Roteirista | Fábio Campana

Roteirista

Nem os hidrófobos apocalípticos do governo acreditaram muito nessa trama que narra uma armação para assassinar o governador Requião. Parece ter faltado talento e arte ao roteirista encarregado da peça. Agora a polícia terá que dar ares de veracidade ao trabalho de ficção.


Um comentário

  1. José Antônio Rezzardi
    quarta-feira, 1 de agosto de 2007 – 17:54 hs

    De tempos em tempos o “Ferreirinha” reaparece. Transformou-se em assombração na vida do Requião.
    Quem, em sã consciência, vai acreditar num boato desse? É mídia (que está faltando, claro!). Brigar com a imprensa dá nisso. E além do mais, matar um governador não é tão fácil assim, se fosse, a história já teria registrado uma porção, especialmente aqui no Paraná, nénão?!
    Podem criar outro factóide que esse morreu na casca.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*