Rede: 'nenhum voto em Bolsonaro' | Fábio Campana

Rede: ‘nenhum voto em Bolsonaro’

do G1

A Rede Sustentabilidade, partido da candidata derrotada à Presidência Marina Silva, anunciou na madrugada desta quinta-feira (11) a recomendação aos filiados de não votar em Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno a ser disputado entre ele e Fernando Haddad (PT).

Em nota, divulgada após reunião da Comissão Executiva Nacional, o partido critica o “projeto de poder” e a “corrupção sistemática” do PT, diz que não apoiará a candidatura Haddad e que será oposição ao futuro governo, seja qual for o vencedor da eleição.

Mas ressalva que, frente às “ameaças imediatas e urgentes à democracia”, recomenda a filiados e simpatizantes que não destinem “nenhum voto” a Bolsonaro e que escolham no segundo turno, “de acordo com sua consciência, votar da forma que considerem melhor para o país”.

Confira, no Leia Mais, a nota na íntegra.

Nota da Rede Sustentabilidade sobre o segundo turno

Nestas eleições, a Rede Sustentabilidade apresentou à sociedade brasileira um projeto alternativo à polarização. Frente ao ódio e à mentira, oferecemos a face da verdade e da união em prol de um Brasil mais próspero, justo e sustentável. Infelizmente, os dois postulantes no segundo turno representam projetos de poder prejudiciais ao país, atrasados do ponto de vista da concepção de desenvolvimento, autoritários em relação ao papel das instituições de Estado, retrógrados quanto à visão do sistema político e questionáveis do ponto de vista ético.

A Rede não se alinha e não apoia nenhum deles. A corrupção sistemática revelada pela Operação Lava Jato foi uma marca dos governos petistas, assim como de boa parcela dos parlamentares que agora estão com o Bolsonaro. Os dirigentes petistas construíram um projeto de poder pelo poder pouco afeito à alternância democrática.

Por outro lado, é impossível ignorar que o projeto de Bolsonaro, conforme tem sido reiteradamente afirmado, representa um retrocesso brutal e inadmissível em três pontos muito caros aos princípios e propósitos da Rede. Primeiro, promete desmontar inteiramente a estrutura de proteção ambiental existente no país, conquistada ao longo de décadas, por gerações de ambientalistas. Chega ao absurdo de anunciar a incorporação do Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Agricultura. Com isso, atenta contra o interesse da sociedade brasileira e destrói pilares fundamentais para o futuro do país. Além disso, ataca os direitos das comunidades indígenas e quilombolas, anunciando que não será demarcado mais um centímetro de suas terras. Segundo, é um projeto que despreza direitos humanos e a diversidade existente na sociedade, promovendo a incitação sistemática ao ódio, à violência e à discriminação. Por fim, é um projeto que ameaça a democracia e põe em cheque as conquistas históricas desde a Constituinte de 1988.

Dessa forma, a Rede Sustentabilidade declara publicamente que:

1. Será oposição democrática ao governo de qualquer dos candidatos que saia vencedor do embate a que se reduziu essa eleição.

2. Não tem ilusões quanto às práticas condenáveis do PT, dentro e fora do governo. No entanto, frente às ameaças imediatas e urgentes à democracia, aos grupos vulneráveis, aos direitos humanos e ao meio ambiente, a Rede Sustentabilidade recomenda que seus filiados e simpatizantes não destinem nenhum voto ao candidato Jair Bolsonaro e, isso posto, escolham de acordo com sua consciência votar da forma que considerem melhor para o país.

10 de outubro de 2018,

Executiva Nacional da REDE Sustentabilidade.


13 comentários

  1. Agricultor
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 8:44 hs

    Por essas e outras que esta silvícola inexpressiva derreteu. Bolsonaro 17

  2. quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 8:57 hs

    Qual voto? kkkkkk. A REDE ficará de fora do fundo partidário, não rompeu a cláusula de barreira, partido anão, presidenciável inexpressiva.

  3. Luiz Flavio
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 9:08 hs

    Essa é a verdadeira LACRAIA (Lacraias, escolopendras ou centopeias, animais peçonhentos, porém, seu veneno não é muito perigoso para o ser humano), que aparece sazonalmente de quatro em quatro anos e se chama Marina.

  4. ROBERTO
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 9:20 hs

    SE O SENADOR FLAVIO ARNS NÃO APOIAR BOLSONARO VOU CANCELAR MEU VOTO NELE. ATENÇÃO FLAVIO: ESTAMOS DE OLHO EM VOCÊ…!!!…

  5. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 9:53 hs

    E pensar que já fui gamado nela. Chamava-a de MARINA Morena Brasileira da SILVA…

  6. jorge Hardt Filho
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 10:15 hs

    A ex-petista revela sua hipocrisia: pode votar em qualquer menos no Bolsonaro. conclusão Haddad. A cada dia a canalha esquerdista mostra mais a cara

  7. jorge Hardt Filho
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 10:18 hs

    A ex-petista revela sua hipocrisia: pode votar em qualquer menos no Bolsonaro. conclusão Haddad. A cada dia a canalha hipócrita esquerdista mostra mais a cara

  8. Veredicto
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 10:30 hs

    Só podia partir de uma esquerdista psicopata uma decisão destas. Isto por que ela diz que ama o Brasil, isto é, “ou nóis ou ninguém, o povo que se fod….”

  9. O PROFETA
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 10:59 hs

    Flávio. Vê lá heim !!! Os Paranaenses estão ligados.

  10. valdir bassai
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 11:20 hs

    Essa mulher tem que tirar o rótulo de que é cristã.
    Mais comunista do que o pessoal do pcb e pc do b.

    Flavio Arns ia votar em vc e desisti justamente por estar nesse partido.
    Primeira oportunidade que tiver troca de partido.

  11. Dionleno
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 12:06 hs

    Marina não quer que os votos dela vão para Bolsonaro, mas a pergunta é: “Que votos ela teve?”

  12. SERGIO SILVESTRE
    sexta-feira, 12 de outubro de 2018 – 7:34 hs

    Essa Marina é tão microscópica quanto a uma ameba!

  13. sábado, 13 de outubro de 2018 – 19:24 hs

    Marina já se revelou. Pode tirar seu cavalinho da chuva.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*