Agora e na hora de nossa morte | Fábio Campana

Agora e na hora de nossa morte

Só quem já passou por perda de alguém bem próximo e teve que tratar das burocracias sabe como pode ser difícil não ter liberdade de escolha para serviço funerário. Diz a lei que um escritório central, administrado pela prefeitura, é quem distribui os atendimentos das funerárias às famílias de quem falece, sorteando aleatoriamente quem atenderá a ocorrência dentro de uma relação composta pelas funerárias legalmente cadastradas pela Prefeitura de Curitiba.
Pois, pois, já é ruim, mas pode piorar.
A vereadora Maria Letícia, do PV, quer regras mais firmes para evitar que o sistema de rodízios de funerárias de Curitiba seja burlado com a contratação indevida de funerárias instaladas em municípios próximos à capital.
Ou seja, mais Estado agora e na hora de nossa morte.


Um comentário

  1. Sergio R.
    terça-feira, 13 de Fevereiro de 2018 – 13:46 hs

    Quantas funerárias pertencem a uma só pessoa ou ou parentes? Entrar num sorteio com vários números não parece coisa deste mundo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*