Fábio Campana

Não ofende

O distinto público que pensa nas despesas dos procuradores também deve pensar nas despesas das cavalgaduras que estão a serviço do lazer de Requião? Quanto custa, por exemplo, o batalhão da PM estacionado no Cangüiri só para cuidar dos cavalos da turma?


2 comentários

  1. Airton Brisolla
    quarta-feira, 5 de setembro de 2007 – 12:25 hs

    O necessário para que um chefe de estado conte com a segurança que o cargo exige. Quanto custa manter os Dragôes da Independencia em Brasilia ou a segurança do Palácio dos Bandeirantes? Com certeza, muito mais do que se gasta no Canguiri…

  2. jango
    quarta-feira, 5 de setembro de 2007 – 19:25 hs

    Ter segurança ainda é aceitável, agora usar o dinheiro do povo para pagar despesas de cavalos e deixar os servidores sem a revisão salarial devida por preceito constitucional e já contemplada na lei estadual 15.512 de 31/5/2007 é o escracho institucionalizado ! Outro passivo virá para o erário: a revisão salarial é NA MESMA DATA E NO MESMO PERCENTUAL para todos os servidores, até agora só os professores receberam … o resto está chapando o dedo enquanto os cavalos comem à farta. O salário tem notoriamente caráter alimentar, mas parece que para o Pinochaves só os cavalos merecem ser alimentados …

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*