Cida fortalece parcerias com candidatos da Amusep

unnamed

A candidata à vice-governadora na chapa de Beto Richa, deputada federal Cida Borghetti, reuniu-se na manhã de quinta-feira (24) com candidatos a deputado estadual e federal da região Noroeste (Amusep). “Este é o palanque que vai falar em favor do Paraná, que vai ajudar o Paraná a continuar no rumo certo, crescendo e se desenvolvendo. Temos muito a contribuir, vou carregar minhas bandeiras em defesa da mulher, da atenção à criança, pela saúde preventiva e todos vocês fazem parte dessa caminhada rumo à vitória do Paraná que acredita”, disse ao agradecer o apoio dos 17 partidos que formam a coligação “Todos Pelo Paraná”.

Cida também apresentou os coordenadores da campanha na região aos candidatos: o ex-deputado estadual Joel Coimbra e o coordenador da Região Metropolitana de Maringá, João Carvalho Pinto. Joel Coimbra destacou que será uma campanha pautada em propostas e construída com muita união e participação de todos. “Vamos fazer uma campanha muito forte, estarei à disposição de cada candidato para o que for preciso. Estamos aqui para colaborar pelo sucesso dos nosso candidatos à Assembleia, Câmara e do governador Beto Richa, da vice Cida Borghetti e do senador Álvaro Dias”.

Aumento da luz é culpa do governo federal, diz Globo

A TV Globo prestou um bom serviço aos brasileiros ao mostrar, de forma didática, em matéria do Jornal Nacional a responsabilidade de cada ente federado (Estado e União) na questão do reajuste das tarifas de energia elétrica.

para incorporar

Band, RIC e RPCTV marcam debates do 1º turno das eleições

unnamed

Os candidatos ao governo do Paraná já têm três datas marcadas para debater suas propostas nas emissoras de tevê aberta. O primeiro debate será no dia 14 de agosto, na Band. A RIC anunciou que o seu debate no primeiro turno será no dia 26 de setembro. E a RPCTV fará o último encontro entre os candidatos antes do primeiro turno no dia 30 de setembro. A legislação eleitoral obriga as emissoras a convidar candidatos filiados a partidos com representação no Congresso Nacional. Se enquadram nesta categoria Beto Richa (PSDB), Gleisi Hoffmann (PT), Roberto Requião (PMDB), Bernardo Pilotto (PSol), Ogier Bucchi (PRP) e Túlio Bandeira (PTC). Ficariam de fora Geonísio Marinho (PRTB) e Rodrigo Tomazini (PSTU).

No debate da Band, os oito candidatos vão participar. Serão duas horas e meia em quatro blocos. Nos três primeiros os candidatos fazem perguntas entre si. Os temas são livres. Cada pergunta terá duração máxima de 30 segundos, cada resposta de até dois minutos, réplica de um minuto e tréplica de 30 segundos. Em cada bloco cada candidato só pergunta e só responde uma vez. O quarto bloco é reservado para as considerações finais. “Isso torna o debate muito mais dinâmico, muito mais rápido, os candidatos têm a chance de escolher para quem perguntar, o que torna o programa muito mais emocionante e atraente para quem está em casa”, defende o jornalista e mediador Fabrício Binder.

Gleisi reforça preconceito contra os paranaenses e tenta evitar ligação ao PT

unnamed

“O Paraná é um Estado com menos ousadia em relação à mudança. É um eleitor que procura sempre conservar o que já tem”, disse Gleisi Hoffmann (PT) ao Valor Econômico, em relação a rejeição à presidente Dilma Rousseff (PT) no Estado. O jornal relata que Gleisi lançou sua campanha com a presença de Dilma, do ex-presidente Lula e do seu sucessor na Casa Civil, Aloizio Mercadante, mas evita marcas tradicionais do PT, como a estrela e a cor vermelha. “Estou como candidata de uma coligação, não se trata de reagir a uma rejeição ao PT”, escamoteou.

