Sempre certo | Fábio Campana

Sempre certo

Vento Oeste
 
Sexta-feira de canetaço. Assim foi hoje em Cascavel, região Oeste, o dia do Requião. Ele assinou três termos de compromisso com o governo federal para elaboração de projetos técnicos de implantação e recuperação de agroindústrias, de readequação de estradas e de prestação de assessoria técnica, social e ambiental em assentamentos do Paraná.
 
R$ 12,3 milhões
 
Os acordos somam investimento de R$ 12,3 milhões e foram oficializados durante a 6.ª Jornada de Agroecologia, que começou quinta-feira (12), na Unioeste sob a alcunha “Cuidando da Terra, Cultivando a Biodiversidade e Colhendo Soberania Alimentar”.

O “agroecólogo”

Requião acredita, mesmo, que o canetaço dos três termos de compromisso é demonstração inequívoca de que o governo tem como uma de suas principais diretrizes políticas o fortalecimento da agroecologia. “A agroecologia é a contraposição ao agronegócio. Agroecologia é a vida solidária e sustentável no campo. O agronegócio é o negócio das transnacionais, com o Brasil sendo transformado num quintal, onde existe desemprego e o lucro dos poderosos”, discursou, emocionado.

Só pensa naquilo

Requião, movido pela sua idéia fixa, aquela de combater os transgênicos, aproveitou a oportunidade e carimbou a soja transgênica. “As transnacionais tinham 0,7% de transgênicos no Paraná. Na safra do ano passado, eles forçaram muito e subiram para mais de 45%. Mas, este ano, a Secretaria da Agricultura, através do Deral (Departamento de Economia Rural), já informa que o plantio caiu para menos 10%. O agricultor está tomando consciência de que plantar soja e estabelecer monopólio das multinacionais do setor é uma bobagem e está voltando para a soja convencional”, proclamou, entusiasmado, Requião.

A idéia fixa continua

Requião, para embasar a sua prosa contra a transgenia, lembrou que o plantio de transgênicos foi proibido em vários países. “Começou pela França e Inglaterra. Depois, a Suíça, que depois de uma grande discussão, realizou plebiscito e proibiu o plantio. Nós vimos dentro do País, no Paraná, as cooperativas ligadas às tradings venderam a idéia de que os transgênicos seriam a salvação da lavoura. Não era. Nunca se projetou o trangênico para aumentar a produção. A produção foi caindo e o mundo rejeitando as sementes transgênicas”, ensinou Requião.
 
Sempre certo
 
Requião se empolgou e garantiu que o produtor paranaense está tendo consciência de que o governo estava certo ao defender os interesses de médio e longo prazos e que a ganância das tradings e de algumas cooperativas não interessava aos agricultores do Paraná. “Essa é uma guerra vencida pelo produtor, pelo governo do Estado e pela soja convencional”, pontuou.


2 comentários

  1. REQUIÃO FÃ CLUBE
    sexta-feira, 13 de julho de 2007 – 20:16 hs

    REQUIÃO SEMPRE TEM RAZÃO

    Infelizmente acho quer Requião já perdeu esta briga pelos transgenicos, mas ele fez a parte dele tentando defender a saude do povo e alvoura do Paraná contra a máfia que só pensa nos lucros do soja…
    No futuro irão dizer:
    É REQUIÃO TINHA RAZÃO, mas daí vai ser tarde demais…
    É uma pena que tão poucos homens como Requião consigam enxergar alem do presente e alem dos interesses do vil metal.

  2. ALBERTO MELO VIANA
    sábado, 14 de julho de 2007 – 20:01 hs

    NESTE ASSUNTO ESTÁ CERTÍSSIMO O REQUIÃO.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*