Quem te viu, quem te vê | Fábio Campana

Quem te viu, quem te vê

Hoje de manhã, durante sessão na Assembléia Legislativa, o deputado Luiz Claudio Romanelli soltou o verbo a fim de relatar as delícias da viagem da trupê requiônica a Nova York. De repente, Elio Rusch, DEM, pede a palavra: “Quem te viu, quem te vê, hein Romanelli?”. Silêncio. Rusch retoma a verbalização: “Quando o Jaime Lerner colocou as ações da Copel na Bolsa de Nova York, o Requião falava que era o fim dos tempos, o apocalipse neoliberal. Agora, hein, o Requião vai lá bater o sininho”. Romanelli volta a falar. Conta vantagens e mais vantagens de um governo baseado na Carta de Puebla, na opção preferencial pelos mais pobres e de um governo que pratica austeridade fiscal.


2 comentários

  1. jango
    quinta-feira, 2 de agosto de 2007 – 21:02 hs

    Povão bão do Paraná, invoco Ulysses Guimarães, o Sr. Diretas Já, para acabar com essas delícias: “Há uma urna no fim do túnel”. Percebem ?

  2. Cadão
    sexta-feira, 3 de agosto de 2007 – 16:22 hs

    Nunca na história do Brasil se viu gestão tão fascista, autoritária e antidemocrática como esta do Bob Rek. Que o futuro tenha piedade de nós.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*