Vice de Bolsonaro defende intervenção militar caso Lula seja candidato | Fábio Campana

Vice de Bolsonaro defende intervenção militar caso Lula seja candidato

Congresso em Foco,
O general da reserva Antonio Hamilton Mourão (PRTB), vice de Jair Bolsonaro (PSL) disse, em entrevista ao Valor Econômico, que a tentativa do PT de impor a candidatura de Lula justificaria uma ação militar, caso haja uma “revolta popular”.
“Lula candidato é um coisa que está correndo nas redes sociais. Se Lula pode ser candidato, então Fernandinho Beira-Mar pode, Marcola pode. Ressalvadas as devidas diferenças”, disse.
Para o general, os casos que justificariam uma intervenção militar são os violariam as leis e cita o exemplo da Lei da Ficha Limpa. “O PT tentando impor de todas as formas a candidatura [de Lula] que pode ensejar em razão das leis existentes. Se por acaso uma coisa dessas levar a uma revolta popular, é necessário que haja controle disso aí, senão vamos para a barbárie.”

O militar da reserva disse que a missão das Forças Armadas é “manter um ambiente de estabilidade para que os três Poderes possam cumprir sua tarefa” e que, caso isso for afetado por “distúrbios da rua”, as Forças Armadas devem manter a ordem.

Mourão defendeu que é preciso ter “tolerância zero” na questão da segurança. Segundo ele, as penas no Brasil são muito brandas e os presídios não podem ser “nova escola de bandido”. Questionado sobre a segurança na época da Ditadura Militar, o general disse que “a questão da segurança era muito light”. “Polícia era polícia e bandido era bandido. A coisa era muito bem definida”.

O vice de Bolsonaro também defendeu que militares tem que participar da política, pois possuem conhecimentos específicos que podem ajudar na governabilidade.

Mourão disse ainda que é preciso “desmistificar” a ideia de que o general é autoritário e fechado. “As pessoas temem que a gente ganhe. Devem achar que é o apocalipse”, afirmou.

(Foto: Reprodução/YouTube)


9 comentários

  1. bs
    sexta-feira, 10 de agosto de 2018 – 18:31 hs

    Mais um despreparado para presidir o Brasil.

  2. Fabio
    sexta-feira, 10 de agosto de 2018 – 19:04 hs

    Certíssimo o General! Lula candidato é “ruptura”, é um golpe, a resposta tem de ser a altura!

  3. sábado, 11 de agosto de 2018 – 10:51 hs

    Perfeito General, A Nação não pode lficar a mercê desse bando de vagabundo, escroto e corrupto. Bora,quebrar de pau se isso ocorrer.

  4. Justo
    sábado, 11 de agosto de 2018 – 11:18 hs

    O Brasil é um país democrático, até os marginais tem seus direitos, concedidos pelo povo através dos seus representantes, toda ação excessiva ou omissa quebra o Estado de Direito, nosso país deve buscar o equilíbrio e ter sensatez.

  5. Valmor Lemainski - Cascavel
    sábado, 11 de agosto de 2018 – 11:50 hs

    Essa história já vi há bastante tempo… Alguém acha que os militares sairão da sua zona de conforto?… Nem a pau Juvenau!!!.

  6. Valmor Lemainski - Cascavel
    sábado, 11 de agosto de 2018 – 11:53 hs

    TIRO DE FESTIM… Demagogia eleitoral… Duvido que os militares queiram sair da zona de conforto que gozam no país…
    Se quisessem, já teriam feito…

  7. Luiz Antonio
    sábado, 11 de agosto de 2018 – 15:30 hs

    Não fala bobagem, general.O Lula já é ficha suja, portanto, está fora.

  8. domingo, 12 de agosto de 2018 – 16:45 hs

    VAI SE QUEIMAR NA POLITICA PRA QUÊ NÉ???

  9. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 13 de agosto de 2018 – 10:49 hs

    -As palavras do respeitadíssimo general são claras e o recado está dado!!!
    -Se a esquerdalha começar à aumentar a agitação, deverá ser imposto um limite pelas FFAA para que a democracia e o estado de direito sejam preservados!!!!
    -A Lei da Ficha Limpa está valendo e não foi revogada!!! Todo ato contrário é golpe e todos os esquerdalhas(filhotes de Maduro) devem ser responsabilizados…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*