Juiz suspende intervenção nas concessionárias de pedágio no Paraná | Fábio Campana

Juiz suspende intervenção nas concessionárias de pedágio no Paraná

Narley Resende, do Bem Paraná

O juiz Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal de Curitiba, negou desta terça-feira, 9, à noite o pedido feito pelo governo do Paraná para que as tarifas de pedágio praticadas no Anel de Integração fossem imediatamente reduzidas em até 50%. O juiz destacou que uma ação provisória neste momento poderia acarretar ainda mais prejuízos aos paranaenses, pois poderia resultar em questionamentos pelas concessionárias de rodovias. Ainda há três anos de contrato pela frente.

Em 1998, o então governador Jaime Lerner, reduziu o pedágio de estradas federais no Paraná em 50%, às vésperas da eleição. Na sequência, esta foi uma justificativa usada pelas concessionárias para aditivos contratuais que terminarm por elevar ainda mais o preço da tarifa do pedágio. Além das concessionárias, o próprio Ministério Público Federal apresentou no processo parecer contrário à redução imediata das tarifas. Entre os argumentos estão o momento em que foi feito o pedido, na véspera da eleição, e também a falta de estudos técnicos para embasar o mesmo.

O juiz reconhece que os preços das tarifas estão altos em contraposição a baixa qualidade das rodovias. Segundo ele, “quando comparado com outros trechos objeto de concessões mais recentes, fica evidente que o modelo de licitação/contratação proposto na década de 1990 não foi o mais eficiente e adequado na perspectiva do usuário”. Por outro lado, o juiz afirma que a Operação Integração II, fase 55 da Operação Lava Jato, apura fraudes consideradas graves, mas que é necessário que o processo avance na produção de provas para que medidas de interferência e eventual ressarcimento possam ser ajuizados.

A ação judicial foi proposta pela gestão Cida Borghetti (PP) uma semana antes da eleição para o governo do Paraná. O governo também anunciou uma intervenção nas seis concessionárias, escolhendo policiais militares aposentados para entrar nas empresas e garantir acesso a documentos. O magistrado que analisou o pedido de redução das tarifas determinou que o termo intervenção seja substituído por inspeção.

Seis oficiais da reserva da Polícia Militar (PM) foram nomeados interventores por decretos assinados no dia 4 de outubro, três dias antes das eleições. Agora, eles serão chamados de inspetores. Os oficiais vão atuar dentro das concessionárias. Segundo o governo, eles devem impedir a continuidade dos atos irregulares nas concessões de pedágio no Paraná. Na prática, para o usuário das rodovias, nada muda. Os valores cobrados nos pedágios, assim como os lucros e dividendos das empresas continuam os mesmos.

A Operação Integração II investiga esquema de corrupção na concessão de 2.450 quilômetros de rodovias federais do Estado, administradas por seis concessionárias – Econorte, Ecovia, Ecocataratas, Rodonorte, Viapar e Caminhos do Paraná. O responsável pela ação penal é o juiz Paulo Sergio Ribeiro, da 23ª Vara Federal. A investigação é fundamentada nas delações premiadas do ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER) Nelson Leal Júnior; do ex-presidente da Econorte, Helio Ogama; e do ex-diretor das concessionárias, Hugo Nuno, presos na primeira fase da operação, em fevereiro.


8 comentários

  1. Oswaldo
    quarta-feira, 10 de outubro de 2018 – 16:18 hs

    Atitude politiqueira dá nisso.
    E quem paga a conta somos nós.
    Traz insegurança juridica para quem investe.
    O mesmo aconteceu em Parangua. Menos de 24 hs antes da votaçao o prefeito tbem interviu no sistema de agua e esgoto da cidade.
    Alegou preço da tarifa muito alto.
    Só esqueceu quem quem fez a privatizaçao foi o pai dele.

  2. E agora?
    quarta-feira, 10 de outubro de 2018 – 17:19 hs

    Cadê a Cidinha!

  3. Jéssica Cláudia
    quarta-feira, 10 de outubro de 2018 – 17:42 hs

    Tudo papo da Cida e seu marido mentor !!! Ainda bem que não se elegeu, este tipo de gente que abusa da inteligência do povo, foi e vai ser banida da política!

  4. quarta-feira, 10 de outubro de 2018 – 18:02 hs

    E AINDA TEM ÁQUÊLES QUE ADORAM FAZER PAPEL DE LARANJA NÉ???KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

  5. JOÃO LUCAS
    quarta-feira, 10 de outubro de 2018 – 21:11 hs

    Cidoca, coloca de uma vez na sua cabeça que, o paraná não simpatiza com vc e sua familia que mama na teta do Estado, fizeram fortunas e são bilionários em Maringá. Pega as malinhas e volta pra lá, vaza………………

  6. SERGIO SILVESTRE
    quarta-feira, 10 de outubro de 2018 – 21:24 hs

    Esse juiz ai pode ter certesa,tá na caderneta do pedagio,deveria ser preso por deixar lesar por 20 anos o povo paranaense.Me desculpem ,mas isso ai é juiz contra o povo.

  7. Claudio
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 0:50 hs

    Sergio silvestre este Dr Friedmann é um elemento da direita raivosa que atuou nos anos 80 contra os movimentos estudantis e perdia todas as eleições nos Dces UPE etc , foi cupincha do afonso camargo do PP, PFL, etc , cuidou dos processos do banestado aqui no Paraná e ninguem foi preso se lembram? pois pois está ai em vara federal junto com a lavajato do Moro . o requião conhece muito bem quem é esta pessoa. este é o judiciário nosso de cada dia….hoje bolsominions.

  8. ieto
    quinta-feira, 11 de outubro de 2018 – 8:56 hs

    RIDÍCULA…KKKK

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*