Beco sem saída | Fábio Campana

Beco sem saída

A quinze meses das eleições, o prefeito Beto Richa recebe consistente aprovação de sua administração, segundo o instituto Paraná Pesquisas.

Richa tem a aprovação de 78% dos curitibanos, enquanto apenas 17% desaprovam a sua gestão. No outro lado da praça, Requião vive situação diversa. 40% dos entrevistados são categóricos: desaprovam o seu governo.

Lula obtém desempenho ainda mais magro, com apenas 51% de aprovação e 45% de desaprovação, um empate técnico. A saúde administrativa do prefeito se reflete diretamente nas intenções de voto, também apuradas pela pesquisa.

Em quatro cenários diferentes, Richa aparece disparado em primeiro lugar, com percentuais que variam de 48% a 51% das intenções de voto. Em segundo lugar aparece Rubens Bueno, com percentuais que variam de 9,5% a 10,5%. Em terceiro, a mais provável candidata do PT, Gleisi Hoffmann, cujos percentuais variam de 8,5% a 9%. No cenário em que ela é substituída pelo deputado Tadeu Veneri, o PT alcança apenas 3%.

O levantamento comprova, mais uma vez, que o PMDB está num beco sem saída. O pré-candidato com o melhor índice de intenção de voto é o ex-prefeito Rafael Greca, que atinge 6,5% – também foram testados Carlos Moreira (1%), Stephanes Júnior (3%) e Dra. Clair (4%). No entanto, Greca é também o campeão da rejeição. Pasmem, 35% dos eleitores disseram que não votam de jeito nenhum no ex-prefeito.

As demais candidaturas submetidas aos 914 entrevistados da pesquisa não ultrapassam a barreira dos 4,5%. Fábio Camargo, Carlos Simões, Ratinho Júnior e Osmar Bertoldi devem repensar suas ambições eleitorais antes de mergulhar numa campanha que promete desde o início ser polarizada entre Beto Richa e Gleisi Hoffmann.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*