Entre os fatores conjunturais que prejudicam o PT no Paraná, está o escândalo que envolveu este ano o deputado André Vargas. O parlamentar responde a um processo de cassação na Câmara dos Deputados em função de suas relações com o doleiro Alberto Youssef e de um possível tráfico de influência no Ministério da Saúde. Vargas era vice-presidente da Câmara e tentava ser candidato ao Senado na chapa de Gleisi ao governo. “É óbvio que o caso dele tem impacto na campanha aqui no Paraná. Qualquer denúncia sempre reforça o sentimento popular contra os políticos e ele tinha militância no PT há muito tempo”, disse Gleisi.

Romper o cerco

Ilimar Franco, O Globo

O candidato Eduardo Campos (PSB) quer romper a briga entre o bem e o mal, patrocinada por PT e PSDB. E faz campanha propositiva. Campos já se comprometeu a construir quatro milhões de moradias, investir 10% da receita bruta da União na Saúde e instituir a escola em tempo integral. Sua estratégia é oferecer mais para os eleitores. Para o socialista, o país não corre o risco da terra arrasada nem da volta ao passado.

Quem segura a
língua de Requião?

O coordenador da campanha do senador Roberto Requião (PMDB), o ex-deputado Hermas Brandão já disse que é difícil “segurar a língua dele (Requião)”. E não deu para segurar mesmo. Em entrevista à rádio Caiçara FM, de Piên, Requião, disse que o PT e sua candidata, Gleisi Hoffmann, estão carregando o fardo de ter entre seus quadros o ex-assessor de Gleisi, Eduardo Gaievski, acusado de estupro de 32 menores, e também do deputado André Vargas, acusado pela política de ligação com presos da operação Lava Jato.

Alvaro Dias é favorito
para o Senado

Segundo pesquisa do Instituto Visão/Jornal Impacto, em Curitiba, o senador Álvaro Dias seria reeleito com 50,5% dos votos. Contra 6,8% de Marcelo Almeida, do PMDB, e 5,9% do comunista Ricardo Gomyde.

E há 29,2% dos curitibanos ainda não sabem em quem votar para o Senado.

Rejeição do PT derruba Dilma Rousseff

Dilma-Temer-Renan-Wilson-Dias

Presidentes de siglas aliadas aconselharam a presidente Dilma a descolar sua imagem do Partido dos Trabalhadores na campanha pela reeleição em alguns Estados. Em reunião no Palácio da Alvorada, dirigentes alertaram que o PT enfrenta forte rejeição, o que respinga no desempenho eleitoral da candidata petista. Os partidos cobraram a descentralização de coordenações regionais, muito controladas pelo PT.

Os dirigentes recomendaram que Dilma se apresente como candidata não só do PT, mas de nove grandes partidos, com representatividade.
No encontro, Dilma reclamou de ação orquestrada para criar pessimismo no País, primeiro com apagão e, agora, com a Copa e a crise econômica. Para estancar as queixas por mais participação na campanha, Dilma marcou nova reunião com presidentes aliados para a próxima terça. A equipe de campanha apostará na comparação entre 12 anos da gestão petista e os oito de FHC. O PT garante que todos os índices melhoraram.

Perda de confiança se espalha e dificulta recuperação da economia

Miriam Leitão

Nesta quinta-feira, o FMI reduziu sua expectativa de expansão do PIB brasileiro, agora em 1,3%. No mesmo dia, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) cortou sua projeção para o crescimento da economia de 1,8% para 1%. De maneira generalizada, quem trabalha com projeções para a atividade econômica as têm revisado para baixo, sejam bancos ou consultorias, instituições públicas ou organizações de classe. A deterioração do cenário tem como base os próprios dados da economia. Mas, quando começa a abalar a confiança dos agentes, dificulta ainda mais a recuperação da atividade.

A CNI esperava, em abril, que o investimento avançasse 2,5% esse ano. Três meses depois, a projeção para a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) passou a ser de recuo de 2%. O problema está na confiança do empresário, alerta a entidade.

