Polícia identificou autores de agressão a rapaz com boné do MST | Fábio Campana

Polícia identificou autores de agressão a rapaz com boné do MST

Redação Bem Paraná

O delegado-titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHHP), Luiz Alberto Cartaxo Moura, disse nesta quarta (10) que a polícia já identificou seis autores do ataque a um rapaz, 26 anos, que estava de camiseta vermelha e boné do MST nas proximidades da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) na noite de terça (9). Segundo o delegado, eles são integrantes da Império Alviverde, torcida organizada do Coritiba. A polícia trabalha em três linhas de investigação. “Uma simples ´rixa’ na rua, uma briga por causa da torcida e uma agressão com viés político”, afirmou Cartaxo. Segundo ele, a polícia já ouviu a vítima, parte das testemunhas e já está atrás dos suspeitos.

O rapaz estava próximo à Casa da Estudante e á Biblioteca da UFPR quando foi atacado com socos, pontapés e garrafadas. A informação de que ele era estudante da UFPR foi corrigida pela polícia. Ele já estudou na universidade e hoje é um profissional. De acordo com o Cartaxo, a vítima disse uma confusão já acontecia quando ele foi intervir e pedir para que parassem, foi quando os seis agressores partiram para cima dele e teriam gritado `Jair Bolsonaro`. O rapaz teve contusões graves e cortes na cabeça, nos olhos, nos ombros e braços e teve que ser encaminhado ao Hospital Cajuru. “O que cabe à polícia independente do tipo de crime é apurar rigorosamente. Se for caso envolvendo torcidas, vamos encaminhar para a Delegacia Móvel De Atendimento ao Futebol E Eventos (Demafe), que eles têm um material extenso sobre o assunto”, afirmou o delegado.

O agressores ainda quebraram o vidros da Casa da Estudante Universitária de Curitiba (CEUC) e da Biblioteca Central da universidade. De acordo com as testemunhas, eles só pararam porque várias pessoas saíram em defesa do rapaz. Os autores fugiram assim que as pessoas começaram a defender o rapaz. A Polícia Militar foi chamada, mas não encontrou os autores.

NOTA DE REPÙDIO – A Universidade Federal do Paraná enviou nota lamentando profundamente o ato de violência ocorrido em frente às suas dependências. A Pró-reitoria de Administração e a Superintendência de Infraestrutura prontamente foram acionadas e já tomaram as devidas providências para garantir a segurança no local e boletins de ocorrência foram registrados.

“A UFPR repudia veementemente todo e qualquer ato de violência, de preconceito ou de discriminação e entende que os espaços universitários são ambientes de debate e do exercício de liberdade de opinião. Um espaço histórico e simbólico que deve se manter pleno da democracia e de continua resistência à intolerância, à violência e banidas as formas de opressão”, diz a nota da UFPR.

A Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) também publicou em suas redes sociais nota sobre o caso de agressão. “A violência ocorrida na UFPR (Universidade Federal do Paraná) é algo que fere a todos nós. Na noite desta terça-feira (9), um rapaz foi vítima de agressões motivadas por divergências de posicionamentos políticos. Além da agressão física, dependências da Universidade foram danificadas. A PUCPR está ao lado da UFPR contra todo e qualquer ato de violência e enaltece a importância da Universidade como espaço de diálogo, discussões e consenso. Enquanto Universidades, somos todas responsáveis pela evolução de nossas ideias e construção de pensamentos que eliminem a barbárie de nossos dias. Por isso acreditamos: a violência jamais será um caminho!”.


4 comentários

  1. Zé da Bota
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 8:08 hs

    Esta história está muito esquisita….. a Império Alviverde elegeu o Samir que é Psol de carteirinha, aliás o pior presidente do Coxa que se tem notícia. Não faz sentido o Psol bater no MST…..cheira armação para prejudicar o Bolsonaro.

  2. quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 9:08 hs

    Nada haver toda essa celeuma, não tinha jogo no dia, meia dúzia de moleques, um ou dois com camiseta da Império estavam BEBENDO em um dos bares da região e começaram uma briga entre eles mesmos, quando um cara tbm frequentador da região, vestindo um boné do MST foi interferir e acabou nisso. Agora toda vez que BÊBADOS brigarem e um vestir vermelho, é briga por ideologia política, RIDÍCULO.

  3. quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 9:12 hs

    Aliás a região do entorno da reitoria da UFPR está bem mal frequentada, só BEBIDA, MACONHA E DESOCUPADOS, foi o tempo em que os estudantes universitários se preocupavam com os livros, pesquisas, bolsas acadêmicas por mérito, triste realidade.

  4. troll
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 11:56 hs

    KKK a briga se deu na rua e não nas dependências da UFPR que, açodadamente saiu procurando culpados e os encontrou. Por uma grande acaso do destino todos se declararam, em uníssono, “eleitores do Bolsonaro”. Incrível a velocidade com que a Universidade se posicionou, já saiu encontrando culpados, antes mesmo até do que a Polícia. A PUCPR também aproveitou para fazer propaganda barata de si mesma. A violência sempre é condenável, vinda ela de quem vier, mas jamais deve ser usada politicamente como estão fazendo ambas universidades, estão se nivelando aos violentos torcedores.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*