Pugliesi x Pugliese | Fábio Campana

Pugliesi x Pugliese

A decisão da juíza Renata Maria Fernandes Sassi, de Arapongas (Norte do Estado), reconhecendo a nulidade do contrato entre o Município e o Banco Santander, colocou mais pimenta na relação do deputado Waldyr Pugliesi, líder do PMDB na Assembléia e seu sobrinho, o prefeito de Arapongas, Beto Pugliese. Quando era prefeito, Pugliesi (o tio) colocou as contas dos servidores municipais em bancos oficiais (Banco do Brasil, Caixa Econômica e Banestado). Com a ascensão de Pugliese (o sobrinho), as contas foram transferidas para banco privado. “É por esta e outras que existe uma rota de colisão entre tio e sobrinho”, destaca um correligionário do deputado.


2 comentários

  1. Beto Sercomtel
    sexta-feira, 24 de agosto de 2007 – 18:35 hs

    Sei não. Essa história de briga entre tio e sobrinho não cheira bem. Eu, de minha parte, eu que vivo aqui na região norte, não acredito. E vocês curitibocas, botam fé?

  2. terça-feira, 22 de dezembro de 2009 – 14:36 hs

    Certa vez li uma cronica sobre a República dos Sobrinhos. E ao que me recordo ilustre de forma espetacular as diferenças entre criador e criatura. Estou certo de que o Waldyr pensará mil vezes antes de apresentar ao povo de Arapongas um sobrinho aspirante a político. Efetivamente as diferenças são extremas entgre tio e sobrinho, indo da ideologia à ausência dela e, o aspecto mais grave reside na diferença de variação patrimonial que se verificará ao final das gestões e já é alvo de apuração pelas autoridades competentes. Só espero que o nosso prestigiado Deputado, intocável em seus dircursos e atos não nos indique – nunca mais – um sobrinho para candidato. Pois tal fato nunca serviu como referencia.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*