Leia Mais »

Dilma é rejeitada por
46% dos curitibanos

Dilma-Rousseff-2013-02-size-598

De acordo com a Instituto de Pesquisa Visão, 46,2% dos curitibanos não votariam de jeito nenhum em Dilma e 12,1% rejeitam Aécio. Campos não teria o voto de 3,6% dos eleitores da capital paranaense. O instituto entrevistou de segunda-feira (21) até hoje (24) 1.067 eleitores curitibanos. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná sob os números BR-0240/2014 e PR-0004/2014.

Empreiteira que suspendeu obras da Unila tem misteriosas ligações

unnamed

A notícia ganhou destaque hoje na imprensa nacional nas páginas da Folha de S. Paulo. A Unila teve a construção de sua sede, em Foz do Iguaçu, paralisada no mês passado. As empreiteiras Mendes Junior e Schahin, consórcio construtor, pede a renegociação do contrato, que diz estar subestimado. O contrato já foi aditivado em R$ 13,9 milhões – passou de R$ 241 milhões para R$ 282 milhões após sete aditivos – e apenas 40% das obras estão concluídas. A Unila devia ser inaugurada neste ano, mas pelo jeito a entregue será entregue em 2016.

Agora, numa rápida busca no Google, é possível identificar a empreiteira Schachin envolvida na operação Lava Jato da Polícia Federal. Ainda neste ano, a imprensa relatou que o grupo Schahin, de Salim Schahin, obteve contratos de R$ 10 bilhões com arrendamentos de plataformas para a Petrobras e que a empresa cresceu junto à estatal depois negociação intermediada pelo publicitário Marcos Valério, segundo o mesmo afirmou em depoimento secreto ao Ministério Público.

Leia Mais »

Em Curitiba, Beto
na frente, seguido de Requião e Gleisi

beto-requião-gleisi

O Instituto Visão divulgou pesquisa encomendada pelo Jornal Impacto que mostra o governador Beto Richa em primeiro lugar, com 31,8% das intenções de voto. Em segundo lugar aparece Requião, do PMDB, com 30,6%, e em terceiro Gleisi Hoffmann, do PT, com 17,5%.

Bernardo Pilotto (PSOL) 1,7%, e Túlio Bandeira (PTC), Ogier Buchi (PRP), Geonísio Marinho (PRTB) e Rodrigo Tamazini (PSTU) com menos de 1%, 16,3% dos entrevistados em nenhum/branco/nulo.

Leia Mais »

Alberto Youssef sofre problema cardíaco e vai para o hospital

O doleiro Alberto Youssef teve um problema cardíaco e está sendo transferido neste momento, pelo SAMU, da carceragem da PF para um hospital.

Sucesso de Dilma deteriora economia, diz Santander a clientes ricos

De Fernando Rodrigues, Uol:

O Banco Santander enviou neste mês de julho de 2014 aos seus clientes de alta renda um texto afirmando que o eventual sucesso eleitoral da presidente Dilma Rousseff irá piorar a economia do Brasil.

A análise foi impressa na última página do extrato dos clientes na categoria “Select”, com renda mensal superior a R$ 10 mil. Diz que se Dilma melhorar nas pesquisas de intenção de voto, os juros e o dólar vão subir e a Bolsa, cair.

O texto vem sob o título “Você e seu dinheiro” e orienta os clientes do Santander: um cenário eleitoral favorável à petista reverterá “parte das altas recentes” na Bolsa.

Eis a reprodução do extrato:

santander

Reprodução

Leia Mais »

Doleiro é alvo de 5ª ação da Lava Jato

youssefgeraldomagelaae60030012006

De Fausto Macedo, Estadão:

A Justiça Federal no Paraná abriu nesta quinta-feira, 24, novo processo criminal contra o doleiro Alberto Youssef, alvo da Operação Lava Jato, desta vez por operação irregular de instituição financeira e evasão de divisas no valor de US$ 78,2 milhões mediante 1.114 contratos de câmbio fraudulentos envolvendo duas empresas offshore.

