É vendaval | Fábio Campana

É vendaval

Bastou uma pesquisa de opinião para que o governador Roberto Requião mudasse o discurso e maneirasse no tom de voz. Saiu-se mal. Ficou nos 15%. A partir de agora, dizem os marqueteiros preferidos do Duce, é apostar na agenda positiva. Ostentar prosperidade, vender o futuro melhor.

Diante do distinto público, Requião é só paz e amor. No escurinho do gabinete e das reuniões do secretariado continua o mesmo. Bate, xinga, ameaça, roga pragas. Para os íntimos reserva a bile que a opinião pública demonstrou querer ver distante, bem longe da figura do administrador público sério, capaz de tirar o estado do buraco.

Ora, se o Duce ainda bate na imprensa, diminuiu a intensidade. Tanto é assim que hoje na Terça Insana, maneira carinhosa encontrada pelo cartunista Solda de nomear a escolinha nossa de cada semana, Requião lança o PAC “Made in Paraná”.

Deputados de oposição lembram que o governo não tem dinheiro em caixa para bancar sozinho um PAC local. “O mais provável é que o governador divulgue parcerias com o governo federal e surfe na onda, e na verba, de Brasília. Dinheiro na mão é vendaval, vocês sabem”, repetem os oposicionistas. “Talvez o governo Requião, via Cohapar, administre verbas do PAC federal. E só”, raciocina Reni Pereira, do PSB.

Ainda mais na semana em que a análise das contas do governo será divulgada em reunião extraordinária do Tribunal de Contas, marcada para sexta-feira, às 10h. O mesmo Tribunal que condenou as contas da TV ParanáEducativa e solicitou a devolução de R$ 1,5 milhão aos cofres públicos.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*