Propostas sobre corrupção são genéricas | Fábio Campana

Propostas sobre corrupção são genéricas

O Estado de S. Paulo fez um levantamento sobre o que os presidenciáveis propõem como combate à corrupção, tema que desfila em todas as falas, mas a discurseira não bate muito com o que está no papel.
O jornal publicou a partir da apresentação das diretrizes de governo pelos candidatos (obrigatória pela legislação eleitoral) os tópicos do que cada um promete a respeito do assunto:
Alvaro Dias (Podemos):
– Uma medida de limpeza por dia até acabar a burocracia (365 medidas em 2019)
– Apoiar medidas de combate à corrupção, como as do pacote das 10 Medidas Contra a Corrupção, do MPF
– Pacto federativo para que “cofres municipais não sejam mais surrupiados para financiar a corrupção”

Ciro Gomes (PDT):
– Combater o desperdício, reduzindo o número de ministérios e cargos públicos e cortando despesas do Estado, bem como mordomias e privilégios
– Criar mecanismos de avaliação e de mensuração da qualidade e da eficiência dos serviços públicos
– Criar e desenvolver o ‘Projeto Cidadão’: menos regras, menos certidões, mais confiança na idoneidade dos cidadãos e punição rigorosa para quem fraudar

Geraldo Alckmin (PSDB)
– Combater o desperdício, reduzindo o número de ministérios e cargos públicos e cortando despesas do Estado, bem como mordomias e privilégios
– Criar mecanismos de avaliação e de mensuração da qualidade e da eficiência dos serviços públicos
– Criar e desenvolver o ‘Projeto Cidadão’: menos regras, menos certidões, mais confiança na idoneidade dos cidadãos e punição rigorosa para quem fraudar

Fernando Haddad (PT)
– Fim do auxílio-moradia para magistrados, membros do Ministério Público e demais agentes públicos que possuam casa própria e residam no domicílio ou que usem imóvel funcional
– Redução do período de férias de 60 para 30 dias para todas as carreiras que mantêm tal prerrogativa
– Rever texto da Lei Anticorrupção e da Lei das Organizações Criminosas, para evitar que sejam usadas de forma desvirtuada. Cita mudanças nos acordos de leniências e nas delações premiadas

Jair Bolsonaro (PSL)
– Reduzir número de ministérios e acabar com o aparelhamento, o loteamento político, acabar com dinheiro carimbado para pessoas, grupos ou entidades
– Acabar com a burocracia do Estado
– Recuperar as 10 Medidas de Combate à Corrupção e reenviá-las ao Congresso

João Amoêdo (Novo)
– Fim do Fundo Partidário, do fundo eleitoral e da propagandas eleitoral gratuita
– Redução do número de congressistas em um terço (ficariam 54 senadores e 342 deputados), de deputados estaduais e vereadores
– Fim dos privilégios e da impunidade aos políticos corruptos

Marina Silva (Rede)
– Fim da reeleição para cargos executivos, limitação de dois mandatos consecutivos para cargos legislativos
– Exigência de ficha limpa para ocupação de cargos no serviço público
– Criminalização do caixa 2 eleitoral e do enriquecimento ilícito de agentes públicos; fim do foro privilegiado

Henrique Meirelles (MDB)
– Não trata diretamente do tema corrupção
– Fala em fortalecer e ampliar os projetos de cooperação na área de segurança, voltado ao combate do crime transnacional, ao terrorismo, ao tráfico de pessoas e drogas


Um comentário

  1. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 13 de setembro de 2018 – 12:54 hs

    Alguns candidatos precisam fazer uma faxina nos seus próprios arredores. Se não fizerem inclusive um mea culpa, será mais um embuste.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*