Para executar a fuga de capitais, segundo a Procuradoria da República, Youssef celebrou, por meio de operadores, contratos de câmbio para pagamento de importações fictícias.

Leia Mais »

Segundo Enio Verri, Beto está em primeiro

A campanha de Gleisi Hoffmann (PT) não acredita na trégua sinalizada pelo senador Roberto Requião (PMDB) para evitar ataques à petista. “Nunca houve acordo entre nós, só existe uma vaga e ele (Requião) será tratado com respeito, como adversário”, disse Enio Verri, coordenador de Gleisi, ao repórter Narley Resende do Bem Paraná. “É evidente que o principal adversário é sempre do atual governo ou quem está em primeiro lugar nas pesquisas – por enquanto é o Beto Richa”, completou o presidente do PT que garante que não há determinação para amenizar críticas como houve no lado do PMDB.

A Gleisi carrega nas costas os escândalos do PT, dispara Requião

unnamed

“A Gleisi carrega todos os escândalos do PT nas costas”. A alfinetada é do senador Roberto Requião (PMDB) ao justificar, em entrevista ao repórter César Felício do Valor, a alta rejeição do PT e seus candidatos em solo paranaense. Ele se referia ao escândalo envolvendo o deputado federal André Vargas (sem partido-PR) e sua relação com o doleiro Alberto Yousseff, que permanece preso na PF.

Na lista de escândalos se inclui ainda, além do mensalão que abalou o primeiro Governo Lula, a nomeação por indicação de Gleisi, quando ainda era ministra-chefe da Casa Civil, do ex-prefeito de Realeza, Eduardo Gaievski, preso apontado como autor de uma série de estupros de adolescentes e a vulneráveis, com menos de 14 anos.

Leia Mais »

Debate na Band

2704debate band

A Band de Curitiba acaba de informar pelas redes sociais que o primeiro debate entre os candidatos ao governo do Paraná acontece no dia 14 de agosto,

“Os representantes dos oito candidatos ao Governo do Estado do Paraná, estão reunidos com a direção da Band em Curitiba, para discutir as regras do primeiro debate desse ano, que será transmitido ao vivo, dia 14 de agosto, uma tradição democrática da emissora.”

Dias contados para mandato de Vargas

2704andre vargas

O relator do processo contra o deputado André Vargas (sem partido-PR) no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), garantiu que vai apresentar o seu parecer no próximo dia 5 de agosto, no período em que a Câmara fará uma semana de esforço concentrado. Segundo Delgado, se tiver quórum (11 deputados, no mínimo), o conselho vai deliberar sobre o seu relatório. O prazo para ouvir testemunhas e realizar diligências acaba na próxima terça-feira. As informações são do Jornal do Brasil.

Nesta quinta-feira, o capitão da Marinha Paulo Ricardo de Souza e Souza negou qualquer irregularidade em parceria do Ministério da Marinha com o laboratório Labogen, que produziria medicamento contra hipertensão para o Sistema Único de Saúde (SUS). Souza é testemunha indicada pela defesa no processo contra Vargas.

Leia Mais »

Acabou a lua de mel de cicloativistas com Fruet

2704ame ou deixe

De Alexandre Costa Nascimento, no blog Ir e Vir de Bike, da Gazeta do Povo:

O clima de lua de mel entre os ciclistas de Curitiba e a administração pública municipal azedou e está dando lugar a uma séria discussão de relacionamento (DR) entre as partes, com prenúncio do que pode vir a ser um divórcio definitivo.

Isso porque, as promessas e juras de amor eterno, simbolizada pelo prefeito simpático à causa e que foi tomar posse de bicicleta, não se converteram, até o momento, em ações práticas que promovessem uma melhoria sensível à mobilidade por bicicletas na cidade.

Leia Mais »